10 tatuagens míticas no cinema

De Robert Mitchum a Viggo Mortensen, juntámos as peles desenhadas que marcaram a história do cinema.

Dragão Vermelho

Não é por acaso que muitas personagens de filmes têm tatuagens. Os desenhos gravados na pele têm sempre um papel na história – mesmo que seja secundário ou nem sequer saia das entrelinhas. Se está a pensar fazer uma, inspire-se nesta lista de tatuagens míticas no cinema. 

Recomendado: Os melhores estúdios de tatuagens em Lisboa

10 tatuagens míticas no cinema

O Livro de Cabeceira (1996)

O primeiro herói de pele pintada da lista é Ewan McGregor. Tinha 24 anos quando protagonizou O Livro de Cabeceira (The Pillow Book) de Peter Greenaway, emprestando o seu corpo, do pescoço aos tornozelos, para tatuar a trama de um livro oriental, com todas as letras. Mais tarde, tornou-se um espécime único e muito cobiçado.

Memento (2001)

Neste filme de Christopher Nolan, uma pobre criatura parece desconhecer a invenção do post-it, que pode ser comprada por meia tuta em qualquer papelaria de bairro. Em vez de tomar notas num bloco, como um detective amador, Leonard (interpretado por Guy Pearce) tatua-as. Afinal a estratégia é bastante inteligente: impossível perder informações. 

 

Publicidade

A Sombra do Caçador (1955)

Robert Mitchum é mais do que um serial-killer: é um demónio vestido de reverendo protestante que tem as palavras "Amor" e "Ódio" tatuadas nos seus dedos das mãos, em letras maiúsculas e tinta preta. Duas tatuagens simples, mas muito eficazes. Décadas depois, foi imitado por Charlie, da série Lost. Mas sem a mesma classe...

+ Robert Mitchum aos 100 anos

Elektra (2005)

A arma de Chris Ackermané um verdadeiro jardim zoológico tatuado na barriga, cujos animais selvagens ganham vida sempre que tem de participar numa batalha. Num minuto tem um lobo desenhado, no outro o bicho sai-lhe pelas costelas com dentes afiados.

Publicidade

Moby Dick (1956)

Herman Melville escreveu que Queequeg, o indiano que viajou entre a tripulação do Capitão Ahab em busca da baleia branca, tinha no rosto uma máscara tribal. Na versão cinematográfica deste clássico da literatura, John Huston foi um pouco mais longe e tatuou-lhe toda a cara.

 

Promessas Perigosas (2007)

A luta no banho turco ficou-nos na memória porque confirmou o que já suspeitávamos: Viggo Mortensen é um homem bem dotado. Se estava com atenção ao filme – e não apenas aos atributos do actor norte-americano – talvez tenha reparado que o seu corpo parecia o mapa do tesouro. A tatuagem mais impressionante era a da cruz grega no esterno.

 

Publicidade

Dragão Vermelho (2002)

A última aventura de Hannibal Lecter conta com um Ralph Fiennes tatuado nas costas, com uns chifres enrolados que lhe tapam todos os músculos. Interpreta Francis Dolarhyde, um assassino em série e canibal que rói os braços das suas vítimas como se fossem perninhas de frango. 

Um Barco e Nove Destinos (1944)

Era uma vez um marinheiro que em cada porto que passava a noite, ficava com uma donzela. Para não esquecer as suas conquistas, tatuava os nomes delas. O problema é que, no dia em que se perdeu no mar e foi resgatado por um salva-vidas à deriva, não havia agulha na mão para gravar. Por sorte, a mulher que o acompanhou usava baton vermelho.

Publicidade

Fuga (2012)

Matthew McConaughey é um fugitivo, um Tom Sawyer dos tempos modernos perseguido pela justiça. Então, o que faz ele numa praia, arriscando-se a ser apanhado? Foge do passado e espera uma loira (Reese Witherspoon) com um bando de rouxinóis azuis tatuados na parte de trás do pescoço. Muitos disparates foram feitos em nome do amor. Qualquer criminoso, mesmo o mais duro, teria sido apanhado por esta mulher.

O Cabo do Medo (1991)

Acabamos com Robert De Niro, que neste filme de Martin Scorcese interpreta um ex-condenado psicopata, preso durante 14 anos por violar uma rapariga. Dos tempos de prisão guarda uma série de desenhos indeléveis no corpo. Isso e uma grande sede de vingança.

Publicidade

Clássicos de cinema para totós

Clássicos de cinema para totós

Farto de não fazer ideia do que falam os cinéfilos à volta? Cansado de se perder em referências desconhecidas quando se fala de cinema? O “cinema para totós” quer resolver esse problema no melhor espírito de serviço público. Ora atente em cada uma destas 10 lições cheias de clássicos de cinema.

Ler mais
Por Rui Monteiro

Clássicos de cinema para totós: especial Terror

Do início do século XX até aos dias que correm, muitos foram os realizadores que dedicaram a assustar os espectadores com monstros maquiavélicos, espíritos misteriosos e sangrias desenfreadas. Cinéfilo que se preze já viu todos os clássicos de cinema de terror: os melhores do género na história do cinema.  

Ler mais
Por Rui Monteiro
Publicidade

Clássicos de cinema para totós: as melhores comédias de sempre

A lista de melhores comédias de sempre é discutível (qual não é?), que isto do humor varia muito de pessoa para pessoa. No entanto é garantido serem estes 20 filmes, senão os melhores de sempre, garantidamente uma contínua fonte de gargalhadas, ou sorrisinhos sarcásticos, tanto faz, perante a imaginação cómica ou o puro disparate transformado em arte de fazer rir em qualquer época. 

Ler mais
Por Rui Monteiro

Comentários

0 comments