Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Um T2 com gruta à venda? Oito anúncios de que não estávamos à espera

Um T2 com gruta à venda? Oito anúncios de que não estávamos à espera

Encontrar habitação em Lisboa está difícil: a procura é muita e os preços dispararam. Mas não faltam anúncios inusitados para se entreter no processo.

loft 12
Luís Pedro Catarino loft 12
Por Raquel Dias da Silva |
Publicidade

Há gruas em todo o lado, mas a oferta ainda não chega e o mercado imobiliário em Lisboa é uma piñata. Uma assoalhada a arrendar por mais de mil euros, palacetes históricos que são um luxo ao alcance de poucos, autocaravanas alugadas por mais do que um ordenado mínimo e até um T2 com acesso exclusivo a uma gruta. Reunimos, numa única lista, oito anúncios inusitados (passados e presentes) de casas, apartamentos, palacetes e veículos transformados em habitação sui generis. Nem todos continuam disponíveis, mas pode ser que encontre potencial e consiga também transformar um barracão num loft incrível, como o Loft 12, que passou de oficina de carros a casa de sonho. Sonhar, felizmente, ainda não tem preço. 

Recomendado: Férias de sonho sobre rodas: cinco autocaravanas para alugar

Oito anúncios de que não estávamos à espera

T2 com gruta
Keller Williams

T2 com gruta

Na Rua Maria Pia, em Campo de Ourique, há um T2, com dois quartos e duas casas de banho, à venda por 170 mil euros. Mas há mais: no anúncio original, a consulta imobiliária dava conta de que o apartamento tem acesso exclusivo a uma gruta, com 150 metros quadrados, “escavada sob a colina”. Embora não esteja discriminada na caderneta predial, a gruta já existia quando os actuais proprietários adquiriram a casa há mais de duas décadas. Por debaixo do Cemitério dos Prazeres, não está em condições de ser habitada, mas pode passar a estar depois de algumas obras – até porque uma das casas de banho do T2 encontra-se mesmo dentro da gruta, com o bidé embutido na rocha.

Autocaravana Estoril
DR
Notícias, Vida urbana

Uma autocaravana por 600€/mês

João Lavadinho é um superhost no Airbnb. Há cerca de três anos que aluga como meio de hospedagem a Volkswagen Transporter que tem parqueada no jardim de casa, no Estoril, a turistas de todo o mundo. Tem um histórico impecável na plataforma de alojamento local. Em 2018, decidiu abordar a época baixa de outra forma – alugando-a a estudantes. Preço: 600 euros por mês. Água e luz estão incluídos. Internet, também. A casa-de-banho é nas traseiras da casa. Mais? Há pequenos fogões disponíveis e espaço para grelhados.

Publicidade
Casa de D. Duarte Pio
Resposta Convergente

A casa (que afinal não é) de D. Duarte Pio

Em Janeiro de 2019, denunciava-se um anúncio onde estaria à venda por oito milhões de euros “a actual morada de D. Duarte Pio”, casa – com uma área total de 900 metros quadrados e todas as mordomias – que tinha merecido no passado a preferência “até dos Reis de Espanha”. Confrontada com a venda da alegada casa em Sintra dos duques de Bragança, Isabel Herédia, a mulher de D. Duarte, explicou ao Correio da Manhã (que deu a notícia) que o T10 não era seu. A quinta em causa, que em comum com a verdadeira residência dos Bragança só tem a proximidade, chama-se Quinta Nova de S. Pedro, datada de 1963, e terá pertencido a Imelda Marcos, a mulher dos três mil pares de sapatos que era casada com o antigo presidente e ditador filipino Ferdinand Marcos.

Apartamento 16m2
Century 21

16m² à venda por 145 mil euros

Na Rua dos Remédios, uma das mais típicas da cidade, no coração de Alfama, há um apartamento com 16 metros quadrados à venda na Century 21 por 150 mil euros. Remodelado, equipado e mobilado, tem a cama na cozinha – ou a cozinha no quarto. Na altura, o proprietário contou ao Dinheiro Vivo que não há falta de interessados, tendo inclusive vendido, perto da mesma zona, um outro apartamento, esse de 30 metros quadrados, por 200 mil euros.

Publicidade
Loft 12
Luís Pedro Catarino

O loft de sonho

É provavelmente o loft mais bonito da cidade – ou assim se considerou, quando surgiu à venda na Remax. Agora, já não se encontra disponível, mas a história do Loft 12 foi registada em site próprio pelo engenheiro civil Luís Pedro Catarino, que o adquiriu ainda como um barracão datado de 1940, onde em tempos funcionou uma oficina de carros. Depois de uma auditoria da Câmara Municipal de Lisboa, foi autorizada a sua reabilitação, dando origem a um open space revestido a madeira, com três suítes (uma delas com jardim de meditação, que inclui seis árvores e um baloiço); uma sala comum; biblioteca; cozinha; sala de refeições; garagem com espaço para dois carros, mota e zona bricolage; cave; e uma surpreendente piscina interior, com direito a jacuzzi, cascata, banho turco, canhão de natação, sistema de som e cobertura eléctrica para retenção de calor e protecção dos miúdos.

Palacete que pertenceu a D. João V
Idealista

Palacete que pertenceu a D. João V

À venda no Idealista por 7 milhões e 500 mil euros, está um palacete “que pertenceu a D. João V”. Completamente reabilitado em 2010, mantém a traça original, assim como os azulejos do século XVIII. Em três pisos, ostenta três salas de estar (duas com lareira), sala de refeições, sala de música, dois quartos, quatro suítes, cinco casas de banho, escritório, lavandaria e muitas outras mordomias. No exterior, tem ainda um jardim, piscina, dois lagos, um ginásio e uma sala de apoio para festas com cozinha equipada e WC. Não é para todas as carteiras, mas quem quer que compre este imóvel terá o luxo de viver numa propriedade digna da realeza.

Publicidade
Palacete mandado construir pelo Marquês de Saldanha
Idealista

Construído a mando do Marquês de Saldanha

À venda também por 7 milhões e 500 mil euros, a quinta – “construída a pedido do Marquês de Saldanha, no século XIX”, anuncia o Idealista – é um T10 de luxo, com vista sobre a vila de Sintra e uma garagem para oito carros em pleno centro histórico. O primeiro edifício inclui uma master suite no segundo andar e o segundo é composto por dois apartamentos T3 independentes. Ao todo, são 764 metros quadrados de área útil, a 30 minutos de Lisboa.

Casa do Presidente
Booking

Antiga residência oficial do presidente da Câmara de Lisboa

É identificada como a “Casa do Presidente” na plataforma Booking, onde é possível arrendar a propriedade, construída em 1920, por mais de 800€ por noite. “A villa dispõe de quatro quartos, sala de estar, área para refeições e cozinha bem equipada com lava-louças. A villa também oferece TV de tela plana, máquina de lavar roupa e quatro [casas de banho] com banheira e chuveiro. Um café da manhã continental é servido diariamente na propriedade”, pode ler-se no anúncio. De acordo com a Câmara Municipal de Lisboa, o palacete, situado na Estrada do Penedo, na Ajuda, deixou de ser residência oficial do presidente da autarquia em 2008 (altura em que a existência de uma residência oficial deixou de fazer parte do estatuto dos autarcas) e o último a usufruir do espaço foi Pedro Santana Lopes, antes da concessão do edifício a privados, na sequência de um concurso público internacional. Este caso levou o Bloco de Esquerda a pedir esclarecimentos à autarquia, considerando “injustificável que, num momento de crise na habitação e alojamento para estudantes, existam concessões de imóveis públicos para turismo”.

Viver em Lisboa

Coisas para fazer

Saiba o que fazer em Lisboa num dia

O tempo está a contar, lembre-se que terá de aproveitar a cidade ao máximo e cada segundo conta para observar, fotografar, comer, beber e dançar na cidade das sete colinas.

Compras, Mercados e feiras

As melhores feiras e mercados em Lisboa

Lisboa tem espaço para todas as bancas e mais algumas – e se há variedade! Em palácios, à sombra de contentores, paredes meias com museus ou em grandes jardins pelos bairros da cidade, tudo com periodicidade fixa, ora no primeiro fim-de-semana, ora no último, só aos sábados ou só às quintas. É bom que seja organizado e que tome nota de tudo.

Publicidade
Água pela Barba - Espaço
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes

Restaurantes abertos ao domingo em Lisboa

Quando o Imperador Constatino proclamou domingo como dia de descanso, em Março do ano 321, estava a tentar regular o calendário semanal. Séculos depois, continuamos a suspirar por manhãs domingueiras, com a cara metade a levar-nos o pequeno-almoço à cama ou ao sofá, caso o sábado tenha sido animalesco; tardes de pijama a pôr as séries em dia; e almoços ou jantares sem ter de virar a cozinha de pantanas. Cozinhar ao domingo é que não.

Publicidade