Televisão, Séries, Crónica dos Bons Malandros
©DRCrónica dos Bons Malandros

A nova ‘Crónica dos Bons Malandros’

A série da RTP é incapaz de recriar o lugar e a época em que se passa a acção, a Lisboa dos anos 80.

Publicidade

★★☆☆☆

Quando Crónica dos Bons Malandros, de Mário Zambujal, foi publicado, em 1980, Portugal era um país muito diferente do que é hoje, e Lisboa uma outra cidade, com muito pouco a ver com a dos nossos dias. Os malandros cómicos e falhados da quadrilha de Renato, “O Pacífico”, foram concebidos por Zambujal como emanando dessa Lisboa de então, desenhados no limite da caricatura, uns “pintas” do Bairro Alto e do Cais do Sodré armados “em gangsters de Chicago”, como cantava Rui Veloso no filme que, em 1984, Fernando Lopes rodou, e que captou bem essa dimensão de banda desenhada da história e dos seus heróis.

A nova versão de Crónica dos Bons Malandros (RTP1, Qua 21.00), rodada no Portugal e na Lisboa de 2020, e também passada nos anos 80, falha em apresentar esse sentido da época, recriar essa suja, agitada e genuína cidade pós-25 de Abril, essencial para a veracidade e o bom funcionamento da história; e falta às personagens o rasgo castiço, a tipicidade um tudo nada exagerada da “Lísbia” (como se diz em “alfacinhês”) que os defina e distinga uns dos outros e que, de novo, Fernando Lopes compreendeu e realçou no filme. Estes novos malandros são tão desenxabidos e incaracterísticos como a cidade contemporânea, a tentar fingir que é a de há 40 anos, por onde circulam.

Mais que ver

  • Filmes

Entre conteúdos originais de grande qualidade e outros que foram aproveitados (ou mesmo ressuscitados), a Netflix está, continuamente, a trazer-nos apostas dignas de binge watching. Títulos como Gambito de DamaOzark, Stranger Things ou The Crown mostram bem aquilo em que a plataforma trabalha, e outros como Breaking Bad Arrested Development são óptimos exemplos de como levar audiência ao seu moinho (o streaming) por meios comprovados. A apontar-lhe alguma coisa, será a oscilação de conteúdos: estamos sempre na vertigem de ver a nossa série favorita desaparecer do catálogo. Por isso, não perca tempo: prepare-se para uma maratona e siga estas sugestões das melhores séries para ver na Netflix.

  • Filmes

O Disney+ tornou-se, em tempo recorde, um dos serviços de streaming com mais subscritores no mundo. Casa da Fox, da National Geographic e da Lucasfilm, além das produções da Disney, da Pixar e da Marvel, tem um catálogo cada vez mais diversificado. Além de produções próprias – como The Mandalorian, um dos spin-offs de Star Wars, ou WandaVision, uma sitcom psicadélica que tem a chancela da Marvel –, a nova área de entretenimento Star adicionou à plataforma dezenas de séries (e também filmes), incluindo sucessos de audiências como Perdidos ou Uma Família Muito Moderna.

Publicidade
  • Filmes

No mundo das plataformas de streaming e da criação de conteúdos originais, há muitas opções por onde escolher. A Amazon lançou o seu serviço pago de streaming de séries e filmes em Portugal, em 2016, e continua a conquistar novos assinantes e a apostar na criação de conteúdos originais feitos e protagonizados por nomes sonantes. A adaptação da obra de Philip K. Dick, O Homem do Castelo Alto, foi uma das primeiras apostas bem-sucedidas. Seguiram-se Transparent, The Marvelous Mrs. Maisel, FleabagThe Boys... Há cada vez mais e melhores séries originais na Amazon Prime Video.

  • Filmes

Desde 2022 que a HBO Portugal deu lugar à HBO Max. A mudança de nome foi acompanhada por um site renovado e apps mais funcionais, mas o cardápio de séries é basicamente o mesmo, que já era excelente, e vai continuar a crescer – o catálogo dos filmes, porém, foi muito e bem reforçado. Entre as centenas de séries disponíveis no serviço de streaming, há pelo menos 20 que toda a gente precisa de ver pelo menos uma vez na vida. Desde clássicos como Os Sopranos a adições recentes como The Last of Us, sem esquecer A Guerra dos Tronos, estas são as séries na HBO Max que tem de ver.

Publicidade
  • Filmes

A Apple TV+ é um serviço de streaming jovem (nasceu no final de 2019) e de catálogo limitado, mas ao contrário do que possa parecer isso não é uma desvantagem. Em época de abundância, os espectadores encontram aqui um porto seguro, que tenta ter uma oferta mais apostada na qualidade do que na quantidade. O foco são as produções originais, que a pouco e pouco vão tornando o serviço incontornável para quem gosta de boa televisão. Há de tudo, das séries de grande orçamento (destaque para The Morning Show) às sitcoms surpreendentes (olá, Ted Lasso), da ficção científica (ponto extra por Fundação, adaptação dos livros Isaac Asimov) às séries documentais de fôlego (1971: The Year That Music Changed Everything é uma pérola para melómanos). Feitas as contas, há 20 séries da Apple TV+ que tem de ver. Ei-las.

Recomendado
    Também poderá gostar
    Também poderá gostar
    Publicidade