Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right ‘Lisey’s Story’ é um solene e presunçoso emaranhado narrativo
Televisão, Séries, Drama, Mistério, A História de Lisey (2021)
©DR Julianne Moore em A História de Lisey

‘Lisey’s Story’ é um solene e presunçoso emaranhado narrativo

Stephen King fez questão de adaptar e controlar de alto a baixo a produção de ‘Lisey’s Story’, a mais recente série tirada dos seus livros. Mas fez mal.

Por Eurico de Barros
Publicidade

★★☆☆☆

Na lista dos 25 escritores mais levados ao cinema e à televisão da Slate, Stephen King ocupa o 18.º lugar, após Júlio Verne e empatado com Georges Simenon. E ao ritmo a que os seus livros são vertidos em imagens, depressa vai descolar de Simenon e ultrapassar Verne. King escreveu Lisey’s Story em 2006 e, por ser o seu livro preferido, não queria que ninguém senão ele o adaptasse, e nunca ao cinema, por achar que a história não podia ser contada num filme, mesmo com duas ou três horas. A série Lisey’s Story (Apple TV +), realizada por Pablo Larraín e feita com meios de uma muito confortável produção de cinema, foi controlada pelo escritor de alto a baixo, e Stephen King também assinou o argumento, aproveitando para “melhorar o livro”, como explicou.

Muitos dos seus leitores irão discordar. Julianne Moore é a Lisey do título, a viúva de Scott Landon (Clive Owen), um escritor celebérrimo cujos inéditos são cobiçados por um fã psicopata (Dale DeHaan). A história divide-se entre melodrama realista e terror psicológico-sobrenatural, e King e Larraín tornaram-na num solene, presunçoso e interminável emaranhado narrativo, de que se safam só alguns actores. Antídoto (e antípoda): The Outsider (HBO), tirado (e este muito bem) de outro livro de Stephen King.

Mais que ver

Publicidade
Publicidade
Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade