Saiba quais são as melhores coisas radicais para fazer em Lisboa

Temos muitas ideias para lhe pôr o coração a bater mais depressa. E para ser radical em Lisboa
 rage room, smash it, sala de raiva
Fotografia: Manuel Manso
Por Editores da Time Out Lisboa |
Publicidade

Aviso prévio: este artigo é impróprio para cardíacos. Os níveis de adrenalina prometem subir só de ler. É que saltar para o Tejo, entrar num quarto escuro para fazer amigos ou numa sala para partir tudo, fazer coastering, ir a um restaurante clandestino, saltar de asa delta ou passear pela serra de Sintra à noite não é para meninos. Não tem medo e gosta de se pôr à prova? Veio ao síito certo. Destemidos da cidade: aqui estão as coisas mais radicais para fazer em Lisboa – e riscar da bucket list.

Recomendado: Sítios onde um adulto pode ser criança em Lisboa

Coisas radicais para fazer em Lisboa

1
quantum park
Fotografia: Manuel Manso
Coisas para fazer

Escale, salte e volte a saltar

icon-location-pin Sintra

O Quatum Park abriu em Setembro como um dos maiores parques de trampolins da Europa. A prata da casa são, claro, os trampolins, que ocupam a maior área do parque, contando com um campo de basquetebol e outro de dodge ball, uma torre de saltos, para os mais corajosos, e um percurso ninja. Ao fundo do parque, está a zona mais radical com um half-pipe para quem quiser mostrar os dotes em cima do skate, e ao lado está um air bag gigante em forma de rampa para aterrar depois de uma manobra sobre rodas. Quanto aos preços, as actividades são pagas à hora: os trampolins a 12€ e a escalada a 14€, se pagar mais 5€ em cada uma fica com acesso a uma hora na rampa de skate.

2
rage room, smash it, sala de raiva
Fotografia: Manuel Manso
Coisas para fazer

Parta a casa toda

icon-location-pin Grande Lisboa

É para partir a casa toda. E no fim nem vai ter de arrumar nada. A Smash it é a primeira rage room no país e se não está familiarizado com o conceito, nós ajudamos: descarregue a raiva numa sala cheia de equipamentos electrónicos e loiças. Mas como? A partir tudo o que vê à frente num exercício de destruição recreativa. Assim que estiver vestido a rigor, avizinha-se a destruição. As armas estão dispostas na parede, e vão desde uma simples panela ao bastão de beisebol, uma marreta ou um ferro. A partir daqui é escolher e começar a aplicar a ira que o invade em garrafas, monitores, teclados, quadros, bibelots, impressoras ou até treinar o jeito para o boxe num manequim de silicone. Tudo sem as consequências prejudiciais que um passatempo destes teria na vida real.

Publicidade
3
malaguetas
©DR
Restaurantes, Chinês

Peça molho picante

icon-location-pin Parque das Nações

Se quiser ficar com os lábios dormentes, o mao cai (21,90€) do chinês The Old House não desilude. Servido numa grande terrina, este caldo também é conhecido como hot pod e é composto por pasta de feijão, vinagre de arroz, anis, alho, gengibre e coentros. Depois é pegar nos pauzinhos e pescar coisas como choco, tofu, rebentos de soja, tripas, bife, cogumelos ou algas.

+ O The Old House é um dos melhores restaurantes chineses em Lisboa. Descubra os outros. 

4
Construction
Fotografia: Ana Luzia
Noite, Clubes

Brinque ao quarto escuro

icon-location-pin Princípe Real

Se não tem medo do escuro e está à procura de novas experiências sem que o reconheçam, talvez esteja na altura de experimentar – ou de voltar – ao quarto escuro de um bar ou discoteca gay. O que se passa lá? Sexo com desconhecidos, ora essa. No Construction, uma das mais populares discotecas gay da cidade, o quarto escuro fica no terceiro piso, afastado da pista de dança, para poder escapar quando lhe apetecer – e depois de alguns copos, quando se sentir mais desinibido. Outro quarto escuro popular no Príncipe Real pertende ao The Cock, este último a funcionar em after-hours às sextas e sábados, das três às nove da manhã.

Publicidade
5
Spot real- academia de parkour
Fotografia: Arlindo Camacho
Coisas para fazer

Salte como o King Kong

icon-location-pin Marvila

Se até há pouco tempo ainda não se ouvia falar em parkour, a Spot Real, a escola que abriu em Marvila no final de 2015, já tem dezenas de alunos regulares e de “todas as idades” que pagam a partir de 34,95€ de mensalidade para andarem a ultrapassar obstáculos quantas vezes por semana quiserem. Não há grande risco de se magoar, até porque o espaço está forrado de piscinas de esponjas para amparar as quedas e de monitores que o vão ensinar a saltar praticamente de prédio em prédio, o que pode ser bom para se desenrascar quando deixar as chaves dentro de casa.

6
Adventure Park
© Ana Luzia
Coisas para fazer, Caminhadas e passeios

Seja o Tarzan

icon-location-pin Grande Lisboa

O Mega Circuito do Adventure Park é um dos maiores circuitos de arborismo da Península Ibérica, embora para alguns viciados em adrenalina possa parecer uma brincadeira de crianças. Crianças com mais de 1,40 metros, entenda-se, a altura mínima para poder participar. Há obstáculos suficientes para garantir muita macacada nas árvores – ao todo são 45 obstáculos – e a acontecer a 12 metros de altura na parte mais alta do percurso. O “salto do Tarzan”, como lhe chamam no parque, é um dos mais afamados, “a simular uma liana e uma espécie de bungee jumping”, explica um dos funcionários.

Publicidade
7
Bounce lisboa
©DR
Coisas para fazer

Entre no Cirque du Soleil

icon-location-pin Grande Lisboa

Desde que abriu, o Bounce tem levado à letra o grito: “Tudo a saltar!” Aqui toda a gente salta nos mais de 100 trampolins e até já se inventou uma espécie de jogo do mata nas alturas, o dodgeball. Quem lá trabalha pode recomendar o melhor trampolim para quem procura voos dignos da águia Vitória, como os do Super Tramp, com cinco por cinco metros, “o preferido dos atletas e ginastas avançados”, dizem-nos. Se a ideia é uma atracção mais à Cirque du Soleil, salte no The Wall, em que o objectivo é andar pelas paredes. Garantem eles que é “mais fácil do que parece”.

8
Vertigo Climbing Center
© Diogo Garcia
Desporto, Alpinismo

Suba às paredes

icon-location-pin Marvila

Num Rocódromo não há rock, mas há rochas artificiais – que é como quem diz... paredes – para poder escalar indoor antes de começar a subir falésias ou escadotes para mudar lâmpadas. Com uma parede de 4,80 metros de altura e num armazém com uma área escalável de 300 metros quadrados, a segurança no Vertigo não é feita com cordas, mas sim com colchões especiais no chão. Os cursos de escalada, com vários níveis, do iniciado ao avançado, são bons também para quem quer superar a acrofobia, o medo de lugares altos. Depois de ganhar alguma experiência em escalada aventure-se nas arribas do Farol da Guia.

Publicidade
9
espiral

Voe mais alto

A escola de voo Espiral começou em 2002 com aulas de asa delta, mas depressa se deixou disso. “O parapente ficou na moda, até porque é mais barato e o material é mais fácil de transportar, cabe numa mochila grande”, conta Ricardo Diniz, o dono da escola e instrutor. Hoje em dia, os baptismos de voo e cursos de parapente são muito procurados por “homens, entre os 30 e os 45 anos, que sonharam voar ou que já fizeram paraquedismo”, mas as mulheres normalmente são quem tem mais jeito para a coisa, confessa. “Os homens geralmente são mais brutos, é tudo uma questão de sensibilidade.” Há cursos que duram entre dois e três meses com aulas teóricas e práticas e baptismos de voo para quem quer experimentar, “sentado numa cadeirinha com o instrutor”, que também podem ser emocionantes. Os voos acontecem nas praias da Linha de Sintra e da Costa da Caparica.

Baptismo de voo a partir de 49,90€ (20 minutos), cursos a 820€, com seguro incluído. 96 975 71 24

10
Alfama
Fotografia: Manuel Manso

Ande às cegas por Alfama

Subir e descer Alfama já pode ser complicado, mais ainda com os olhos vendados. A Lisbon Walker diz que às cegas é a melhor maneira de sentir a cidade, “o cheiro das sardinhas a assar, o som do fado que se ouve ao longe e tantas outras aventuras sensoriais”, que podem ser mais inesquecíveis do que uma actividade radical. O passeio chama-se Lisboa Sensorial, é conduzido por um guia invisual da ACAPO e duram uma hora e meia.

Lisbon Walker, R. do Jardim do Tabaco, 126. Por marcação através de info@lisbonwalker.com. Máximo de 10 participantes por passeio. 96 357 5635

Publicidade
11
carcavelos surf school
©DR

Surfe todos os dias do ano

Já se sabe que não é fácil pôr-se de pé em cima da prancha, mas pelo menos não se vai magoar quando cair. Aproveite as ondas de Primavera para se aventurar numas aulas de surf: o mais provável é ficar viciado. A Carcavelos Surf School, com mais de 15 anos, foi a primeira de muitas escolas de surf em Carcavelos e está aberta todos os dias do ano, incluindo fins-de-semana e feriados, para que nunca lhe falte tempo para aprender. Eles fornecem o material.

Carcavelos Surf School, Praia de Carcavelos. Uma aula: 25 euros; Pack de 4 aulas 85 euros; Aula privada: 75 euros. 96 285 04 97

12
caminheiro de sintra
©DR

Caminhe à noite em Sintra

Miguel Boim, o autor do livro Sintra Lendária – Histórias e Lendas do Monte da Lua, lançado em 2014, tornou-se conhecido pela sua página de Facebook “O Caminheiro de Sintra”, onde vai divulgando os passeios nocturnos que faz pela serra, uma paixão de há muitos anos. Ninguém melhor que ele para nos guiar pelo escuro, ao longo de 6 km, em que só as histórias e lendas mais bizarras de Sintra vão quebrando o silêncio. O ponto de encontro geralmente é na vila, às 21.30, e a caminhada dura perto de três horas, com várias paragens. A programação está no Facebook.

Inscrições limitadas e através de caminheiro.de.sintra@gmail.com, 96 754 60 90.

+ Descubra mais 30 coisas para fazer em Sintra.

Publicidade
13
Vista do Tejo e da Ponte 25 de Abril
Fotografia: Arlindo Camacho

Atire-se de cabeça para o Tejo

A Extremos Portugal, além de ser uma empresa de, entre outras coisas, trabalhos em altura, tem a única escola de bungee jumping do país e queixa-se de demasiada burocracia para conseguir realizar actividades. Ainda assim, de vez em quando os monitores e interessados costumam subir ao topo do Elevador Panorâmico Boca do Vento, em Almada, para um salto em direcção ao Tejo que é o mais parecido que vai encontrar com saltar do Cristo Rei. Ou saltar da Ponte 25 de Abril.

Extremos Portugal, 93 66 21 001. www.extremosportugal.com. A partir de 50€

14
rappel na vertente natural
Fotografia: Arlindo Camacho

Faça 5 desportos em 1 (e no sítio mais bonito)

Natação, escalada, rapel, saltos para a água e caminhada. O coasteering reúne uma série de actividades numa só, o que lhe poupa tempo – e certamente vontade – de se inscrever noutras coisas. O objectivo é andar como os lagartos, colado às rochas e de rocha em rocha, mas nas falésias em cima do mar, daí que seja uma das actividades rainhas da Vertente Natural, uma empresa com vários desportos radicais na Arrábida. Vai conseguir infiltrar-se nos esconderijos da zona e conhecer, por exemplo, a Enseada da Mula, ou a Boca de Tamboril, em que para lá chegar há que fazer um rapel de 20 metros em cima da água, mergulhos das rochas (a altura máxima é 8 metros) e passagens por grutas. Os preços variam consoante o número de pessoas do grupo.

Vertente Natural, Porto de Abrigo de Sesimbra. 21 084 89 19. A partir de 35 euros.

+ Todas as praias da Arrábida

Publicidade
15
clandestino n12
Fotografia: RDF

Vá a um chinês clandestino

Não lhe vamos dar a morada, mas não precisa de percorrer muitos metros da Rua do Benformoso para encontrar uma porta aberta onde um restaurante clandestino funciona no primeiro piso. Na porta do WC alguém resumiu tudo: “Live fast, die young.” Há alguma adrenalina em comer num restaurante ilegal que não se sabe se ainda vai estar de portas abertas no dia seguinte.

16
beatballs bubble football
©DR

Dê cambalhotas sem sair da sua bolha

É provável que na próxima acção de team building organizada pelo seu chefe, a ideia de jogar Bubble Futebol surja como alternativa ao paintball. Encare isto como a melhor forma de se vingar daquele colega irritante. A ideia é jogar futebol sem guarda-redes e com uma bola gigante à volta do corpo (o equivalente em insuflável a uma bolha de anúncios de iogurtes) que lhe ampara as quedas. No jogo não há faltas e prepare-se para dar e receber encontrões que o vão pôr de pernas para o ar e às cambalhotas pelo campo. No fim, há uma reportagem fotográfica para ver onde andou enrolado.

Bubble Futebol, Av. Curry Cabral, 12B, Amadora. A partir de 11,5 euros por pessoa, para grupos entre 10 a 13 jogadores, e por marcação. Não inclui aluguer do campo parceiro (entre 30 e 50 euros). 96 809 1596

Publicidade
17
bork you
©DR

Reme contra a corrente

Em tempos de grandes cruzeiros a atracar no porto de Lisboa, nada como remar contra a corrente num pequeno caiaque. A pensar nisso, a Bork You instalou-se onde o rio acaba e começa o mar, no porto de recreio de Oeiras, e organiza passeios de caiaque para os quais “não precisa de qualquer experiência”. Nem é preciso saber nadar, “o colete garante toda a flutuação necessária”. Para quem procura uma coisa mais radical, as aulas no mar, com ondas e vento e correntes, são a melhor opção. É melhor começar a treinar os músculos dos braços e a carregar cada vez mais sacos de compras escadas acima.

BorkYou, Porto de Recreio de Oeiras. Aula individual 30 euros, pack de 5 aulas 125 euros. 91 950 6136

18
surfskate
©DR

Surfe o asfalto

Quando o mar está flat, já se pode surfar em terra – e não estamos a falar de um skate normal. O SurfSkate foi feito a pensar nos surfistas que não aguentam um dia enfadonho sem ondas e não acham piada aos skates que andam por aí. Se vai cheio de confiança para cima da prancha, o mais provável é estatelar-se no momento seguinte. Não é fácil e Rodrigo Pimentão, o representante europeu da marca, surfista desde os 14 e antigo campeão nacional de skate, diz mesmo que “ao princípio pode parecer quase impossível”. O truque está nos trucks da frente, que fazem com que o skate gire a 360 graus como uma prancha de surf, e a direcção e a velocidade controlam-se com a parte superior do corpo. Parece difícil e é, não o vamos enganar, mas é o mais próximo que pode ter de surf no alcatrão.

SurfSkates entre os 270 e os 300 euros, à venda em www.surfskate.pt.

Publicidade
19
palma yachts
©DR

Passeie no barco mais rápido do Tejo

Das muitas empresas de passeios pelo Tejo que apareceram nos últimos tempos, a Palma Yachts gaba-se de ter “o semi-rígido mais rápido de Lisboa”. Numa hora de passeio, não há maneira mais rápida de passar pelos pontos turísticos da cidade, sem grandes oportunidades para fotos – até porque vai ter de usar as mãos para se segurar. O barco leva entre 4 e 12 pessoas e as partidas são feitas da Doca de Santo Amaro. Grávidas e pessoas com problemas de costas não são aconselhadas a participar.

Palma Yachts, Doca de Santo Amaro. Passeios por marcação a 45€/pessoa. 93 70 65 280

+ Os melhores passeios de barco no rio Tejo

20
autódromo virtual de lisboa
©DR
Coisas para fazer

Acelere

icon-location-pin Oeiras

Não o queremos na estrada a provocar agentes da autoridade, mas sim num simulador. No Autódromo Virtual de Lisboa, com quase 20 simuladores num espaço de 300 metros quadrados, pode evitar acidentes e fazer o que bem lhe apetecer a grande velocidade ao volante, como se estivesse em várias pistas de Fórmula 1 – até as condições atmosféricas variam.

Publicidade
21
saunapolo56
©DR
Noite

Dispa-se numa sauna mista

icon-location-pin Avenida da Liberdade/Príncipe Real

“Homens, mulheres, transgéneros com diferentes orientações sexuais e casais liberais.” A SaunApolo56 orgulha-se de ser a única sauna mista em Lisboa e talvez seja um bom sítio para visitar se está a precisar de adrenalina na sua relação “liberal”. Ou adrenalina no geral. A sauna oferece vários serviços, desde massagens a possibilidade de satisfazer várias fantasias, como a de “ser filmado em acção, sozinho ou acompanhado”. O espaço em plena Luciano Cordeiro também pode ser alugado para eventos que vão desde despedidas de solteiro/a a orgias.

22
Chalet Biester
©DR
Coisas para fazer, Caminhadas e passeios

Passeie por sua conta e risco

Está alguém aí? É esta a pergunta chave da ficção de terror e uma das palavras a evitar em casas assombradas da vida real. Só porque mais vale não arriscar. Do centro de Lisboa a Sintra, conheça um roteiro de sítios impróprios para almas mais assustadiças.

Mais coisas para fazer em Lisboa

Coisas para fazer

32 coisas incríveis para fazer em Lisboa

Lisboa é tão bonita que há quem lhe chame Lisbonita. E há quem fale da luz, que parece ferir a vista, sobretudo quando reflectida numa parede de azulejo. E há também quem diga que as pessoas são simpáticas e que as ruas, mesmo que desenhadas em colinas difíceis de calcorrear, são inspiradoras. Juntámos três dezenas a duas unidades de ideias e criámos uma lista com sugestões de coisas para fazer. 

maat, corridas
Fotografia: Manuel Manso
Coisas para fazer

Os melhores sítios para correr em Lisboa

Matas, parques e jardins ou zonas ribeirinhas. Em Lisboa, não faltam opções para se pôr a mexer – e, dependendo das horas, sem qualquer confusão, afinal a ideia é relaxar também. Basta escolher o cenário mais apelativo para começar, ou continuar, a correr na cidade. Saiba onde correr em Lisboa, com as melhores sugestões de circuitos para amadores ou profissionais do jogging e do running. Qual é que vai ser a sua desculpa agora para não ficar em forma? Decore as paragens que se seguem e salte do sofá.  

Publicidade
avenidas novas, ciclovia
Fotografia: Manuel Manso
Coisas para fazer

Ciclovias em Lisboa. Só precisa de pedalada para percorrer a cidade

Todos os dias são bons para celebrar o Dia Mundial da Bicicleta. Pedalar pela cidade já entrou na rotina de muitos lisboetas, e usar a desculpa das colinas da cidade para deixar as duas rodas estacionada em casa também caiu em desuso. Muito menos vale a pena dizer que não sabe onde arranjar uma bicicleta. Se é fã da partilha, não faltam soluções e ainda mais ideias dentro do mesmo espírito, tão amigas do ambiente como da sua carteira. 

Publicidade