Mesas da semana: Novidades tradicionais ou exóticas para celebrar o bom tempo

Parece que é desta que o sol resolveu aparecer para almoçar. Faça o mesmo numa destas mesas da semana para celebrar o bom tempo
Estoril Mandarim
ManuelManso Estoril Mandarim
Por Inês Garcia |
Publicidade

Baixelas novinhas em folha, para que o serviço esteja a preceito, e um all you can eat deluxe para quem não consegue imaginar a sua vida sem sushi. Mal seria se Junho não trouxesse também sardinhas no pão, aqui em versões modernas quanto baste. Ceviches de peixe branco, tártaros de atum e pratos de massa fresca completam a lista de novidades para os próximos dias, preparada para receber o bom tempo de braços abertos. Só tem que escolher uma destas mesas da semana, dentro do espírito tradicional ou com o devido toque de exotismo, para agradar a todos.  

Recomendado: As melhores esplanadas em Lisboa

Mesas da semana: Novidades para celebrar o bom tempo

Dim sum do Estoril Mandarim
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Chinês

Estoril Mandarim

icon-location-pin Cascais

Esteve fechado durante dois meses para reabrir com nova decoração, mais sedas, uma esplanada toda envidraçada (agora a funcionar todo o ano) e nova baixela para servir os pratos da carta com mais de 100 especialidades. Mantêm-se os bons dim sums ao almoço, as sopas e o Pato à Pequim, servido em dois momentos (primeiro a pele, depois a carne).

Oficina do Duque
©Manuel Manso
Restaurantes, Cozinha contemporânea

Oficina do Duque

icon-location-pin Chiado

É tempo da sardinha e o chef Rui Rebelo usou-a para um prato especial durante o mês de Junho. A “sardinha extraordinária” é um cone de carvão de bambu com o peixe lá dentro, algas, coentros e gengibre (três cones, 6,50€)

Publicidade
All you can eat deluxe Tsubaki
©DR
Restaurantes

Tsubaki

icon-location-pin São Sebastião

Uma viagem pela cozinha japonesa é a proposta do restaurante do Turim Saldanha Hotel, que tem um novo menu exclusivo para os jantares de sextas e sábados. É um all you can eat deluxe (19€) com sopa miso e todo o tipo de sushi. Peça a sangria de saké (12€) para acompanhar.

Raffi's Bagels - Fachada
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Padarias

Raffi's Bagels

icon-location-pin Lisboa

A Raffi’s Bagels tem uma sardinha no pão moderna: o bagel de edição limitada é de sementes e recheado com conserva caseira de sardinha, alface, pimento assado, azeitonas pretas desidratadas e temperado com azeite de alho assado.

Publicidade
Fiammetta
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

Fiammetta

icon-location-pin Campo de Ourique

A mercearia italiana de Campo de Ourique tem uma data de opções novas no menu da sua zona de restaurante. Há agora um tártaro de robalo com batata frita e trufa, tártaros de carne, vários pratos de massa fresca, como a calamarata, com mexilhão, e saladas

Doca de Santo
Manuel Manso
Restaurantes

Doca de Santo

icon-location-pin Alcântara

Como qualquer bom clássico, depois de 22 anos de casa a Doca de Santo resolveu reinventar- -se. Fechou durante três meses para estes ajustes e regressou mantendo os pratos icónicos e acrescentando alguns mais exóticos, como o tártaro de atum, o ceviche de salmão ou o caril de gambas.

Publicidade
The Insólito
©Miguel Guedes Ramos
Restaurantes, Português

The Insólito

icon-location-pin Bairro Alto

Há três meses que António Sousa é o chef executivo deste restaurante no topo do hotel The Independent, mantendo a “cozinha portuguesa sofisticada” sempre com um toque “surpreendente”. Entre os pratos novos há um ceviche de peixe branco com pipocas, um pregado com tutano ou um rabo de boi desfiado depois de estufado e servido com um puré de batata e favas frescas.

Santini
© Ana Luzia
Restaurantes, Geladarias

Santini

icon-location-pin Chiado

Por fim, uma sobremesa. A Santini fez uma parceria com o Moço dos Croissants e tem agora bolas de gelado servidas em cones que são croissants de manteiga (3€).

Outras mesas

Tantura
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

Os melhores restaurantes baratos em Lisboa

Comer fora é caro, que o digam as marmitas e o fim do mês. Restam uns quantos achados que cumprem os requisitos quando chega o prato à mesa mas também quando chega a hora da dolorosa. Para rebolar rua fora de barriga cheia em dias de festa, para intervalos de almoço em dias de trabalho e para jantar antes de seguir com a noite, damos-lhe 15 restaurantes baratos em Lisboa. Entre tascas, petiscos, cozinha africana, sul-americana, chinesa, italiana e israelita, alvitramos que não vai passar os dez euros. Os 13, vá. 

Soão
©Manuel Manso
Restaurantes, Japonês

Os 21 melhores restaurantes japoneses em Lisboa

A cozinha japonesa apareceu em Lisboa nos anos 1980 mas só nos anos 2000 atingiu o seu boom. Nos últimos anos a oferta de restaurantes tem crescido em larga escala por toda a cidade, em parte por culpa dos buffets de sushi que democratizaram a relação dos portugueses com estas pecinhas de arroz e peixe e cru. Nem tudo o que abriu, porém, tem a qualidade de matéria-prima desejada ou mãos que a saibam tratar como merece. Comida japonesa não é, de todo, só sushi, mas há já umas boas mãos cheias de restaurantes que servem sushi de qualidade e confeccionado com talento, seja ele mais ou menos tradicional. E cada vez mais restaurantes japoneses onde o sushi assume o papel secundário. Prove o melhor da gastronomia daquele país num destes 21 restaurantes japoneses em Lisboa. 

Publicidade
comida de santo, feijoada brasileira
Arlindo Camacho
Restaurantes, Brasileiro

Sítios para comer comida brasileira em Lisboa, do pão de queijo à feijoada

Não lhe vamos falar de rodízios de carnes grelhadas em situações all you can eat ou restaurantes onde o buffet se vende ao peso. Nada contra, mas nesta lista, o caminho vai ser outro, pelos quitutes, esses petiscos pequeninos para matar a fome aqui e ali, pela Bahia, com os seus clássicos como o óleo de dendê, o camarão seco, os coentros ou o leite de coco, e pelos ingredientes brasileiros que nos últimos anos ficaram na moda deste lado do Atlântico, como a tapioca ou o açaí. Reunimos uns quantos sítios para comer comida brasileira em Lisboa onde há variedade no receituário e que estão – esperamos – a abrir caminho para mais restaurantes brasileiros em Lisboa. É que samba sem um prato à frente não enche barriga. 

Publicidade