Os melhores discos de Natal

Faltam semanas para o Natal e já não aguenta ouvir a voz de Bing Crosby? Sugerimos-lhe discos festivos para desenjoar
Natal Diferente
©DR O Natal, segundo Sufjan Stevens
Por Editores da Time Out Lisboa |
Publicidade

O Coro de Santo Amaro de Oeiras e o Michael Bublé não têm lugar nesta lista de discos de Natal. Nem mesmo Bing Crosby, uma referência da quadra. Ainda assim, pode contar ouvir clássicos como "Silent Night" ou "Joy to the World", pelas vozes e mãos de gente séria. Dos Beach Boys a Sufjan Stevens e The Vandals, passando por Phil Spector ou John Fahey, entre outros. Há música natalina para todos os gostos e situações e estes são alguns dos melhores discos do género. Mais concretamente, os 12 melhores. Como os dias de Natal da canção.

Recomendado: Natal em Lisboa

Os melhores discos de Natal

Vários - A Christmas Gift for You from Phil Spector (1962)

Duas coisas importantes aconteceram a 22 de Novembro de 1963: John F. Kennedy morreu e A Christmas Gift for You from Philles Records chegou às lojas. Produzido por Phil Spector e interpretado por Darlene Love, The Ronettes, The Crystals e Bob B. Soxx & The Blue Jeans, o álbum é um clássico natalício absoluto, um épico r&b em que populares canções de Natal compostas sobretudo entre as décadas de 30 e 50 são endeusadas pela produção de Spector.

The Beach Boys - Christmas Album (1964)

São a banda de Verão por excelência – sol, praia, surf, boas vibrações – mas sempre houve um quê de natalício nas sinfonias dos Beach Boys, como a parafernália de sinos enterrados nas produções do grupo. As harmonias são celestiais, sem nada de ironia e sem soarem a um grupo de coristas de igreja. As vozes têm o calibre habitual dos Beach Boys, os arranjos nem tanto, mas é sempre uma boa oportunidade para penetrar no cérebro criativo de Brian Wilson através de caminhos menos habituais. E os verdadeiros tesouros são os originais, com visões espirituosas, desvirtuadas e tocantes do Natal.

Publicidade

Vince Guaraldi Trio - A Charlie Brown Christmas (1965)

Reza a lenda que, mal Lee Mendelson ouviu Vince Guaraldi pela primeira vez, decidiu contactá-lo para fazer a música para um documentário sobre as tiras de banda desenhada de Peanuts e o seu criador, o genial Chrles M. Schulz. Foi o início de uma longa e produtiva relação que teve o seu auge na banda sonora do especial natalício A Charlie Brown Christmas. Entre originais, que nalguns casos se tornaram clássicos da época, e música tradicional natalícia, encontram-se aqui algumas das melhores canções de Natal de sempre. O segredo é a forma, por vezes tensa, como o Vince Guaraldi Trio cobre o espectro emocional da quadra, toda a sua melancolia e a jovialidade.

John Fahley - The New Possibility: John Fahley's Guitar Soli Christmas Album (1968)

É difícil fazer um disco de Natal melhor. John Fahey empresta a sua guitarra a uma série de canções tradicionais, na sua maioria religiosas – “Auld Lang Syne” é uma das raras excepções – e limita-se a fazer magia instrumental e acústica. Apesar de não ter o pathos e a inventividade dos melhores trabalhos de Fahey, The New Possibility disputa um campeonato à parte dos restantes álbuns da quadra, com uma amplitude emocional raramente ouvida neste contexto.

Publicidade

The Jackson 5 - Christmas Album (1970)

Um dos melhores álbuns de Natal de sempre pertence a uma família de Testemunhas de Jeová. Isto sim, é um milagre de Natal. Estávamos em 1970 quando The Jackson 5 modernizaram os clássicos natalícios mais batidos com o carimbo da Motown, em versões recheadas de soul e funk e de tudo mais que há de bom neste mundo. Além de standards, estão aqui originais que são algumas das mais festivas criações natalinas. Michael Jackson, aqui com 12 anos, é a estrela, mas os irmãos não ficam nada mal vistos.

The Vandals - Oi to the World! (1996)

Os punks também sentem o Natal na pele. A melhor prova disso é este épico Oi to the World!, dos americanos The Vandals, punks gozões no activo desde os anos 80. Há músicas para todos os gostos, da valsa peniana e onanista "Christmas Time For My Penis" à deprimente e desolada "Hang Myself from the Tree" (o nome diz tudo), passando pelo hino street punk "Oi! To the World", que começa com skins racistas e cenas de porrada e acaba com um milagre natalício e uma bonita mensagem de unidade.

Publicidade

Low - Christmas (1999)

Os Low nunca soaram tão pop como em “Just Like Christmas”, a primeira faixa do disco de Natal da banda de indie rock americana. É sol de pouca dura. Christmas é um registo fúnebre, que junta composições originais a clássicos da quadra como “Little Drummer Boy” ou “Silent Night” e a secular “Blue Christmas”. Algumas das faixas mais despudoradamente religiosas – como “If You Were Born Today (Song for Little Baby Jesus)” – podem afastar os ateus, mas vale a pena ouvi-las.

Bright Eyes - A Christmas Album (2002)

Conor Oberst, o homem que durante anos se confundiu com Bright Eyes, tinha apenas 22 anos, mas mais parecia um tio bêbado a cantar neste disco natalino, lançado online em 2002 e finalmente prensado em vinil em 2009. E quem é que não gosta de ouvir um tio bêbado a cantar? São 11 canções em registo alt-country, na sua maioria cânticos religiosos – mas com um par de êxitos pop à mistura.

Publicidade

Julian Koster - The Singing Saw at Christmastime (2008)

Não há muitos discos como The Singing Saw at Christmastime, o primeiro (e único) álbum a solo de Julian Koster, que tocou com os Neutral Milk Hotel e outras bandas da família Elephant 6. Um disco instrumental, tocado integralmente numa serra serra musical, que reduz os clássicos natalinos que toda a gente conhece a uma música minimalista e ondulante, que soa ao mesmo tempo melancólica e jubilatória. Como o próprio Natal.

Sufjan Stevens - Songs For Christmas (2006) & Silver and Gold (2012)

Sufjan Stevens é um cristão devoto e isso nota-se nas cantigas de Natal que tem vindo a gravar desde 2001. Até ao momento foram editadas 100 canções, distribuídas por dez discos e reunidas nas caixas Songs For Christmas (2006) e Silver and Gold (2012). Apesar de se encontrarem várias canções seculares de matriz tradicional e êxitos pop no alinhamento, bem como um número considerável de inéditos, o repertório é sobretudo religioso. É, em grande parte, por isso que Songs For Christmas e Silver and Gold não são apenas discos de Natal descartáveis e desinteressantes, mas antes verdadeiros projectos de preservação musical. São portas de entrada num grande museu folk, onde hinos religiosos e cânticos populares se eternizam, transformados em canções despidas de artifícios e com um charme artesanal.



Publicidade

Cassie Ramone - Christmas In Reno (2015)

O segundo álbum a solo de Cassie Ramone (ex-Vivian Girls) é um disco de indie rock desnutrido e desconsolado, erguido sobre êxitos pop que se tornaram hinos pagãos de Natal. Oiça-se “A Wonderful Christmastime”, a trazer à tona a tristeza que o original de Paul McCartney escondia. Ou "Little Saint Nick", numa versão contida, sem a euforia do original de Brian Wilson.



Mais música para o Natal

a adoração de magi de  rogier van der weyden
©DR
Música, Clássica e ópera

10 discos para celebrar o Natal sem Jingle Bells

Sim, a música natalícia que costuma assaltar-nos os ouvidos tende a ser adocicada, simplória e monótona, o que é tanto mais incompreensível por não faltarem excelentes alternativas. Seguem-se dez sugestões, colhidas ao longo de sete séculos.

Publicidade
Publicidade