A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
pudim abade priscos do jncquoi
©DRAbade Priscos do JNcQUOI

Três sítios para comer pudim Abade de Priscos

Vem do norte e é sem dúvidas o rei dos pudins. Damos-lhe três sítios para comer pudim abade de Priscos em Lisboa

Escrito por
Catarina Moura
Publicidade

Açúcar, ovos, vinho do Porto e canela. Claro, indispensável, o segredo: toucinho. O pudim criado por um abade de uma localidade nos arredores de Braga, Priscos, não se come só no Norte. E ainda bem, que este é provavelmente o rei dos pudins. Encontra o campeão nestes três sítios.

Três sítios para comer pudim Abade de Priscos

  • Restaurantes
  • Avenida da Liberdade
  • preço 4 de 4

Aqui come-se o pudim Abade de Priscos de Miguel Oliveira, o Malagueta Man, que fez deste pudim a sua especialidade. Sedoso e viciante, que ninguém se atreva a aplicar aqui adjectivos como “enjoativo”. A fatia é generosa e vai fazê-lo esquecer outras opções do menu, especialmente se essas opções forem “fruta da época”.

Preço: 9€

  • Restaurantes
  • Português
  • Carnide/Colégio Militar
  • preço 3 de 4

O restaurante é um clássico alentejano que não precisa de apresentações, mas não é por isso que fecha os olhos às delícias do resto do país. Esta vem originalmente de Braga, mas faz-se hoje com qualidade (e ainda com ovos, açúcar e toucinho) no resto do país. Se quer ser alentejano até à sobremesa, pense antes numa sericaia ou numa encharcada.

Preço: 5,50€.

Publicidade
  • Restaurantes
  • Pastelarias
  • Chiado

Os ovos moles que dão nome à casa (e que estão por toda a vitrine) vêm de Aveiro, mas os pudins Abade de Priscos vêm de Braga, são legítimos. Há de quilo (30€), de meio quilo ou em doses individuais, que se podem comer nas lojas da Estrela e do Chiado ou levar para casa.

Preço: 3,50€ a fatia

Restaurantes em Lisboa

  • Restaurantes
  • Português

Tem de ser cozido e bem cozido para não ficar tipo pastilha-elástica. Depois segue para a grelha ou para o forno, embebido em azeite e acompanhado com batata à murro. No Natal é rara a mesa do Norte que não tenha polvo, mas se for alfacinha, e enquanto não chega a quadra, é ir a um destes três sítios para comer polvo à lagareiro.

Publicidade
Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade