Notorious B.I.G.: 20 anos depois, 10 canções obrigatórias

Foi há precisamente duas décadas que Biggie Smalls foi morto a tiro em Los Angeles. Se não fosse por isso seria porque é simplesmente um dos melhores. Esta playlist de Notorious B.I.G. dispensa pretexto

Christopher George Latore Wallace. O nome, dito assim por inteiro, diz-lhe alguma coisa? Aqui vai uma ajuda: este senhor tornou-se gente enquanto Notorious B.I.G., um dos grandes rappers da história. E a história, infelizmente, relembra-nos que hoje se assinalam 20 anos da sua morte. Nada como recuperar algumas das suas melhores canções.

Antes disso, passemos os olhos pela sua carreira, que foi também a sua vida. Nasceu em Brooklyn a 21 de Maio de 1972 e morreu a 9 de Março de 1997 em Los Angeles por um assassino, nunca descoberto, que disparou a partir de um carro e que se pôs a milhas. Notorious estava em Los Angeles a promover o seu segundo disco Life After Death, que viria a ser editado dia 25 de Março de 1997, uns dias depois do seu desaparecimento. Antes disso já tinha editado o seminal Ready to Die, em 1994.

Dono (provavelmente) do melhor flow de sempre, Biggie Smalls tem hits que teimam em permanecer por aqui (pensemos em “Juicy” ou em “Big Poppa”) e um historial de vida problemática. A disputa East Coast-West Coast, que o opôs a 2Pac, foi dos temas mais falados e que mais controvérsia gerou nos anos 90. Arrufos à parte, B.I.G. é um dos nossos reis eternos. Agora que se assinalam os vinte anos da sua morte (e dia 25 os 20 anos de Life After Death) deixemo-nos de ruído desnecessário e concentremo-nos na sua música. Os temas que seguem são para ouvir em loop. Como, de resto, toda a sua discografia.

Longa vida a Biggie.

Notorious B.I.G.: 20 anos depois, 10 canções obrigatórias

“Big Poppa”

Eis um dos grandes temas do rapper-lenda. Sacado de Ready to Die, é uma espécie de quem-é-que-manda-aqui, também direccionado para as mulheres que o rodeavam.

"Juicy"

Talvez o tema mais conhecido de Notorious. Uma canção com um instrumental sensual que atira qualquer bar abaixo mal se faz ouvir. Também tirado de Ready to Die.

Publicidade

“One More Chance”

“I’m not only the client, I’m the player president”, uma das grandes rimas do rapper, que, mais uma vez, apresentava o seu ego bem lá em cima. Funk em estado puro, sétima faixa de Ready to Die.

“Ten Crack Commandments”

A droga como temática, que aqui vai por regras, ou seja, Biggie a ensinar aos dealers como não ser apanhado. Pertencente a Life After Death, com produção do também eterno DJ Premier.

Publicidade

“Hypnotize”

Outro dos temas mais badalados do nova-iorquino. Aliás, foi após ter ido a L.A. gravar o teledisco desta canção que Biggie viria a ser morto. “Biggie, Biggie, Biggie, can’t you see?”.

“Party & Bullshit”

Se não está em nenhuma tracklist dos dois discos de Biggie Smalls é porque este é o primeiro single do rapper. O título diz tudo, certo? Foi editado na banda sonora do filme Who’s the Man? (1993, realizado por Ted Demme).

Publicidade

"What's Beef"

Com um instrumental lento e sinistro, “What’s Beef” é outra das grandes faixas de Life After Death. Beef, e não é de vaca.

“Machine Gun Funk”

Biggie tem cantigas de todas as formas e feitios. A sua arte era o flow, que encaixava em qualquer orquestração. “Machine Gun Funk”, de Ready to Die, é funk e jazzy sem deixar de ser gangster. Tudo o que se quer.

Publicidade

“The What”

Com participação do genial Method Man (Wu-Tang Clan), em “The What”, baixam-se as batidas para uma letra repleta de ironia e pretensiosismo.

“Going Back to Cali”

Um dos melhores refrães de Biggie Smalls, quanto a isso digam o que disseram. É uma pequena farpa para a turma do Kanye West. E uma canção com ritmo para todos.

Publicidade

Playlists Time Out Lisboa

Aretha Franklin retira-se. Devemos-lhe todo o “Respect”

A realeza que se cuide. Quando uma rainha informa que o seu reinado está a chegar ao fim, as televisões atropelam-se para ver quem chega primeiro. E logo esta, Rainha da Soul, Rainha da Voz, Rainha, apenas, que dispensa qualquer título à frente. Aretha Franklin, a nossa Rainha preferida, acaba de anunciar a sua retirada do mundo da música durante o ano de 2017. 

Ler mais
Por Miguel Branco

Grace Jones. A nossa playlist do furacão jamaicano

Modelo, cantora, actriz. Não necessariamente por esta ordem, mas sempre com as devidas doses de androginia e exuberância, para um resultado icónico. Mas vamos à música, guiados pela voz de Grace Jones. Deixamos meia dúzia de canções.

Ler mais
Por Maria Ramos Silva
Publicidade

As músicas favoritas dos grandes líderes mundiais

As preferências musicais dos líderes políticos poderiam revelar, se fossem sinceras, o seu lado mais íntimo e humano. Porém, nada nos garante que os políticos, que tantas vezes mentem ou se ficam pela meia-verdade sobre assuntos sérios, de importância capital e de interesse nacional, não falseiem as suas inclinações mais íntimas e subjectivas. 

Ler mais
Por José Carlos Fernandes

Cinco fugas ao fado de Camané

Camané é um dos melhores fadistas portugueses. Correcção: é um dos melhores cantores. Ao longo dos anos, afastou-se mais do que uma vez do fado, colaborando com outros músicos e cantando outros autores, das versões de António Variações dos Humanos à recente recriação de “Space Oddity”, de David Bowie, na companhia de David Fonseca.

Ler mais
Por Luís Filipe Rodrigues
Publicidade

Comentários

0 comments