A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
O Som das Coisas Leves Quando Caem
Ilustração de Sérgio CondeçoO Som das Coisas Leves Quando Caem, de Catarina Ferreira de Almeida

Dez livros infanto-juvenis que nos chamaram a atenção em 2022

Lemos muito no último ano. Feitas as contas, estes foram os livros infanto-juvenis que nos marcaram. São todos de autores portugueses.

Raquel Dias da Silva
Escrito por
Raquel Dias da Silva
Publicidade

Estão catalogados como sendo para os mais novos, mas são bons em qualquer idade. Editados em 2022, todos assinados por portugueses, estes são os livros infanto-juvenis que mais nos marcaram ao longo do ano. Com páginas cheias de ilustrações e histórias de encher o olho e os sentidos, alguns são também autênticas obras de arte, dignas de coleccionador. O Som das Coisas Leves Quando Caem, de Catarina Ferreira de Almeida e Sérgio Condeço; Avó, onde é que estavas no 25 de Abril?, de Ana Markl; e O Duelo, de Inês Viegas Oliveira, ficam bem em qualquer estante. Mas não são os únicos. Ora, confirme lá.

Recomendado: Livros, livrarias e as últimas novidades para leitores

Best of 2022: os melhores livros infanto-juvenis

Para aprender a dizer adeus
O Som das Coisas Leves Quando Caem, de Catarina Ferreira de Almeida e Sérgio Condeço

Para aprender a dizer adeus

Como é que se diz adeus? Como é que se parte sem deixar o que importa para trás? Depois de mais de dez anos a viver na Ilha Terceira, nos Açores, Catarina Ferreira de Almeida, tradutora premiada e autora de várias obras e peças de teatro em parceria com Joel Neto, decidiu voltar à capital portuguesa, onde nasceu e cresceu. Mas a sua chegada demorou mais do que as duas horas de viagem, e inspirou a sua estreia na literatura infantil. Editado pela Nuvem de Letras e ilustrado por Sérgio Condeço, O Som das Coisas Leves Quando Caem conta a história de uma menina e de uma cadela, a Jasmim, que estão prestes a sair da ilha onde vivem.

De Catarina Ferreira de Almeida e Sérgio Condeço. Nuvem de Letras. 64 pp. 14,95€

Para combater o racismo
Nuvem de Letras

Para combater o racismo

Era uma vez uma menina orgulhosa do seu afro. A história começa mais ao menos assim, até ao brutal instante em que alguém diz a Marielle que, para o dia da fotografia na escola, é melhor ela “arranjar” o cabelo. De repente, somos confrontados, por um lado, com a ditadura dos padrões de beleza, imposta sobretudo às mulheres desde muito cedo; e, por outro, com uma verdade muito mais terrível, mas pouco surpreendente: a de que a discriminação racial ainda persiste, insidiosa e incessante. É essa a realidade que Nuna denuncia no seu primeiro livro infantil. Editado pela Nuvem de Letras e ilustrado por Lala Berekai, Aventureira Marielle e o Dia da Fotografia é uma chamada de atenção para os pais, responsáveis por educar a próxima geração de adultos, e uma carta de amor às crianças, em particular às racializadas, para que cresçam a usar a sua voz e a ouvir a dos outros.

De Nuna e Lala Berekai. Nuvem de Letras. 48 pp. 14,35€

Publicidade
Para defender a liberdade
Lilliput

Para defender a liberdade

25 de Abril de 1974. Era já de madrugada quando o Movimento das Forças Armadas tomou de assalto os estúdios do Rádio Clube Português para dar notícias ao país inteiro. Com o capitão Salgueiro Maia no comando, a revolução estava finalmente em marcha. A certa altura, uma vendedora de flores começou a distribuir cravos vermelhos, que os soldados enfiaram nos canos das espingardas e os civis puseram ao peito. Sem uma única baixa, a ditadura terminou ao som de canções como “Grândola, Vila Morena”, de Zeca Afonso. Como tantas outras avós, a do Manu também estava lá. Quando tudo começou, ainda dormia. O resto é história, para ler no novo livro infantil de Ana Markl, Avó, onde é que estavas no 25 de Abril?. Com o seu humor habitual, a conhecida radialista – que tem sido tudo o que um país livre permite – revisita os factos e o imaginário colectivo para revelar aos mais novos o que aconteceu, afinal, nessa já longínqua Primavera.

De Ana Markl. Lilliput. 48 pp. 14,95€

Para promover a protecção da vida marinha
O Menino Que Queria Ver a Baleia-azul a Passar nos Açores, de Isabel Mateus e Filipe Gomes

Para promover a protecção da vida marinha

Ilustrada pelo picaroto Filipe Gomes, a história de Isabel Mateus não só reaviva a memória baleeira, homenageando a antiga tradição açoriana, como promove “um presente com futuro”: o da preservação e observação responsável de baleias, em especial da Balaenoptera musculus, o grande animal de todos os oceanos. Editado pela Néveda Ent., um projecto editorial da MiratecArts, O menino que queria ver a baleia-azul passar nos Açores é um convite à descoberta do arquipélago e à protecção da vida marinha em todas as idades.

De Isabel Mateus e Filipe Gomes. Néveda. 52 pp. 12,50€

Publicidade
Para redescobrir o planeta
Que Planeta É Este?, de Eduarda Lima

Para redescobrir o planeta

No seu segundo álbum ilustrado, a premiada Eduarda Lima convida-nos a olhar lá para fora e a repensar o papel da natureza no futuro das nossas cidades. Em Que Planeta É Este?, a história começa com um apagão. Sem nada para fazer, a narradora, uma filha mais nova, recorda-se de um presente da avó, que vinha com uma sugestão: “para quando um dia ficarem sem internet”. Trata-se de um Guia ilustrado para as maravilhas da natureza, através do qual é possível viajar por muitos lugares desconhecidos, desde o Glaciar Mendenhall até ao Desfiladeiro de Antílope. No final, sobressai uma mensagem activista, que nos espicaça a construir um amanhã mais verde.

De Eduarda Lima. Orfeu Mini. 40 pp. 15€

Para virar as costas à guerra
O Duelo, de Inês Viegas Oliveira

Para virar as costas à guerra

A curiosidade pelo mundo que nos rodeia levou-a a estudar Física, mas as perguntas continuaram a surgir de tal maneira que, a meio de um mestrado em Matemática, Inês Viegas Oliveira decidiu procurar respostas noutro lado – surpresa: numa pós-gradução em Ilustração. Entretanto, a oportunidade de dar vida ao seu primeiro álbum ilustrado surgiu em 2020, o mesmo ano em que foi a única portuguesa selecionada para a Feira do Livro Infantil de Bolonha. Editado pela Planeta Tangerina, O Duelo convida-nos a reflectir sobre conflitos, mas sobretudo sobre fazer as pazes. Quando tudo começa, o protagonista escreve uma carta ao seu adversário, o senhor Rostov, com quem combinou andar aos disparos – mas só depois de, costas com costas, darem pelo menos cem passos. À medida que se vão afastando, os sentimentos de raiva vão desaparecendo e o mundo torna-se cada vez mais cheio de perdão e afecto.

De Inês Viegas Oliveira. Planeta Tangerina. 64 pp. 13,90€

Publicidade
Para reflectir sobre o que é ser humano
Mais de Cem Mil Dias, de Inês Pupo e Gonçalo Pratas

Para reflectir sobre o que é ser humano

Num mundo em que uns atravessam oceanos confortavelmente instalados em aviões e outros lutam contra marés em barcos clandestinos, não poderia ser mais pertinente reflectir sobre o que nos distancia e, acima de tudo, o que nos liga uns aos outros. Afinal, o que é ser de fora? O que é ser daqui? É o que um aventureiro misterioso, levado nas bossas de um camelo, acabará por descobrir ao longo da Rota da Seda, por entre o medo e a coragem, a dúvida e a certeza, a casa e o caminho. Com texto de Inês Pupo e ilustrações de Ricardo Machado, Mais de Cem Mil Dias é um longo poema (e disco) sobre migração, que nos convida a pensar com cuidado no que é ser humano e viver no mesmo planeta azul.

De Inês Pupo e Ricardo Machado. Constróisons. 48 pp. 12,90€ (constroisons@constroisons.com)

Para descobrir o que fazer quando se for grande
O Que Se Faz No Teatro?/ O Que Se Faz No Museu

Para descobrir o que fazer quando se for grande

“O que queres ser quando fores grande?”, perguntam lá do alto, de supetão. Nem sempre é fácil responder à pergunta preferida dos crescidos. E, mesmo que a resposta se encontre na ponta da língua, o que queremos ser agora pode sempre mudar amanhã. O importante é gostarmos muito do que fazemos. Claro que saber o que nos entusiasma e nos faz feliz é meio caminho andado para descobrir desde cedo a profissão dos nossos sonhos. Para facilitar o desafio, a editora Lilliput lançou uma nova colecção sobre os diferentes profissionais do meio artístico e cultural. Com ilustrações de Catarina Correia Marques, O que se faz no teatro?, de Duarte Silva, e O que se faz no museu?, de Mariana Ramos, convidam-nos a aproveitar não uma, mas duas visitas guiadas. No final, depois de se aprender tantas coisas novas, ainda há tempo para jogar ao “Quem é Quem”.

De Duarte Silva e Mariana Ramos. Lilliput. 48 pp. 13,95€/cada um

Publicidade
Para pôr o corpo a mexer
Dança Atividário, de Inês Fonseca Santos e André Letria

Para pôr o corpo a mexer

Tal como a exposição homónima que esteve patente no entrepiso do LU.CA, Dança Atividário está cheio de piruetas, pliés e moonwalks. Editado pela Pato Lógico, com texto de Inês Fonseca e ilustrações de André Letria, fala-nos, por um lado, sobre uma arte tão antiga como a humanidade; e desafia-nos, por outro, a levantar os pés do chão. Em formato de abecedário, explora a temática da dança através de referências artísticas, histórias, científicas ou filosóficas, mas também sugerindo actividades práticas, que promovem relações intergeracionais através da experiência da leitura e da brincadeira. Movimentar o corpo como se fosse um avião, praticar exercícios de aquecimento, desenhar o cartaz de um espectáculo imaginário ou criar uma playlist para dançar são algumas das propostas.

De Inês Fonseca e André Letria. Pato Lógico. 72 pp. 14,90€

Para estimular a auto-confiança
A Magia em Mim, de Mafalda Mota

Para estimular a auto-confiança

O que é ser extraordinário? Superar os nossos medos, estar lá para quem mais precisa, aprender que é ok pedir ajuda. Tudo coisas tão simples mas que, em determinadas circunstâncias, podem fazer a diferença – na nossa vida e na de quem nos rodeia. Mafalda Mota acredita verdadeiramente nisto, no poder de vivermos em paz com as nossas falhas e virtudes, darmos o nosso melhor e inspirar os outros a fazer o mesmo. O seu projecto de ilustração e storytelling, Heróis Sem Capa, nasceu dessa vontade de mostrar ao mundo, em especial ao futuro do mundo, as crianças, que o nosso valor vem de dentro. No seu mais recente livro, A Magia em Mim, somos apresentados a Maxy, uma menina com uma grande vontade de criar, a precisar de um abraço amigo para superar as suas inseguranças.

De Mafalda Mota. Cultura. 32 pp. 12€

Sugestões de livros para os mais novos

Recomendado
    Também poderá gostar
    Também poderá gostar
    Publicidade