Os melhores bitoques em Lisboa

Depois de muito dar ao dente e à serrilha, a Time Out está em condições de eleger os melhores bitoques em Lisboa
Fotografia: Arlindo Camacho Bitoque d'O Bitoque
Publicidade

Há umas quantas casas lisboetas onde o bitoque vai muito além de um porto seguro. É a estrela da companhia. Provámos dezenas de bifes, mergulhámos o pão em molhos castanhos de origens duvidosas, vimos passar ovos a cavalo e (e alguns com ar cansado), enfrentámos batatas fritas de pacote e outras murchinhas de meter dó. Voltámos a casa a cheirar a fundo de frigideira mas conseguimos encontrar os dez melhores bitoques em Lisboa. E ainda lhe damos um manifesto de amor e louvor a esta instituição. Assine por baixo.

Recomendado: Os melhores restaurantes com churrasco em Lisboa

Os melhores bitoques em Lisboa

Bitoque da Floresta do Salitre
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Português

Floresta do Salitre

icon-location-pin Avenida da Liberdade

O bitoque é um prato remediado mas tem os seus parentes abastados. O que está no menu da Floresta do Salitre é uma espécie de primo rico que de bitoque só tem o apelido: um suculento bife da vazia frito, coroado por batatas fritas às rodelas e o indispensável ovo a cavalo – neste caso, a cavalo de um puro-sangue lusitano. Em resumo, um belíssimo exemplar da espécie e um orgulho para a família.

Preço: 9€.

O Bitoque - Bitoque
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

O Bitoque

icon-location-pin Campo de Ourique

Para se chamar O Bitoque é porque os proprietários deste pequeno restaurante familiar em Campo de Ourique têm muita confiança no bife com ovo estrelado que servem. E têm razões para isso. Aqui serve-se um bom pedaço de carne de vaca acompanhado de batatas às rodelas bem fritas e esparregado – uma raridade muito bem-vinda no panorama bitoquista de Lisboa. De sobremesa há umas farófias com mais procura do que um lugar de estacionamento no bairro.

Publicidade
Bitoque d'A Adega do Lagarro
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

Adega do Lagarto

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

A Adega do Lagarto ganhou fama por causa do Baixinho, um papagaio com problemas de documentação que a polícia tentou multar por 20 mil euros. Mas antes do mediático psitacídeo, este restaurante-cantina já era famoso graças à grelha comandada pelo Sr. Artur, mestre das brasas de méritos reconhecidos no eixo Santos-Cais do Sodré. O peixe grelhado é a especialidade, mas no menu destaca-se ainda o bitoque. Vem com um molho especial, com um pouco de mostarda, e umas batatas fritas que queremos fotografar, emoldurar e pôr em cima da mesa de cabeceira. É também um belo sítio para comer caracóis ao fim do dia.

Bitoque da Adega Solar MInhoto
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Português

Adega do Solar Minhoto

icon-location-pin Alvalade

Se o bom bitoque é uma espécie em vias de extinção, então esta pequena Adega é um santuário bem escondido numa esquina da Avenida Rio de Janeiro. Aqui, o bitoque é feito a preceito e com calma: está na lista dos “Pratos Mais Demorados” do restaurante e vale cada minuto de espera. À mesa chega-nos um bife grande, que por vezes até excede os limites do prato, com um molho carregado de alho. Se não gosta de alho, evite. Mas se não gosta de alho, se calhar também não gosta de bitoque. Ou da vida.

Publicidade
Bitoque d'O Tachinho
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

O Tachinho

icon-location-pin Campo de Ourique

Num restaurante com um diminutivo no nome surpreende-nos um bitoque superlativo. Um bife grande, alto, coberto por uma fatia de fiambre. As batatas vêm às rodelas, estaladiças, e o ovo brilha como a estrela de uma constelação não muito distante. Não traz salada, mas podemos mentir a nós próprios com o clássico: “a batata é vegetal, por isso…”. Os pickles representam as conservas avinagradas e servem de contraponto palatal. N'O Tachinho serve-se o Bitoque Especial à Portuguesa e ainda uma variante com molho de cerveja preta, sem ovo (10,50€). 

Bitoque do Rui dos Pregos
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

Rui dos Pregos

icon-location-pin Belém

Precursor da moda do bife batido, o Rui dos Pregos abriu em 2000 no Cacém e é hoje um império de nove restaurantes que vai de Odrinhas a Belém. Rui Moreira é o Rui que baptiza os restaurantes e o homem por detrás do martelo – ou, para sermos precisos, da ideia de martelar os bifes até ficarem uma fina e comprida fatia de carne. A receita fica completa com um molho de manteiga e alho e uma passagem rápida pela chapa quente. No menu chamam-lhe prego no prato com ovo. No entanto, o rácio carne/batatas e a presença do ovo a cavalo obrigam-nos a incluí-lo na lista dos melhores bitoques.

Publicidade
Bitoque d'O Churrasco
Fotografia:Ana Luzia
Restaurantes

O Churrasco

icon-location-pin Santa Maria Maior

O patinho feio da gastronomia portuguesa pode transformar-se num cisne? Experimente ir ao Churrasco, o restaurante especializado em grelhados da Rua das Portas de Santo Antão e a sede oficial de um dos melhores frangos assados de Lisboa. O bitoque não está no menu, mas pode pedir um que a cozinha faz-lhe a vontade. Numa tigela de barro, por baixo do ovo e das batatas, encontra um tenríssimo bife da vazia, carne que chega ao restaurante duas vezes por semana directamente de Arruda dos Vinhos. As batatas são caseiras e os pickles e azeitonas são mais do que decorativos.

Cardoso da Estrela - Bitoque
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

O Cardoso da Estrela d'Ouro

icon-location-pin São Vicente 

Melhor relação qualidade/preço/metro quadrado de Lisboa. O Cardoso é um pequeno e simpático restaurante onde toda a gente se conhece – uma espécie de versão tasqueira de Cheers, Aquele Bar. A servir às mesas está o próprio Sr. Cardoso, que nos trata como se fôssemos clientes habituais desde a primeira vez que metemos lá os pés. O bitoque, esse, chega numa frigideira, coberto por batatas fritas e encimado, claro, por um ovo. É o melhor que se pode comer em Lisboa por 7€.

Publicidade
Restaurantes, Português

Jorge d'Amália

icon-location-pin Ajuda

Assim que se entra dá para perceber que
 nesta casa são todos do Belenenses, tal é o arraial de camisolas e fotografias da equipa penduradas na parede. Amália, mãe de Jorge, já tinha mão nesta cozinha há várias décadas quando Maria José, a mulher de Jorge, chegou à cozinha. Não há propriamente um menu nem grandes invenções, apenas alguns pratos muito elogiados no bairro e arredores, caso do bitoque, servido numa travessa de inox com molho bem temperado e ovo. À parte umas batatas fritas em palitos impecáveis.

Camera

Manifesto pela elevação do bitoque a património nacional

É verdade que o bitoque não tem a nobreza de um bife do lombo nem a popularidade do seu irmão mais novo, o prego, que virou moda depois de um casamento de conveniência com o bolo do caco. Mas é a par com o arroz doce o prato mais repetido nos cardápios do país: está tão à vontade numa casa de pasto antiga como numa requintada marisqueira.

Escapou ileso a todas as tentativas de gourmetização da culinária portuguesa – onde está esse bitoque desconstruído? esse oeuf à cheval de autor? – e mantém-se fiel a uma fórmula enternecedoramente datada: o bife com batatas fritas, a forminha de arroz, a salada de tomate e alface com umas tímidas raspas de cenoura. A visita ocasional da azeitona, o avistamento esporádico do pickle. Aqui e ali uma fatia de fiambre.

Mal amado pelos chefs, é o prato fantasma que muitas vezes não está no menu mas que todo o restaurante serve – “Claro que lhe fazemos um bitoque!”.

É uma solução de recurso e, ao mesmo tempo, um prato essencial. Não se sabe de onde veio a receita e no entanto é a maior contribuição portuguesa para a cultura do fast food. Um prato que ninguém faz em casa para impressionar as visitas, mas que toda a gente recomenda ao estrangeiro que quer saber como comem os portugueses.

O bitoque merece o nosso reconhecimento pelos feitos em prol da nação. Nem que seja por todas as vezes que nos ajudou a curar uma ressaca. Agora pensem: o chocalho já é património da humanidade e o que é que ele já fez por uma ressaca vossa?

Um clássico cai sempre bem

Pomar de Alvalade - Caracois
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Cervejarias

Sítios para comer caracóis em Lisboa

A época do petisco rastejante começa oficialmente em Maio, o primeiro mês sem R – dizem os especialistas que, apesar de não ser regra absoluta, é nestes meses mais quentes e solarengos que o caracol é melhor, porque com o chuva o bicho começa a meter-se dentro da terra. Ainda assim, a maioria dos caracóis que se servem em Portugal vêm de Marrocos, onde é proibido usar pesticidas e a garantia da qualidade deste petisco é maior. Corremos a cidade à procura de cafés e cervejarias que já estão a servir caracoladas e dizemos-lhe oito sítios onde pode comer caracóis em Lisboa.  

Mariscada - Pinóquio
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

As melhores cervejarias em Lisboa

Cervejaria resulta da junção de cerveja com selvajaria. Fomos à procura das melhores casas da cidade onde o ringue está aberto para se chuparem cabeças de camarão, martelarem patas de sapateira e ainda que meter o dente num prego ao fim. Marisco, saladinhas, croquetes e bifes tenros é o que esta lista tem para lhe oferecer. E vai tudo escorregar lindamente com uma imperial fresquinha.

Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com