Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Dez versões de “‘Round Midnight”: vol. 2
Música, Jazz, Pianista, Thelonious Monk
©William P. Gottlieb Thelonious Monk, Minton's Playhouse, New York, 1947

Dez versões de “‘Round Midnight”: vol. 2

Após sugerir dez versões clássicas deste jazz standard, a Time Out sugere outras dez, de fabrico mais recente

Por José Carlos Fernandes
Publicidade

Sendo o jazz uma música eminentemente nocturna, não é de admirar que “‘Round Midnight” se tenha tornado numa das suas composições mais populares, sendo alvo de mais de um milhar de versões, entre as quais a Time Out propôs uma escolha de gravações realizadas entre 1947 e 1963 (ver 10 versões clássicas de “‘Round Midnight”).

Thelonious Monk terá composto “‘Round Midnight” em 1940-41, mas só registou a composição em 1944, ano em que foi alvo de uma primeira gravação por Cootie Williams, que lhe introduziu alguns embelezamentos – o mesmo fez Dizzy Gillespie quando a gravou em 1946. Entretanto, a composição ganhou também uma letra, da autoria de Bernie Hanighen, de forma que este e Williams passaram a ser creditados como co-autores. “‘Round Midnight” é atípica na produção de Monk, marcada pelo humor desconcertante, pelas dissonâncias ácidas e pelos ritmos angulosos, e nas mãos de alguns músicos tende a soar como uma belíssima e melancólica balada de recorte clássico. Mas outros houve que a reconduziram à enviesada estética monkiana.

Recomendado: Os melhores concertos online esta semana

Dez versões de “‘Round Midnight”: vol. 2

Sun Ra

Ano: 1980
Álbum: Sunrise in Different Dimensions (hat Hut)

Monk haveria certamente de apreciar o tratamento dado a “‘Round Midnight” pelo piano desconjuntado de Sun Ra e pela fanfarra ébria da sua Arkestra, ao vivo no festival de jazz de Willisau, na Suíça. O concerto emparelha composições de Sun Ra e standards e a formação inclui dois velhos cúmplices de Sun Ra, Marshall Allen e John Gilmore – o resto da equipa é formada por Danny Thompson, Kenneth Williams, Michael Ray, Chris Henderson e Eric Walker.

Michel Petrucciani

Ano: 1984
Álbum: Live at the Village Vanguard (Concord)

O pianista francês Michel Petrucciani tinha 22 anos quando, a 16 de Março de 1984, gravou este concerto ao vivo no mais célebre clube de jazz do mundo, em trio com Palle Danielsson (contrabaixo) e Eliot Zigmund (bateria).

Publicidade

Vienna Art Orchestra

Ano: 1985
Álbum: Perpetuum Mobile (hat Hut)

A Vienna Art Orchestra, que esteve activa – com intermitências – entre 1977 e 2010, começou por tocar composições do seu líder, Mathias Rüegg, mas acabou por alargar o seu repertório a Eric Dolphy, Duke Ellington, Charles Mingus e standards em geral, bem como a Satie, Strauss (o das valsas), Schubert e Wagner. Um dos melhores períodos da sua extensa discografia é o que corresponde à associação à editora suíça hat Hut, cujo último fruto foi Perpetuum Mobile, o registo de um concerto ao vivo na sala Mühle Hunziken, em Rubingen, na Suíça, e em que “‘Round Midnight” é a única peça do programa que não é da autoria de Rüegg. O álbum foi depois reeditado como A Notion in Perpetual Motion.

Martial Solal

Ano: 1993-94
Álbum: Improvise Pour France Musique (Éditions Jean-Marie Salhani)

Este “‘Round Midnight” que mescla lirismo e ironia provém de um duplo álbum de piano solo registado ao vivo nos estúdio da Radio France e consagrado à desconstrução de standards.

Publicidade

Esbjörn Svensson Trio

Ano: 1996
Álbum: Plays Monk (ACT)

O trio sueco formado por Esbjörn Svensson (piano), Dan Berglund (contrabaixo) e Magnus Öström (bateria) nasceu em 1993 e durou até à morte, num acidente de mergulho de Svensson, em 2008. Neste seu segundo álbum, integralmente dedicado a composições de Monk, o EST tem o reforço de um quarteto de cordas (Ulf Forsberg, Ulrika Jansson, Elisabeth Arnberg e Ulrika Edström) em duas faixas, uma das quais é este sereno e melancólico “‘Round Midnight”.

Uri Caine

Ano: c.1998-99
Álbum: Live at Ortlieb’s Jazzhaus (Encounter Records)

Também o pianista americano Uri Caine, que se tornou conhecido pela recriação da música de compositores “eruditos” como Bach, Beethoven, Mahler, Mozart, Schumann, Verdi e Wagner, iniciou carreira com uma homenagem a Monk no álbum Sphere Music (1993, JMT). Este “‘Round Midnight” nervoso, entrecortado, com constantes mudanças de mood, tem porém outra proveniência: é uma prestação ao vivo, em piano solo, incluída numa compilação de actuações de diversos músicos na Ortlieb’s Jazzhaus, em Filadélfia, entre 1993 e 1999.

Publicidade

Bourne/Davis/Kane

Ano: 2004
Álbum: Lost Something (Edition Records)

Na crítica ao álbum Lost Something, o The Guardian comparou o pianista Matthew Bourne a “um Thelonious Monk do século XXI” – e não foi apenas pela inclusão no programa de “‘Round Midnight”. O trio de Bourne com Dave Kane (contrabaixo) e Steven Davis (bateria) leva a composição de Monk para um negrume inquietante e rarefeito, assombrado por rumores de criaturas nocturnas, de onde só muito pontualmente emergem fragmentos reconhecíveis da melodia. O jazz britânico é pouco ouvido fora das Ilhas Britânicas, mas este trio genial nem no seu país é conhecido e os dois álbuns que editaram após este, The Money Notes e Broken Light, tiveram edições “confidenciais”.

Quest

Ano: 2005
Álbum: Redemption: Live in Europe (hat Hut)

Os Quest nasceram em 1981 e são formados por Dave Liebman (saxofone), Richie Beirach (piano), Ron McClure (contrabaixo) e Billy Hart (bateria), mas nesta versão de “‘Round Midnight”, gravada na Kantonsschulle, em Baden, na Suíça, apenas intervêm Liebman e Beirach.

Publicidade

Francesco Bearzatti Tinissima 4tet

Ano: 2012
Álbum: Monk’n’Roll (CamJazz)

O Tinissima 4tet do saxofonista italiano Francesco Bearzatti, com o trompetista Giovanni Falzone, o contrabaixista Danillo Gallo e o baterista Zeno de Rossi, nasceu para prestar homenagem à fotógrafa e activista comunista Tina Modotti (1896-1842) e acabou por ser também o protagonista do álbum Monk’n’Roll, uma homenagem a Thelonious Monk que tem a originalidade de mesclar as composições do pianista com piscadelas de olho ao universo pop-rock (e cuja capa faz alusão à capa do álbum Underground, de Monk). É o caso de “‘Round Midnight”, que ganhou balanço reggae e cita (por vezes de forma trocista) “Message in a Bottle”, dos Police.

Romain Collin

Ano: 2013
Álbum: Press Enter (ACT)

O pianista Romain Collin nasceu em França e estudou nos EUA, diplomando-se no Thelonious Monk Institute of Jazz (que, no início deste ano, foi rebaptizado como Herbie Hancock Institute of Jazz), e está radicado em Nova Iorque. Press Enter foi o segundo álbum do seu trio com Luques Curtis (contrabaixo) e Kendrick Scott (bateria) e marca o início da sua ligação à editora alemã ACT. “‘Round Midnight” encerra o álbum, numa versão para piano solo despojada e serena.

Mais versões

Thelonious Monk
@William P. Gottlieb

Dez versões de “‘Round Midnight”

Música Jazz

Sendo o jazz uma música eminentemente nocturna, não é de admirar que“‘Round Midnight” se tenha tornado numa das suas composições mais populares, sendo alvo de mais um milhar de versões. Estas dez são imprescindíveis.

Publicidade
Recomendado

    Também poderá gostar

      Também poderá gostar

        Publicidade