A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
A Avó Veio Trabalhar
©Inês Felix

Governo lança programa Bairros Saudáveis, inspirado no alfacinha BIP/ZIP

Foi aprovado em Conselho de Ministros um programa semelhante ao BIP/ZIP, mas com abrangência nacional, que apoia as populações mais desfavorecidas.

Por Renata Lima Lobo
Publicidade

Foi há uma década que nasceu, pelas mãos da arquitecta Helena Roseta (então vereadora na Câmara de Lisboa com os pelouros da Habitação e do Desenvolvimento Social), o programa BIP/ZIP – Bairros e Zonas de Intervenção Prioritária de Lisboa. Trata-se de uma iniciativa que desafia associações e as mais diversas entidades a apresentarem projectos que criem emprego, apoiem populações mais desfavorecidas, tanto financeira como socialmente, e estabelecerem sinergias entre entidades de forma a resolver as necessidades de cada local. Desde que foi criado, em 2011, já distribuiu muitos milhões de euros para projectos que têm dinamizado os bairros da cidade através de parcerias e pequenas intervenções que fazem a diferença e dão outra energia a Lisboa. Um dos exemplos mais populares é A Avó Veio Trabalhar.

E foi a 25 de Junho que, em Conselho de Ministros (CM), foi aprovado o programa Bairros Saudáveis, inspirado no BIP/ZIP, mas com um raio de acção bastante mais alargado: Portugal. A coordenação será feita por Helena Roseta, “a mãe” do BIP/ZIP, que há uns anos se retirou da vida política. No comunicado do CM, lê-se que este novo instrumento “promove iniciativas de saúde, sociais, económicas, ambientais e urbanísticas junto das comunidades locais mais atingidas pela pandemia, ou por outros factores que afectam as suas condições de saúde e bem-estar”. À semelhança do BIP/ZIP, este programa irá dinamizar parcerias e intervenções locais “para a promoção da saúde e da qualidade de vida das comunidades territoriais, através do apoio a projectos candidatados por associações, colectividades, organizações não governamentais, movimentos cívicos e organizações de moradores, em colaboração com as autarquias e as autoridades de saúde”.

Recordamos que a 10.ª edição do BIP/ZIP está em marcha e este ano foram definidas três grandes áreas prioritárias nas regras do concurso: o reforço da empregabilidade e do tecido económico local; as questões educativas que se colocam às famílias nestes territórios; e a intensificação de dinâmicas de apoio directo às comunidades e grupos vulneráveis. O orçamento que será distribuído pelos projectos seleccionados pelo júri é de 1,6 milhões de euros.

+ Leia já, grátis, a nova edição da Time Out Portugal

+ Mastros e Pescadores: mais duas ruas onde as esplanadas substituíram os carros

+ Exposição no Museu de Lisboa mostra uma Lisboa em quarentena

Últimas notícias

    Publicidade