Ópera para ver no grande ecrã

Sair de casa para ver ópera num ecrã? Não é tão absurdo como poderá parecer e milhões de pessoas em todo o mundo têm aderido entusiasticamente à ideia. Lisboa oferece três alternativas: Gulbenkian, CCB e El Corte Inglés
Metropolitan Opera House
Metropolitan Opera House (1937)
Por José Carlos Fernandes |
Publicidade

Embora muitas cidades pelo mundo fora possuam teatros de ópera, fazer ópera a alto nível é tremendamente caro e poucas salas dispõem dos meios para contratar regularmente cantores e maestros de topo e para investir em produções sofisticadas. Por outro lado, os meios para captar som e imagem ao vivo evoluíram tanto nas últimas décadas que permitem restituir uma récita de ópera no écrã com extraordinária fidelidade e dinamismo, de forma que, embora não substitua a presença efectiva num lugar privilegiado da plateia, talvez ofereça uma experiência mais envolvente do que a obtida nos lugares mais baratos da sala e certamente superior à que pode obter-se no televisor caseiro.

A Metropolitan Opera de Nova Iorque foi a primeira casa de ópera a apostar fortemente na transmissão directa das suas récitas, em alta definição (HD), para salas em todo o mundo: teatros, salas de concerto, cinemas, centros culturais, auditórios universitários. A primeira transmissão Metropolitan Opera: Live in HD foi em 2006 e a primeira temporada abrangeu sete salas na Grã-Bretanha, duas no Japão e uma na Noruega. A segunda já contou com uma centena de salas, a de 2013/14 com 2.000 salas em 66 países e a presente temporada está a ser transmitida para 70 países. A taxa de ocupação das salas tem rondado os 90% e as receitas de bilheteira são repartidas 50/50 com a Metropolitan Opera.

Em Portugal, o Grande Auditório da Fundação Gulbenkian tem vindo a transmitir a temporada Metropolitan Opera: Live in HD (que tem, tipicamente uma dezena de óperas – apenas uma parte da intensa programação do Met) e não há melhor medida do sucesso da iniciativa do que o facto de os bilhetes se esgotarem meses antes das transmissões.

[Metropolitan Opera: Live in HD: Antevisão da temporada 2017/18]

Na temporada 2017/18 surgiram duas alternativas à Gulbenkian: o CCB transmite em diferido a partir de outro dos mais prestigiados teatros de ópera do mundo, a Royal Opera House de Londres, numa temporada que inclui também transmissões de espectáculos do Royal Ballet.

A temporada da Royal Opera House pode também ser vista nos cinemas UCI do El Corte Inglés, cuja temporada clássica em HD inclui ainda transmissões de ópera a partir do lendário Teatro alla Scala, de Milão, e de bailados a partir do não menos lendário Teatro Bolshoi de Moscovo.

Ópera para ver no grande ecrã

Publicidade

Mais música em Lisboa

Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com