A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Televisão, Série, Reality-Tv, Eu, Georgina (2022)
©DREu, Georgina

‘Eu, Georgina’, um entediante, vácuo e muito encenado reality show

O interesse e a relevância desta série da Netflix estão na razão inversa da quantidade de malas de senhora que Georgina tem no armário.

Escrito por
Eurico de Barros
Publicidade

★☆☆☆☆

Se eu fosse fabricante dos ovos kinder ou industrial espanhol de carnes frias, estava a esfregar as mãos de contentamento com as referências constantes que Georgina Rodríguez, a modelo e actual namorada de Cristiano Ronaldo, lhes faz ao longo de Eu, Georgina (Netflix). Ela não pára de dar os primeiros aos filhos, e de referir e comer as segundas (“los ibéricos”). Há uma altura em que vai num jacto particular a caminho de Paris, para comprar um vestido à loja de Jean-Paul Gaultier, dizem-lhe que ele não estará lá porque faz anos e Georgina responde que, se soubesse, lhe teria levado uma prenda, “um presunto, por exemplo”.

Este entediante, vácuo e muito encenado reality show, além de cultivar intensivamente o luxury porn, permite-nos saber que Georgina não quer nem flores de plástico nem livros em casa porque “ganham pó” (será mesmo ela que o limpa? E porque é que nunca se vê nenhuma criadagem?), que apesar de lhe ter saído a sorte grande na pessoa de Ronaldo ainda joga na lotaria e é poupadinha, e que tem uma decoradora portuguesa exímia no “portunhol”. Georgina parece ser boa rapariga, companheira, mãe e amiga, mas o interesse e a relevância de Eu, Georgina, estão na razão inversa da quantidade de malas de senhora que ela tem no armário do quarto.

Mais que ver

Publicidade
Publicidade
Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade