Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Os melhores restaurantes alentejanos em Lisboa

Os melhores restaurantes alentejanos em Lisboa

Não precisa de fazer-se à autoestrada. Há bons restaurantes alentejanos em Lisboa e estes são os melhores

Zé Varunca
Fotografia: Ana Luzia
Por Editores da Time Out Lisboa |
Publicidade

Não precisa de pegar no carro e fazer-se à autoestrada para comer à grande e à alentejana. Da Casa do Alentejo ao Zé Varunca, passando por clássicos como O Galito e O Magano, o que não falta em Lisboa são bons restaurantes alentejanos, onde é possível provar os melhores pratos da região – a começar pelos torresmos e queijos da terra, continuando pela açorda e restantes sopas de pão, umas migas com entrecosto frito ou uns ovos com espargos. Para já nem falar na sericaia com ameixas. Há muitos sítios onde pode provar estas e outras iguarias, e estes são os melhores.

Recomendado: Os melhores sítios para comer sopa de tomate alentejana

Os melhores restaurantes alentejanos em Lisboa

Casa do Alentejo
©DR
Restaurantes

Casa do Alentejo

icon-location-pin Santa Maria Maior

É a verdadeira casa da região do Alentejo em Lisboa. E o edifício do antigo Palácio Alverca merece, por si só, uma visita, graças à bonita decoração com traços árabes. Também tem um restaurante com duas salas impressionantes, mas o truque é ficar-se pela taberna da Casa do Alentejo e respectiva esplanada, e apostar nas migas, queijos, tostas e restantes petiscos e pratos do dia. Tudo a preços muito em conta e normalmente acompanhado por boa música de intervenção. Mas prepare-se para um serviço demorado... 

Canja de Pombo do Galito
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Português

O Galito

icon-location-pin Carnide/Colégio Militar

É um dos templos da cozinha alentejana de Lisboa, montado por uma família que veio da Serra D'Ossa. Passou de avó para filho e de filho para neto – quando mudou de localização –, e na mudança de testemunho vieram todos os pratos que deram nome à casa: a sopa de cação, os pezinhos de porco de coentrada, a sopa de tomate com carne do alguidar ou o mítico arroz de pombo bravo. Faz alguns pratos sazonais, como o gaspacho com peixe frito no Verão, e aposta muito em cozinha de caça. Imperdível.   

A Time Out diz
Publicidade
Magano - Sala
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes

O Magano

icon-location-pin Campo de Ourique

No meio das novidades de Campo de Ourique, O Magano continua a ser um bastião da cozinha alentejana, com as suas doses pesadas, condimentadas e os produtos de excelência. Curiosamente, como muitas marcas modernas, divulga-se via Facebook e, se estas palavras não o convencem a levantar o rabo da cadeira e ir até lá, sugerimos que passe pela página do espaço e aprecie os autênticos tesouros ali cozinhados. Pode decidir de antemão se o cabrito no forno, o ensopado de borrego ou as migas de espargos com entrecosto.

A Time Out diz
Restaurante Salsa e Coentros
Fotografias:Ana Luzia
Restaurantes

Salsa & Coentros

icon-location-pin Alvalade

O nome diz-lhe muito sobre esta casa de boa comida portuguesa: a salsa vem de Trás-os-Montes, os coentros do Alentejo. É verdade que este restaurante é apenas 50% alentejano, mas para compensar em 100% excelente. E nem a separação, em 2015, da dupla que o abriu, José Duarte e Belarmino Jesus, fez com que essas contas se alterassem. Perca-se nas entradinhas – as migas de batata e ovo à Salsa & Coentros são obrigatórias – e depois aposte nos pratos de carne ou no bacalhau. Sem medos, que aqui sai sempre a ganhar.

A Time Out diz
Publicidade
sopa de tomate zé varunca
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Português

Zé Varunca

icon-location-pin Oeiras

Antes de chegar ao Bairro Alto, Zé varunca chegou a Oeiras. A família saiu de Estremoz para a Parede em 2002 e dois anos depois instalou a sua cozinha regional com as loiças de barro pintadas a condizer no centro da vila. O receituário é tudo o que se espera: cozido de grão com vagens, sopa de cação, açordas, sopa de tomate, ensopado de borrego, pezinhos de coentrada e por aí fora em doses que alimentam uma família. No final é descer a rua em direcção à praia para fazer aquela caminhada que sempre ajuda à digestão. 

Picamiolos
ManuelManso
Restaurantes, Português

Picamiolos

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

Deixe as esquisitices à porta. Este restaurante cozinha tradicional alentejana tem a mão de José Júlio Vintém, do Tombalobos, de Portalegre, e aposta em miudezas e extremidades que toda a gente deve provar uma vez na vida. Mas calma, que nem tudo o que parece é. Em alguns casos, o prato pode estar ali apenas por uma sugestão semântica. Tanto podemos estar a falar de molejas de borrego ou pétalas de toucinho - dois pratos obrigatórios na carta - como de uma salada de corações de alface ou de uns corações de alcachofra.

Publicidade
Solar dos Nunes - Arroz de Lampreia
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Português

Solar dos Nunes

icon-location-pin Alcântara

Em casa da família Nunes, com cheirinho a Alentejo, segue-se a tradição à risca: azulejos nas paredes, calçada portuguesa no chão, pão e vinho sobre a mesa e mais umas tantas iguarias de rapar o tacho. Os queijos de Serpa são o tiro de partida da refeição que deve seguir caminho para a irrepreensível açorda de alho com bacalhau ou para os pratos de caça, como a perdiz. Tem “excelente adega”, diz a entrada no Guia Michelin, e é dos poucos sítios onde se pode pedir um pijaminha de sobremesas, todas caseiras e saborosas. É de salientar que a estas mesas já se sentou Madonna, numa das primeiras vezes que pisou a capital. 

A Time Out diz

O que é tradicional é bom

Jorge d'Amália
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

Tascas a não perder em Lisboa

Breves notas para definição de uma tasca O que é uma tasca? O dicionário diz-nos que é "um estabelecimento modesto que vende bebidas e refeições", mas também nos ensina que "tasca" é o nome do "utensílio em que se espadela o linho". Para que não haja dúvidas: estamos a falar dos restaurantes. Mas para um restaurante ser uma tasca precisa de cumprir uma série de requisitos. Juntámos 20 características que ajudam a definir o nosso objecto de estudo para que, da próxima vez que frequentar um estabelecimento do género, possa perceber em que classe de tasca está.

Solar dos Presuntos - Cozido à Portuguesa
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

Os melhores restaurantes de cozinha tradicional em Lisboa

Do Minho ao Algarve, do interior ao litoral – não é preciso sair de Lisboa para experimentar os melhores sabores da cozinha portuguesa. Açordas, bacalhaus, rissóis e pataniscas. Entremeadas, croquetes, cozidos e empadões – o que não falta nestes restaurantes de cozinha tradicional em Lisboa são especialidades do país inteiro. E temos de tudo, dos restaurantes com toalhas de papel e travessas de inox, aos pratos cuidados a roçar o fine dining. Verdade seja dita, é a melhor comida de conforto que alguém pode querer. Troque as fusões e a comida do mundo por um destes pratos com sabor a Portugal.

Publicidade
Polvo à lagareiro do dom feijão
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Português

Três sítios para comer polvo à lagareiro

É um clássico da gastronomia portuguesa e em Lisboa encontramo-lo de várias formas. No entanto, por agora, focamo-nos no polvo à lagareiro. Tem de ser cozido e bem cozido para não ficar tipo pastilha elástica. Depois segue para a grelha ou para o forno, com muito azeite e acompanhado com batata a murro. No Natal é muitas vezes servido, especialmente nas mesas do Norte, mas que a quadra não seja a única desculpa para comer polvo à lagareiro. Prove-o num destes três restaurantes em Lisboa – o melhor é ligar a reservar mesa. 

More to explore

Publicidade