Global icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Cinco coisas que não sabe sobre o Museu Rafael Bordalo Pinheiro

Cinco coisas que não sabe sobre o Museu Rafael Bordalo Pinheiro

Fomos em busca dos segredos do museu e da arte do maior caricaturista português de sempre.
O Soberano! Litografia de Raçhael Bordallo Pinheiro
©Museu Bordallo Pinheiro
Por Editores da Time Out Lisboa |
Publicidade

Neste museu com mais de 100 anos pode para fazer uma visita ao Zé Povinho, às andorinhas e a milhares de outras gravuras e peças de cerâmica do artista alfacinha. O museu apresenta-se como o mais divertido de Lisboa e podemos comprovar que lhe irá arrancar pelo menos um sorriso (e nesse caso o seu coração é de gelo). O Museu Bordalo Pinheiro é obra do artista que encontrou a última morada no Cemitério dos Prazeres (1846-1905) e que em vida se desdobrou não só nas profissões de ilustrador e ceramista, mas também nas de aguarelista, decorador ou jornalista.

Recomendado: O Largo Rafael Bordalo Pinheiro à lupa

Cinco coisas que não sabe sobre o Museu Rafael Bordalo Pinheiro

1
museu bordalo pinheiro
©Museu Bordalo Pinheiro

É o museu mais antigo do país dedicado a um artista

Abriu ao público há 100 anos, em 1916, na moradia de Artur Ernesto de Santa Cruz Magalhães, um poeta e coleccionador apaixonado pela obra de Rafael Bordalo Pinheiro, que fundou o museu com a sua colecção privada. A casa só por si já seria digna de visita: recebeu uma Menção Honrosa do Prémio Valmor em 1914. O museu pertence à Câmara Municipal de Lisboa desde 1924, uma oferta preciosa de Cruz Magalhães, que não pediu um cêntimo para a realização do museu.

2
lanterna magica ze povinho

Veja o manguito original

A Rafael Bordalo Pinheiro associamos a figura de Zé Povinho, que tem direito a um núcleo só para ele. Aqui encontra o primeiro desenho publicado no n.º 5 do jornal Lanterna Mágica, fundado por Bordalo Pinheiro, em 1875. É a primeira aparição pública do adepto dos manguitos.

Publicidade
3
Rafael Bordalo Pinheiro
Pintura de Columbano Bordalo Pinheiro

Coisas de família, em família devem ficar

No museu existe um retrato de Rafael Bordalo Pinheiro, pintado em 1891 pelo seu irmão mais novo, Columbano Bordalo Pinheiro (1857-1929). Foi Manuel Gustavo, filho de Rafael, que legou em testamento esta peça ao museu. Sempre fica tudo em família.

4
mesa posta de bordalo pinheiro
©DR

Uma colecção composta por milhares de peças e documentos

Hoje esta casa tem cerca de 1200 peças de cerâmica, 3500 gravuras, 3000 desenhos e pinturas originais, 900 fotografias da época, 3000 publicações e um acervo documental com a colecção privada do fundador.

Publicidade
5
gato assanhado de bordallo pinheiro
©DR

Um zoo de cerâmica no jardim

Cobras, lagartos, vespas, lobos, gatos, peixes, rãs. A fauna do jardim do museu, remodelado em 2011, é variada, quase a competir com o zoo, não fossem estes animais feitos em cerâmica. E uma réplica da peça Gato Assanhado (Pires para os amigos) até já saiu às ruas de Lisboa. A ideia de encher o espaço verde com criações de Bordalo Pinheiro foi de Catarina Portas e Joana Vasconcelos ficou responsável por distribuir pelo espaço a bicharada oriunda da Fábrica de Faianças das Caldas da Rainha, que com esta encomenda evitou o encerramento. 

Mais museus para visitar

cómoda de fernando pessoa na casa museu de fernando pessoa
©José Frade
Coisas para fazer

Casas de escritores: Um roteiro literário de Lisboa

Alguns espaços receberam novos inquilinos, outros tornaram-se museus que celebram o trajecto dos escritores, outros, ainda, serviram-lhes unicamente de última morada. De colina em colina, por ruelas, becos, largos e avenidas, de um rés-do-chão para Camões a um miradouro para Sophia, sem esquecer essa fachada emblemática no Bairro Alto por onde passaram não um mas vários escritores, a cidade fervilha com a presença histórica.

Coisas para fazer, Centros culturais

Os cinco museus mais estranhos de Lisboa

Se já foi várias vezes ao Museu Nacional de Arte Antiga, conhece os cantos à Casa das Histórias da Paula Rego e sabe enumerar toda a Colecção Berardo, então se calhar está a precisar de um novo desafio. A verdade é que há muito mais, e insólito quanto baste, para descobrir nos museus mais estranhos em Lisboa e arredores. Dos gessos à extinta cera, com uma pausa pelo caminho na Polícia Judiciária, conheça estes cinco.

Publicidade
Museu do Dinheiro
Inês Félix
Museus

Conheça estes museus grátis em Lisboa e arredores

Não é ao domingo de manhã, sábado à tarde ou segunda de madrugada. Estes museus são de entrada gratuita sempre que a porta está aberta ao público. E a busca pela descoberta de um museu gratuito também pode significar a descoberta de um museu que nem sempre está na ribalta.

More to explore

Publicidade