Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right As mulheres chefs que tem de conhecer em Lisboa

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

Kitchen Skills
DR

As mulheres chefs que tem de conhecer em Lisboa

A cozinha não é só para homens. Estas chefs ocupam a primeira linha do que melhor é feito nos restaurantes de Lisboa.

Por Sebastião Almeida e Inês Garcia
Publicidade

Sempre se disse que era um mundo de homens, mas a realidade está longe de o constatar. As cozinhas dos restaurantes estão repletas de mulheres – sem elas, muito do trabalho não seria possível. Em casa, as memórias de infância remetem-nos, muitas vezes, para os cozinhados das nossas mães, das nossas avós ou tias, e há quem ande uma vida inteira atrás dos sabores que nos transportam para esses tempos que são sinónimos de amor. As cozinhas são lugares em que, de facto, magia acontece. A transformação e conjugação de alimentos é um dos grandes avanços da humanidade. E a evolução da gastronomia sempre se fez com mulheres, ainda que os homens tenham tentado ocupar a dianteira sem pudor. Estas chefs estão na primeira linha do que melhor é feito nas cozinhas da nossa cidade. E vale a pena conhecê-las.

Recomendado: A luta pela sobrevivência dos restaurantes

As chefs que tem de conhecer em Lisboa

Ana Leão
Ana Leão
Gabriell Viera

Ana Leão

Colher Torta

Se uma Bimby ajuda muito boa gente lá em casa, não define a vida de um cozinheiro e ai de quem se meta com Ana Leão, Leoa para os amigos, e vá para as suas redes sociais dizer que babkas ou brownies se fazem bem no robot de cozinha. Esta fera da cozinha já é conhecida pelas gentes da área no Porto e está agora de passagem em Lisboa, tendo-se juntado ao colectivo de novos chefs criativos New Kids on the Block. Começou por estudar Ciências, mas cedo percebeu que isso não era coisa para ela – queria era enveredar pelas artes culinárias. Estudou na Escola de Hotelaria do Estoril e estagiou nas cozinhas do elBulli, Dos Palillos e do Alkimia. Fartou-se do fine dining e partiu de armas e bagagens para a Austrália, comprou uma carrinha e andou de quinta em quinta a correr o país. Aprendeu a escolher o bom produto, a valorizá-lo e a usá-lo não só na sua época, mas também a escolher uma identidade para a sua cozinha, de viagens. Pelo caminho ia voltando a Portugal, fazendo pequenos eventos. Começou o projecto Colher Torta no Parque da Cidade do Porto no Verão de 2020, um pop-up com muitos pratos para partilhar, e em Outubro juntou-se aos jantares Friendly Fire que Pedro Abril dinamizou no Chapitô, em Lisboa. Pela capital ficou, tendo tomado de assalto a cozinha do Velho Eurico e fazendo agora, em conjunto com José Paulo Rocha, um take-away e delivery em que todas as semanas muda o menu.

Lara Espírito Santo

Restaurante Sem

Quando a pandemia chegou, Lara e o namorado George Mcleod, viram-se obrigados a deixar o Reino Unido. O Silo, restaurante londrino sustentável onde trabalhavam encerrou, e decidiram instalar-se na Comporta. O casal arregaçou as mangas e, de uma parceria com o internacionalmente conhecido restaurante Sal, surgiu o Pêgo Pop Up, um bar de praia em que a sustentabilidade foi a palavra de ordem. O Verão já lá vai e para breve está prevista a abertura do Sem, um novo restaurante e bar de vinhos em Lisboa que abraça, como não poderia deixar de ser, a questão da sustentabilidade. Uma lufada de ar-fresco na cidade, portanto. 

Publicidade
Chef, Leonor Godinho, Musa da Bica, Fermentados
Chef, Leonor Godinho, Musa da Bica, Fermentados
©Melissa Vieira

Leonor Godinho

Musa da Bica

Há uns anos podia conhecê-la por Bibs, o nome de blogger de Leonor Godinho. Mestre em psicologia clínica, só se começou a interessar por cozinha depois de viver em Itália. Quando voltou a casa criou um blogue, o tal Bibs, que chegou até a ser patrocinado por um canal de culinária.  Por essa altura inscreveu-se na versão portuguesa do concurso MasterChef e um terceiro lugar levou-a a um estágio no Feitoria de João Rodrigues. Esteve três meses no restaurante agora estrelado, passou para o Mensagem, o restaurante do hotel, voltou para o Feitoria e regressou ao Mensagem como braço direito do chef principal. Trabalhou com mais homens do que mulheres antes de chegar à Musa da Bica, onde agora é comandante e convida tantas mulheres para cozinhar quanto consegue – mas acredita na individualidade e acha que não devemos olhar a géneros, reconhecendo porém que nesta nova geração, onde quase todos são amigos e valorizam e partilham o trabalho uns dos outros, há mais homens.

Chef, Marcella Ghirelli, Comida Independente
Chef, Marcella Ghirelli, Comida Independente
©Manuel Manso

Marcella Ghirelli

Comida Independente

Designer gráfica de formação, tem no currículo passagens por vários restaurantes no Brasil, como o extinto Vito de André Mifano, uma experiência de gastronomia japonesa e dois meses de estágio no D.O.M de Alex Atala, em São Paulo, com duas estrelas Michelin. Foi trilhando o caminho, que começou com um curso em Florença, e acabou por vir parar a Portugal, onde passou pela Peixaria da Esquina e logo a seguir o Pesca, de Diogo Noronha. Quando Rita Santos, da mercearia Comida Independente, a convidou para ficar como cozinheira responsável, não hesitou. Já era o sítio onde passava parte das suas folgas, portanto tudo fez sentido. A grande especialidade é o pastrami, uma sanduíche que foram fazendo pela calada e chamaram ‘nananã’.

Publicidade
Pap’Açôrda no Time Out Market
Pap’Açôrda no Time Out Market
Manuel Manso

Manuela Brandão

Pap’Açorda

É transmontana e há mais de 35 anos que comanda a cozinha de um dos restaurantes mais icónicos da cidade. Primeiro no Bairro Alto, e agora no Time Out Market, Manuela Brandão fez do Pap’Açorda um lugar de ilustres. Por lá passaram personalidades como Sean Connery e depressa se tornou poiso da classe política. A comida, essa, é sempre excepcional – revisitando a gastronomia clássica portuguesa com mestria. De Trás-os-Montes, região de onde é oriunda, mantém "a humildade e o paladar", dizia ao Expresso, numa entrevista em 2018.

Marlene Vieira
Marlene Vieira
DR

Marlene Vieira

Zunzum Gastrobar

Lançou-se no Zunzum em plena pandemia – o seu novo grande projecto no Terminal de Cruzeiros em Santa Apolónia. O Verão de 2020, apesar da conjuntura, foi positivo e mostrou-lhe que a sua cozinha tem futuro. Em suspenso ficou O Panorâmico, em Porto Salvo, e a banca no Time Out Market, onde é a única mulher chef representada. A cozinha é de base tradicional, criativa e actual, recorrendo à herança dos nossos sabores. Passou por Nova Iorque, regressou, mas manteve sempre a humildade. Aos fins-de-semana, há entregas ao domicílio de iguarias como cozido à portuguesa, filetes de polvo ou arroz de pato. A abertura do espaço de fine dining, uma porta ao lado do Zunzum, foi prorrogado devido aos tempos extraordinários que atravessamos.

Publicidade
Justa Nobre
Justa Nobre
©Duarte Drago

Justa Nobre

O Nobre

Abriu o primeiro restaurante, o Constituinte, na Rua de São Bento, há mais de 30 anos, mas isso já lá vai. Justa Nobre é uma das grandes referências da cozinha portuguesa e uma das que há mais tempo por aqui anda. O Nobre, no Campo Pequeno, tornou-se depressa um lugar incontornável para os amantes de boa comida tradicional. Receitas tradicionais, reinventadas sem perder os traços originais é, talvez, o segredo. A raiz transmontana está lá e na sua comida se encontra a certeza de sabores autênticos.

Entregas e take away em Lisboa

Publicidade
Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade