Os três melhores sítios para comer lapas

Prometem uma viagem às ilhas sem sair do continente. Agarre-se que nem uma lapa a este petisco

Fotografia: Ana LuziaLapas do Bar do Peixe

O sabor dos Açores, o sabor da Madeira. Uma experiência riquíssima patrocinada por uma rápida deslocação na grande Lisboa. 

Os três melhores sítios para comer lapas

Bar do Peixe

As lapas do Bar do Peixe, servidas na chapa com molho de manteiga e regadas a limão, são tão famosas e fotogénicas, que já posaram para a capa desta mesma revista, no Verão de 2011. São apanhadas por pessoas da zona, garantem no restaurante, e vão muito bem depois de um dia a banhos de sol e mar.


Preço: 15€.

Ler mais
Grande Lisboa

O Madeirense

É o melhor restaurante da cidade para matar saudades da Madeira – ou treinar o palato para a comida da ilha antes de embarcar numa viagem. Como não podia deixar de ser, tem lapas grelhadas na frigideira, servidas com limão, ideais para anteceder um prato de filetes de peixe-espada com banana frita.

Preço: 15€.

Ler mais
Lisboa
Publicidade

Espaço Açores

É um dos únicos restaurantes açorianos de Lisboa (o único?), aberto no Mercado da Ajuda por um casal que veio do Pico. Além da linguiça com inhames, do bife à micaelense ou do pudim de chá, tem lapas na grelha, logo na lista de entradas. Uma viagem aos Açores a sair mais barata que um voo da Ryanair.

Preço: a partir de 11,30€.

Ler mais
Ajuda

Três sítios para...

Três sítios para comer salada caprese em Lisboa

O Come Prima, o La Finestra e o Il Matriciano são três dos melhores restaurantes italianos em Lisboa e na hora de fazerem as suas saladas caprese, não poupam na matéria-prima: a mozarela é de luxo, o tomate e o mangericão são bem frescos. Um belo refresco de Verão. 

Ler mais
Por Catarina Moura
Publicidade

Os três melhores sítios para comer focaccias

Podiam vir sem nada que já não nos queixávamos, mas podem ser recheadas com queijos, enchidos, legumes ou até Nutella. São as melhores focaccias em Lisboa e pode encontrá-las nestes três restaurantes italianos. 

Ler mais
Por Mariana Correia de Barros

Comentários

0 comments