Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Dez versões de “Caravan”: vol. 2
Música, Jazz, Duke Ellington
©Flickr Duke Ellington

Dez versões de “Caravan”: vol. 2

Após a sugestão de dez versões gravadas entre 1936 e 1962, eis mais dez versões de um dos mais famosos temas do jazz

Por José Carlos Fernandes
Publicidade

“Caravan” é uma composição que se associa de imediato a Duke Ellington, mas não terá sido ele o seu iniciador, antes um membro da sua orquestra, o trombonista Juan Tizol. Este não parece ter-se importado com a “apropriação” de Ellington, pois tinha a composição em tão escasso apreço que, pouco depois, cedeu a sua parte nos direitos ao autor da letra, Irving Mills, por 25 dólares. Foi um negócio das Arábias para Mills, mas, quando “Caravan” ganhou popularidade, o letrista teve a hombridade de dar a Tizol uma percentagem dos royalties. O que é provável que nem Tizol, nem Ellington, nem Mills sonhassem em 1936 é que “Caravan” passasse por tantas mutações no futuro.

Recomendado: Dez versões clássicas de “Caravan”

Dez versões de “Caravan” vol. 2

Rabih Abou-Khalil

Ano: 1990
Álbum: Roots & Sprouts (Enja)

Hoje, um músico branco ocidental que ouse fazer uma composição ao estilo de “Caravan” corre o risco de ser acusado de “apropriação cultural” e de cultivar uma imagem do Oriente com uma superficialidade e um pitoresco dignos de bilhete-postal. Porém, muito mais produtivo do que criar patrulhas de denúncia de “apropriação cultural” é fazer o que Rabih Abou-Khalil, alaúdista libanês radicado na Alemanha desde 1978, fez com “Caravan”: reapropriou-se da sua componente árabe e expandiu-a, com a ajuda de Selim Kusur (nay, uma flauta persa), Yassin El-Achek (violino), Glen Moore (contrabaixo), Glen Velez (percussão) e Mohammad Al-Sous (darabukka, um tambor do Norte de África e Médio Oriente).

Medeski, Martin & Wood

Ano: 1991-92
Álbum: Notes From the Underground (Gramavision)

O trio formado por Martin Medeski (teclados), Chris Wood (contrabaixo) e Billy Martin (bateria) tornou-se conhecido pela sonoridade calorosa e cheia do órgão e pela mescla (nem sempre muito original) de jazz e rock, mas no seu álbum de estreia, Notes From the Underground, John Medeski tocava apenas piano acústico e a sonoridade da banda era mais jazzística e ousada do que na maioria dos discos subsequentes. Entre as composições originais da banda (sobretudo de Medeski) há duas peças de Wayne Shorter e esta versão de “Caravan”.

Publicidade

Michel Petrucciani

Ano: 1997
Álbum: Solo Live (Dreyfus)

“Caravan” e “Take the A Train” foram dois temas de Ellington recorrentes nos discos e concertos do pianista francês Michel Petrucciani. Esta versão de “Caravan” foi tocada no concerto ao vivo na Alte Oper de Frankfurt, a 27 de Fevereiro de 1997, editado no álbum Solo Live (Dreyfus). Este Solo Live, que foi reeditado em 2007 em versão expandida como Piano Solo: The Complete Concert in Germany, não deverá ser confundido com o álbum Live, editado pela Blue Note, que documenta um concerto em quarteto no Arsenal de Metz, em 1991.

Martial Solal

Ano: 1999

O envolvimento do pianista francês com “Caravan” começou cedo: gravou-o em Julho de 1956, em piano solo, para a Vogue (versão incluída no vol. 2 da série The Vogue Recordings: Trios & Solos), revisitou-a em 1997 com a sua Dodecaband em Plays Ellington (Dreyfus) e tocou-a ao vivo em diversos contextos, como é o caso desta prestação a solo, ao vivo no clube Bayerischer Hof, no Festival de Piano de Verão de Munique (Münchner Klaviersommer) de 1999.

Publicidade

Julia Hülsmann

Ano: 2000
Álbum: Trio (BIT) Apesar das suas qualidades – patentes nesta vigorosa versão de “Caravan” – o álbum de estreia da pianista alemã Julia Hülsmann, em trio com Marc Muellbauer (contrabaixo) e Rainer Winch (bateria), passou despercebido, para o que terá contribuído a obscuridade da editora e a banalidade do título (Trio). Em 2008, o trio – com Heinrich Köbberling no lugar de Winch – lançou o seu opus 2, End of a Summer, na ECM, logrando muito maior visibilidade.

Flat Earth Society

Ano: 2003
Álbum: The Armstrong Mutations (Zonk)

A big band belga Flat Earth Society rubricou aquela que é a mais exuberante, colorida, divertida e desvairada versão de “Caravan”, a que nem sequer falta um toque sci-fi. No mundo desta Sociedade da Terra Plana o caminho mais curto entre dois pontos nunca é uma linha recta.

Publicidade

Jean-Michel Pilc

Ano: 2011
Álbum: Essential (Motéma)

Essential, o primeiro álbum de piano solo de Pilc, é um registo ao vivo no Union County Performing Arts Center, em Rahway, New Jersey, que combina improvisações e composições de sua lavra, uma valsa de Chopin e standards, entre os quais estão duas peças de Ellington: “Caravan” e “Take the A Train”.

Aki Takase

Ano: 2012
Álbum: My Ellington (Intakt)

A pianista Aki Takase, nascida em Osaka em 1948 e radicada em Berlim desde 1987, tem uma longa discografia em formatos variados, em septeto, quinteto, quarteto, trio, duo (com Maria João, Louis Sclavis ou David Murray) e a solo. O seu álbum de homenagem a Duke Ellington pertence ao último grupo e inclui esta leitura angulosa de “Caravan”.

Publicidade

Iiro Rantala

Ano: 2012
Álbum: My History of Jazz (ACT)

O pianista finlandês Iiro Rantala combina formação clássica e jazzística e começou carreira em projectos como o Trio Töykeät, a Big Bad Family e os Tango Kings, antes de se afirmar em nome próprio com vários álbuns surpreendentes na editora ACT. Os seus discos como líder reflectem o largo espectro dos seus interesses e experiências e, como seria de esperar, a sua perspectiva da história do jazz é pouco ortodoxa e previsível: o programa alterna peças de sua autoria com trechos (mais ou menos subvertidos) das Variações Goldberg, de Bach, “Eronel”, de Monk, “Caravan”, “Liza” (de Gershwin), ou “September Song” (de Kurt Weill). O disco é, essencialmente a solo, dada a perspectiva pessoal explícita no título, mas nalgumas faixas intervêm convidados, como é o caso de “Caravan”, em duo com o virtuoso polaco do violino Adam Baldych e captada ao vivo no Festival de Jazz de Montreux de 2012 (as restantes faixas provêm de sessões de estúdio).

James Gelfand

Ano: 2018
Álbum: Ground Midnight (Analekta)

O pianista canadiano James Gelfand lançou o seu primeiro álbum em nome próprio em 1996 e tem desenvolvido intensa actividade como compositor para televisão e cinema, mas continua a ser pouco conhecido fora do seu país. O seu disco mais recente, em trio com Morgan Moore (contrabaixo) e Jim Doxas (bateria), assenta em composições próprias, mas abre espaço para excelentes reinvenções de “Caravan” e “Round Midnight”.

Mais versões

Thelonious Monk
@William P. Gottlieb

Dez versões de “‘Round Midnight”

Música Jazz

Sendo o jazz uma música eminentemente nocturna, não é de admirar que“‘Round Midnight” se tenha tornado numa das suas composições mais populares, sendo alvo de mais um milhar de versões. Estas dez são imprescindíveis.

Publicidade
Recomendado

    Também poderá gostar

      Também poderá gostar

        Publicidade