A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar

MAAT só reabre no final de Março, após estragos provocados pelo mau tempo

Por
Hugo Torres
Publicidade

“Condições climatéricas extremas” fizeram ceder parte do tecto do museu, na noite de quinta-feira. Obras de manutenção que estavam previstas para Fevereiro serão, por isso, antecipadas.

Serão três meses o tempo que o MAAT permanecerá encerrado, depois de a chuva intensa e os fortes ventos provocado pela depressão Elsa terem destruído parcialmente, ao início da noite desta quinta-feira, o tecto do edifício em Belém. “O encerramento do museu é motivado por obras que visam repor a parte do tecto que cedeu devido às condições atmosféricas extremas”, segundo um breve comunicado publicado nesta sexta-feira.

A data prevista para a reabertura da estrutura da Fundação EDP é 27 de Março. “Estava já previsto que o MAAT fecharia entre Fevereiro e Março para obras de manutenção e melhoria que são assim antecipadas”, informa a mesma nota, partilhada no Facebook. “As obras previstas visam adaptar o espaço do museu à nova programação de 2020 e 2021.”

O MAAT tinha patentes oito exposições, além de visitas guiadas e um leque de actividades programadas para a quadra natalícia. A vizinha Central Tejo, que funciona em articulação com o museu, continuará aberta com o horário habitual (de quarta a segunda-feira, entre as 11.00 e as 19.00) e três exposições para ver – “Economia de Meios”, da Trienal de Arquitectura de Lisboa; “Dreamers Never Learn”, de Vasco Barata; e “AWDIˈTƆRJU”, de Pedro Tudela (além do habitual Circuito Central Eléctrica).

O Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia foi inaugurado há pouco mais de três anos. O projecto de arquitectura da britânica Amanda Levete tornou-se num dos edifícios da década que agora termina. Em Setembro deste ano, foi inaugurada uma ponte pedonal a ligar a margem do Tejo, onde fica o MAAT, e o outro lado da estrada, onde fica o novo Museu dos Coches.

+ Museus e monumentos a não perder em Belém

Últimas notícias

    Publicidade