Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Oito obras de compositores polacos que precisa de ouvir
Concerto de Chopin
©Henryk Siemiradzki [Chopin no salão da família aristocrática polaca Radzwilli, num quadro de Henryk Siemiradzki, 1887]

Oito obras de compositores polacos que precisa de ouvir

Há mais compositores de valor nascidos na Polónia para lá de Chopin. Um século após a restauração da independência, vale a pena recordá-los.

Por José Carlos Fernandes
Publicidade

A 11 de Novembro de 2018 assinalou-se a passagem de um século sobre a restauração da independência da Polónia, após mais de um século sob domínio dos impérios russo, alemão e austro-húngaro, em resultado de três acordos de partição realizados em 1772, 1793 e 1795. A Polónia tem uma história conturbada e as suas fronteiras e o seu estatuto sofreram mudanças drásticas nos últimos séculos. Entre meados do século XVI e meados do século XVII, a monarquia dual polaco-lituana reinou sobre um vasto território que ia do Báltico quase até ao Mar Negro e incluía partes do que são hoje a Ucrânia, a Bielorrússia, a Lituânia, a Letónia e a Rússia. Esta Comunidade das Duas Nações, resultante da fusão do Reino da Polónia e do Grão-Ducado da Lituânia, entrou em declínio no século XVIII e acabou por ser retalhada pelos seus vizinhos.

A Polónia reconquistou a independência com o termo da I Guerra Mundial e a dissolução dos impérios impérios russo, alemão e austro-húngaro, mas em 1939 voltaria a ser vítima das ambições expansionistas da Alemanha e da URSS. O fim da II Guerra Mundial devolveu a independência à Polónia, mas apenas no plano formal, já que foi convertida num satélite da URSS, e só com o enfraquecimento do império soviético a Polónia reconquistaria, em 1989, a verdadeira autonomia, com o fim da República Popular da Polónia e o início da III República Polaca.

Recomendado: Jolie Su. Os chapéus polacos que levantaram voo em Lisboa

Oito obras de compositores polacos que precisa de ouvir

Missa Paschalis, de Pekiel

No século XVII, como acontecia em boa parte da Europa seiscentista, a direcção da capela real polaca esteve durante boa parte do tempo confiada a músicos italianos. Entre 1628 e 1649, o mestre de capela da corte de Varsóvia foi Marco Scacchi, que teve como assistente o polaco Bartlomiej Pekiel (activo em 1633-c.1670), de quem nada se sabe até ter entrado ao serviço da corte polaca em 1633. Quando Scacchi faleceu, o seu posto passou para as mãos de Pekiel, que se tornou o primeiro polaco a desempenhar tais funções. Em 1655, Pekiel trocou a corte de Varsóvia pela catedral de Cracóvia, onde se tornou mestre de capela em 1657. As obras que compôs em Cracóvia adoptam o stile antico, que prossegue a tradição da polifonia renascentista, enquanto as de Varsóvia seguem o novo estilo “concertato” do barroco (em que os instrumentos dialogam activamente com as vozes), o que pode parecer contraditório em termos cronológicos, mas se explica por a música na catedral de Cracóvia se reger por princípios conservadores.

Não há menções a Pekiel na década de 1660, mas o facto de só em 1670 um novo mestre de capela ter tomado posse em Cracóvia leva a presumir que terá falecido nesse ano.

[“Kyrie” da Missa Paschalis, pelo ensemble Pro Cantione Antiqua, com direcção de James Griffett]

Concerto para piano n.º 1, de Chopin

Chopin é, indiscutivelmente, o compositor mais famoso entre os que nasceram na Polónia. Fryderyk Franciszek Chopin (1810-1849), nasceu em Zelazowa Wola, de pai francês (Nicolas, que trabalhava como tutor dos filhos da aristocracia polaca) e mãe polaca. Poucos meses depois, a família mudou-se para Varsóvia, onde o pai obtivera um posto como professor de francês (em casa, todavia, Nicolas Chopin insistia em que se falasse polaco).

Chopin começou a fazer tournées como pianista no final da adolescência e tinha 20 anos quando, a 11 de Outubro de 1830, estreou em Varsóvia o seu Concerto para piano n.º 1; um mês depois, quando a sua tournée europeia o levara a Viena, eclodiu na sua pátria o Levantamento de Novembro, contra o ocupante russo, que, após um ano de combates, acabou por ser sufocado. Chopin exilou-se em Paris (onde o Fryderyk se converteu em Frédéric) e não voltaria a pisar o solo pátrio, mas manteve sempre a Polónia no coração – e deixou instruções para que, após a sua morte, o seu coração fosse sepultado em Varsóvia.

[II andamento (Romance: Larghetto), pelo pianista polaco Rafal Blechacz]
Publicidade

Sinfonia op.7 Renascimento, de Karlowicz

O declínio da Polónia ao longo do século XVIII, culminando na sua partição entre a Alemanha, Rússia e Austro-Hungria não criou um clima favorável ao desenvolvimento de talentos musicais nacionais – e é provável que a carreira de Chopin tivesse definhado se tivesse optado por ficar em Varsóvia em vez de se exilar em Paris. Este contexto ajuda a explicar que não existam compositores polacos de projecção internacional durante os períodos Clássico e Romântico.

Só recentemente o resto do mundo musical começou a reconhecer o talento do tardo-romântico Mieczyslaw Karlowicz [pronúncia aproximada: Mietchisuaf Káruovitch], que viveu entre 1876 e 1909, foi fortemente influenciado por Tchaikovsky e Wagner e nos legou uma sinfonia, um concerto para violino e seis poemas sinfónicos (e pouco mais, pois parte das suas partituras perderam-se durante a II Guerra Mundial).

A Sinfonia Renascimento, concluída em 1903, é a sua obra mais ambiciosa e evoca o combate do espírito humano contra as adversidades, até ao triunfo final.

[I andamento (Andante-Allegro), pela Orquestra Filarmónica de Varsóvia, dirigida por Antoni Witt]

Sinfonia n.º 3 Canto da Noite, de Szymanowski

Karol Szymanowski [pronúncia aproximada: Károl Shimánófski], que viveu entre 1882 e 1937, foi o primeiro compositor polaco de renome mundial a emergir após Chopin e um dos grandes compositores do século XX.

Sob o domínio russo-germano-austríaco os polacos nunca deixaram de alimentar a paixão nacionalista e a aspiração à independência, que se materializou sob a forma do movimento “Jovem Polónia”, de cuja órbita Szymanowski fez parte. Nessa altura, todavia, as suas principais influências eram o Romantismo germânico, Chopin e Debussy e só na fase final da sua carreira assimilaria influências do folclore polaco.

A Sinfonia n.º 3 Canto da Noite, foi composta em 1914-16, no seguimento das viagens de Szymanowski pelo Norte de África e Próximo Oriente, e está impregnada das impressões recolhidas nesse périplo pelo compositor, nomeadamente pelo recurso a um poema do místico persa Jalal ud-Din Runi (1207-73), que apela à contemplação da quietude e beleza da noite e do céu estrelado. Todavia, nem tudo é misticismo oriental na Sinfonia n.º 3: há também uma síntese muito pessoal de influências de Wagner e Scriabin.

[I andamento (Moderato assai) pelo Kenneth Jewell Chorale e pela Orquestra Sinfónica de Detroit, com direcção de Antal Dorati]
Publicidade

Quarteto de cordas n.º 4, de Bacewicz

O solo polaco viu nascer Marie Sklodowska Curie, a primeira mulher a receber um Prémio Nobel (e também a primeira pessoa a recebê-lo duas vezes) e viu também nascer uma das primeiras mulheres do século XX a distinguir-se na composição, área usualmente reservada a homens: Grazyna Bacewicz [pronúncia aproximada: Grájiná Bátchévitch]. Bacewicz (1909-1969) foi aluna de Nadia Boulanger em Paris e foi uma violinista de grande nível, ocupando o posto de violino principal na Orquestra da Rádio Polaca e empreendendo tournées pela Europa. Compôs sete concertos para o seu instrumento, bem como quatro sinfonias e abundante música de câmara, em que se contam cinco sonatas para violino e piano, duas sonatas para violino solo e sete quartetos de cordas.

O Quarteto de cordas n.º 4 foi composto para participar num concurso internacional de composição em Liège, em 1951, onde obteve o 1.º prémio.

[Quarteto de cordas n.º 4, pelo Szymanowski Quartet, ao vivo no Samueli Theater, Costa Mesa, Califórnia, EUA]

Concerto para violoncelo, de Lutoslawski

Witold Lutoslawski [pronúncia aproximada: Vitold Lutosuáfski], nasceu em 1913 numa família de origem aristocrática e o seu pai, Józef, e o seu tio; Marius, foram activos combatentes pela causa independentista polaca, o que lhes valeu serem fuzilados em Moscovo pelas autoridades russas.

Uma das primeiras obras de Lutoslawski, as Variações Sinfónicas, estreou em 1939 num concerto difundido pela rádio polaca, mas a sua promissora carreira musical foi brutalmente travada meses depois pela eclosão da II Guerra Mundial. Witold Lutoslawski foi feito prisioneiro pelos alemães, mas conseguiu evadir-se; o seu irmão foi feito prisioneiros pelos soviéticos e morreu num campo de concentração na Sibéria. O foragido Witold não teve vida fácil durante a guerra, tendo de ganhar a vida a tocar piano nos cafés de Varsóvia, por vezes assumindo o risco de tocar música polaca, que tinha sido banida pelo ocupante alemão. As coisas melhoraram com o fim da guerra, mas não radicalmente: a Sinfonia n.º 1 de Lutoslawski foi proibida pelo novo governo, de inspiração stalinista, sob a acusação de “formalismo” (isto é, por ser demasiado complexa para ser fruída pelas massas). Tal não dissuadiu o compositor de continuar a compor música “formalista” até à sua morte, em 1994, sem fazer concessões ao “realismo socialista”.

O Concerto para violoncelo foi encomendado pela Royal Philharmonic Society de Londres e foi estreado nesta cidade, em 1970, por Mstislav Rostropovich, que já antes desafiara o compositor a compor um concerto para ele.

[Excerto do Concerto para violoncelo, por Miklos Perényi e a Filarmónica de Berlim, com direcção de Simon Rattle, ao vivo na Berlin Philharmonie, 2013]
Publicidade

Sinfonia das Canções Tristes, de Górecki

O talento de Henryk Górecki [pronúncia aproximada: Henrik Gurétski], que viveu entre 1933 e 2010 não está a par do dos outros nomes desta lista, mas o facto de ser o compositor polaco de maior sucesso do século XX justifica a sua escolha. A maior parte da sua fama advém da Sinfonia n.º 3 ou Sinfonia das Canções Tristes, composta em 1976 e que se afasta das dissonâncias que tinham marcado a sua carreira até então, abraçando uma versão minimalista, austera e hierática do tardo-romantismo (que seria adoptada por outros compositores da Europa de Leste e é por vezes designado por “holy minimalism”).

A sinfonia passou despercebida fora da Polónia até que foi gravada em 1991 pela soprano Dawn Upshaw e pela London Sinfonietta, dirigida por David Zinman, e se tornou sum sucesso de vendas invulgar num disco de música clássica (700.000 exemplares em apenas dois anos).

[Andamento I (Lento – Sostenuto tranquilo ma cantabile), por Dawn Upshaw e a London Sinfonietta, com direcção de David Zinman (Elektra/Nonesuch)]

Requiem Polaco, de Penderecki

Krzysztof Penderecki [pronúncia aproximada: Kshishtof Pendérétski], nascido em 1933 em Debica, é não só o mais importante compositor polaco vivo como um dos criadores mais influentes do século XX, tendo conseguido, logo no início da carreira, tornar-se notado a Ocidente da Cortina de Ferro, graças a obras de grande audácia e originalidade, como Trenodia para as Vítimas de Hiroshima (1960), o Stabat Mater a três coros (1962), a Paixão Segundo S. Lucas (1965), a ópera Os Diabos de Loudun (1967) ou Utrenia (1971).

Em meados da década de 1970, o estilo de Penderecki sofreu uma inflexão, atenuando as dissonâncias, adstringência e brutalismo que marcam o seu primeiro período, e operando um “regresso à tradição” (e em particular ao tardo-romantismo), ainda que num registo muito pessoal. Uma das obras mais famosas deste período foi o Requiem Polaco, composto em 1980-84, quando a Polónia atravessava um período de agitação social, com os crescentes protestos dos trabalhadores dos estaleiros de Gdansk e do Sindicato Solidariedade a levar o Governo a impor a lei marcial, entre 1981 e 1983. Penderecki dedicou a obra ao líder sindical (e futuro presidente da Polónia) Lech Walesa.

[“Lacrimosa”, do Requiem Polaco, por Mariana Nicolesco (soprano), Coro da Filarmónica de Varsóvia e Sinfónica de Bamberg, com direcção do próprio compositor, ao vivo na Igreja de Santa Catarina, Cracóvia, 1988]

Mais música clássica

Publicidade
Igreja do Loreto
©DR

Dez obras para dar graças ao Todo-Poderoso

Música Clássica e ópera

A tradição cristã atribui a autoria do texto do hino Te Deum aos santos Agostinho de Hipona e Ambrósio de Milão, no ano de 387, mas alguns especialistas apontam antes para Aniceto, bispo de Remesiana, que também viveu no século IV.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade