Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right 'Burning Bush' é televisão de primazia
Burning Bush
DR Burning Bush

'Burning Bush' é televisão de primazia

A minissérie 'Burning Bush' (HBO) acompanha a tentativa de um punhado de cidadãos de desafiar em tribunal um Estado totalitário

Por Eurico de Barros
Publicidade

No dia 16 de Janeiro de 1969, Jan Palach, um estudante checo, imolou-se pelo fogo em Praga, em protesto contra a invasão da Checoslováquia pela URSS, seis meses antes, para acabar com a experiência liberalizadora do primeiro-ministro Alexandre Dubcek, a chamada “Primavera de Praga”. Com o seu sacrifício, Palach quis levantar os seus compatriotas contra o ocupante.

A minissérie Burning Bush (HBO) de Agnieszka Holland, rodada em 2013, abre com o trágico acto de Palach e segue para o processo posto pela mãe deste a um deputado comunista que se referiu insultuosamente ao filho em público. O caso foi aceite por uma advogada, Dagmar Buresóva, que pôs assim em risco a carreira e a sua segurança e da família.

Em três episódios dinâmicos, intensos e visualmente lúgubres, Holland filma a corajosa, penosa e infrutífera tentativa de um punhado de cidadãos de desafiar em tribunal um Estado totalitário. Parte thriller, parte drama jurídico com embrulho político, Burning Bush é tanto melhor porque a realizadora evita o maniqueísmo: um polícia destacado para o caso tem uma crise de consciência e foge com a família para a Áustria; o sócio de Buresóva rouba um precioso documento para safar a filha activista de ser expulsa da universidade. Televisão de primazia, ponto final.

Mais que ver

Publicidade
Publicidade
Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade