Ajitama Ramen Bistro
©Manuel MansoGyosas do Ajitama Ramen Bistro

Três sítios para comer gyosas

Este petisco vai bem como entrada ou em maior quantidade para uma refeição principal. Peça gyosas nestes três restaurantes em Lisboa.

Publicidade

A origem é chinesa mas este petisco foi tão difundido que agora o mais habitual é encontrá-lo em todos os bons restaurantes japoneses ou pan-asiáticos. As gyosas são pequenos raviólis recheados, ora com carne (habituamente galinha ou porco), ora com vegetais ou camarão, e podem ser cozinhados a vapor ou fritos. Ou então com uma técnica japonesa secreta que não é nem uma coisa nem outra é um mix. Peça gyosas nestes três restaurantes em Lisboa para entrada antes de se lançar a peças de sushi ou a malgas de ramen quentinho. 

Recomendado: Os melhores sítios para comer ramen em Lisboa

Três sítios para comer gyosas

  • Asiático contemporâneo
  • Grande Lisboa
  • preço 2 de 4

O supper club virou restaurante e ganhou uma carta completa. Antes de mergulhar nas malgas de ramen (têm cinco, com intensidades diferentes), prove as gyosas. São importadas do Japão e não são nem fritas nem cozinhadas a vapor – os processos mais comuns. Utilizam uma técnica japonesa que é uma mistura dos dois. Pode escolher as gyosas recheadas com galinha ou as vegetarianas.

Preço: 5€

  • Asiático contemporâneo
  • Martim Moniz
  • preço 3 de 4

Depois de actualizar as redes sociais com a foto ao imponente dragão chinês no meio da sala deste restaurante asiático do TOPO, no Martim Moniz, peça as gyosas.Aqui há duas versões, de porco ou de vegetais, e chegam sempre em trios.

Preço: 4,50€ e 5€

Publicidade
  • Princípe Real

Anna Lins, a Miss Jappa, está há trêsanosaserviromelhorda comida japonesa num recanto do Príncipe Real.As entradas, no menu, dividem-se em junk food japonesa (onde está, por exemplo, o bao de salmão teriyaki) ou clássicos. As gyosas estão neste último capítulo
e uma dose são três: uma de frango, outra de camarão e por fim a vegetariana.

Preço: 4,15€

Lisboa Oriental

  • Indiano

Uma das primeiras referências dos portugueses no que respeita à cozinha étnica foram os restaurantes indianos. E não há como os contornar. Nos restaurantes desta lista não faltam chamuças, caris ou pães naan quentinhos. Cada um com as suas especialidades, um mais moderno e perito em fazer dosas (que são uns crepes gigantes); outros mais clássicos e prontos para darem aos comensais o que querem. 

O Martim Moniz está para a comida asiática como a Mealhada para o leitão. Acabou-se o sal negro lá em casa? A receita leva um rebento de bambu? Precisa de ceboleto fresco? Não deve conseguir pedir esses ingredientes ao vizinho de cima, à boa maneira antiga, mas basta ir até ao Martim Moniz, qual mercearia global, para encontrar os ingredientes mais estranhos e deliciosos (e até umas sobremesas que safam rápido, como os mochis).

Publicidade
  • Pan-asiático

Para quê um japonês ou um vietnamita quando se pode ter a Ásia (quase) toda à mesa? Pan-asiáticos: não há o que temer, não é um nome estranho para uma dieta restritiva que se tornou trendy na internet. Lisboa está a ganhar uns quantos espaços que não querem ter de escolher entre um pho vietnamita ou um ramen japonês e que põem o mais que podem e sabem sobre a Ásia na mesma carta. 

Recomendado
    Também poderá gostar
    Também poderá gostar
    Publicidade