A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
IDB Lisbon
Francisco Romão Pereira

Há arte, rampas de skate e até comida no terraço no antigo Entreposto

No topo do edifício ergueu-se um novo espaço de lazer aberto ao público. Subimos bem alto para conhecer o IDB Lisbon.

Escrito por
Joana Moreira
Publicidade

Do topo do antigo edifício Entreposto, à entrada de Moscavide, a vista é desafogada e panorâmica sobre a zona oriental de Lisboa, entre o Parque das Nações e o Aeroporto. Desde a semana passada, é possível subir até lá e desfrutar de um terraço onde cabe cultura, desporto e gastronomia.

Faz precisamente um ano que a Jamestown, empresa de investimento e gestão imobiliária, anunciou a compra do edifício JQOne (tradicionalmente conhecido como Entreposto). A empresa comprou o edifício de escritórios por 98 milhões de euros e rebaptizou-o de IDB Lisbon – Innovation & Design Building Lisbon. 

Foi-se um dos parques de estacionamento e surgiu um terraço de mais de três mil metros quadrados, pintado a cores garridas. À entrada, um mural da dupla Los Pepes, com mais de 40 metros e inspirado na cidade de Lisboa, dá as boas-vindas. A arte continua no chão, nos elementos que adornam as rampas de skate ali instaladas. A curadoria é do colectivo artístico Crack Kids, e as obras foram concretizadas pelos artistas João is Typing, Malibu Ninjas e Kampus. Este último, já conhecido pelas salsichas que espalha pela cidade, concebeu a maior até à data. O objectivo é funcionar como uma pista de corrida para quem quiser dar corda às sapatilhas.

IDB Lisbon
Francisco Romão Pereira

Noutro ponto do terraço erguem-se antigos letreiros, com reclames que fizeram parte da identidade visual da Lisboa do século XX, de oculistas a marisqueiras. O Projecto Letreiro Galeria mostra aqui 20 letreiros que contam a história da cidade – e que são ligados quando a noite cai. Em Setembro, há mais letreiros para descobrir, desta vez no interior do edifício, onde chegará uma exposição com mais exemplares. Por enquanto, é possível ver até Novembro a exposição dedicada aos 100 anos design gráfico na Colecção Carlos Rocha.

Há também várias mesas e bancos, algumas por baixo da única zona coberta do terraço, onde está estacionada uma carrinha de street food. Com o sol em riste, em plena hora de almoço, quem chega primeiro privilegia o lugar à sombra. À mesa chegam os pratos que o chef Agne Dedé, do café Dede’s, trouxe dos espaços já existentes na Lapa e na Estrela. É o caso da okonomiyaki, uma panqueca japonesa de ovo e legumes, servida com pickles e maionese de sriracha (7,5€), ou do clássico hambúrguer, com carne de vaca, cebola caramelizada, queijo cheddar e molho sriracha (7,5€), a opção mais pedida na primeira semana de portas abertas, garante o chef. “É street food com alguma finesse”, define o chef brasileiro. Além do menu fixo, há especiais do dia, como o sumo de melancia e limão (3€), o pão de banana com sal (2€) ou o pão de queijo (1€/unidade). 

hamburguer
Francisco Romão Pereira / Time Out

Um novo edifício, por fora e por dentro

O IDB rooftop, a única zona aberta ao público, é apenas o princípio da remodelação profunda do antigo Entreposto, que pretende atrair gente para este pólo da cidade. Segundo a Jamestown, conhecida pelos seus projectos de reabilitação de edifícios, o objectivo é criar um “hub para empresas inovadoras e com um forte foco em design”. Depois do rebranding, “a ideia é actualizar o edifício”, revela Marta Gil, porta-voz do projecto. “Já estamos a renovar o interior, desde zonas comuns até espaços para os nossos inquilinos, até este rooftop que é aberto ao público”, adianta, sem definir datas para finalização desse processo de renovação. “São 60 mil metros quadrados de área total, de escritórios 48 mil, é um edifício muito grande.”

Por enquanto, resistem no edifício empresas ligadas ao sector automóvel, mas já ali moram também negócios que prestam serviços sociais e digitais, companhias aéreas e até uma escola profissional. “Acreditamos que a inovação pode estar em qualquer sítio”, diz Marta Gil.

O terraço ficará, nestes moldes, aberto ao público até Novembro. 

Praça José Queirós, 1 (Olivais, Moscavide). Qui 12.00-21.00 Sex-Sáb 12.00-22.00 Dom 12.00-20.00

+ Nesta exposição, cabe um século de design gráfico em Portugal

+ Raiz: a horta do futuro já existe e está no Beato

Últimas notícias

    Publicidade