Viva a República! Mas coma como um rei

No feriado do 5 de Outubro, em que se celebra o início da República, é tempo de gastar os últimos cartuchos como um rei
prato do restaurante pesca
Fotografia: Manuel Manso
Por Mariana Morais Pinheiro e Inês Garcia |
Publicidade

A Time Out faz-lhe um roteiro por 20 sítios onde a mesa é sempre farta e os copos nunca se esvaziam – com a certeza de que estão abertos neste feriado 5 de Outubro (aos mais distraídos: celebra-se a Implantação da República). 

Viva a República! Mas coma como um rei

Dear Breakfast - Tosta de Abacate
Fotografia: Francisco Santos

09.00 – Pequeno Almoço

Comece o dia como se fosse descendente de nobre linhagem. Estas padarias e pastelarias podem não lhe levar o repasto à cama numa bandeja de prata, mas isso vai ser um pormenor quando se sentar à mesa. No Dear Breakfast (Rua das Gaivotas, 17) há pequeno-almoço o dia todo, com ovos de todas as maneiras e feitios, tostas com o sempre amado abacate e sumos naturais e uma luz natural que não fere os olhos. Na Tartine (Rua Serpa Pinto, 15A) come-se sem pressas. O pão leveda lentamente e os bolos são de ir às lágrimas de tão bons que são. Ao pequeno-almoço têm um menu onde um cesto de pão com doce ou queijo e fiambre, um croissant, uma bebida quente e um sumo de laranja (9€) dão os bons-dias a quem o pede. Aqui, tal como no Nicolau Lisboa (Rua de São Nicolau, 17), que tem refeições saudáveis, por isso vai encontrar panquecas e taças de iogurte com granola (13€), ou na Frutaria  (Rua dos Fanqueiros, 269), onde quase todos os pratos têm fruta metida ao barulho, os brunchs servem-se todos os dias da semana e com tudo a que tem direito. A Sacolinha (Rua Paiva de Andrade, 8-12), posicionou-se estrategicamente no Chiado para lhe despertar a gula com uma montra cheia de miniaturas. A meio da manhã, dê ainda um salto à Lx Factory para um café e um brigadeiro de amendoim na Brigadeirando na Lx Factory (Rua Rodrigues Faria, 103). Há lá coisa melhor?

Páteo do Bairro do Avillez
©Paulo Barata

13.00 – Almoço

Junte-se à aristocracia e vá até ao Bairro do Avillez (Rua Nova da Trindade, 18). Aqui, opções não lhe vão faltar. Na Taberna, o restaurante que fica mesmo à entrada, há petiscos como croquetes de novilho (4€) e bifanas em bolo do caco (7,50€). Já no Pátio, que fica no interior do espaço, servem-lhe pratos mais robustos. E na recente Cantina Peruana, uma empreitada do chef Avillez com o peruano Diego Muñoz, há desde tiraditos a ceviches. A meteorologia prevê calor para o feriado, pelo que os carabineiros salteados (47€) da Bica do Sapato (Av. Infante Dom Henrique, Armazém B) ou as saladas de caranguejo (18€), chamuças (14€) e caris de camarão (22€) do IBO (Rua da Cintura do Porto de Lisboa)  são boas apostas para aproveitar o sol radioso numa esplanada enquanto admira o Tejo. Aproveite ainda a folga para comer à grande e à francesa. O La Parisienne (Largo Rafael Bordalo Pinheiro, 18) tem croques madame (7€), pratos de pato com batatas assadas (21€), tartes tatin com sorvete de baunilha (7€) e ainda menus de almoço entre os 10€ e os 20€.

Publicidade
Alcoa
Fotografia: Arlindo Camacho

17.00 – Lanche

É hora de descansar os seus reais pés. Além de moerem uma pessoa, as sete colinas da cidade abrem o apetite. Restabeleça os níveis de açúcar na Pastelaria Alcôa (Rua Garret, 37-39), com os mimos de freira, pudins de São Bernardo, torrões reais, queijinhos do céu, coroas de abadessa e castanhas de ovos ou vá até ao Kaffeehaus (Rua Anchieta, 3) e peça uma sachertorte ou um apfelstrudel. Se preferir folhear um livro ao mesmo tempo que ingere doses consideráveis de açúcar, siga até à livraria Ler Devagar (Rua Rodrigues Faria, 103, Edifício G), onde lhe servem o Bolo da Marta com uma base de suspiros e carregado de chocolate e morangos (2,80€). Pode também aconchegar o estômago com o chá de pêssego fresco e um pão de queijo recheado no Chamego (Rua Heliodoro Salgado, 20). 

pesca
Fotografia: Manuel Manso

20.00 – Jantar

Sabemos que não está habituado a ficar à espera – a realeza não espera, faz-se esperar – mas as filas à porta da Cevicheria (Rua Dom Pedro V, 129), que não aceita reservas, valem o esforço. O restaurante do chef Kiko Martins continua a ser um dos mais concorridos da cidade e tem uma ementa com ceviches peruanos tão bons que vai sentir-se tentado a nomeá-los cavaleiros a todos (entre os 11,60€ e 12,80€). A Osteria (Rua das Madres, 52/54) com bons pratos de massa fresca e lasanhas feitas com pão carasau (até 10,90€) e o Café Buenos Aires (Calçada do Duque, 31B), com saladinhas de abacate com camarão (7,50€) e tartines (entre 8,50€ e 12,50€) são boas opções se quiser um jantar romântico com a sua cara metade. Mas se é daqueles que afirma que o nacional é bom, então deixe-se ficar nas mãos de Miguel Castro e Silva para terminar bem a noite. Vá ao Lumni, no topo do hotel The Lumiares (Rua da Escola Politécnica), e peça um menu de degustação com tudo a que tem direito (55€ por pessoa) ou ao recém-inaugurado Pesca (Rua da Escola Politécnica, 27), do chef Diogo Noronha, para comer um peixinho bem fresco. 

Publicidade
Red Frog - Balcão e Barmen
Fotografia: Arlindo Camacho

23.00 – Beber um copo

Quer estar em cima do acontecimento? No topo da cidade? Então vá até ao Topo Chiado (Terraços do Carmo), inaugurado este Verão, é um dos sítios da moda para ver e ser visto. Peça um Don’t Worry Be Apple (8€), com maçã e canela, docinho q.b. O novíssimo Cobre (Rua do Alecrim, 24) é outro dos bares sensação, com bons cocktails a saírem fresquinhos das mãos do experiente Alexandre Leitão, o mixologista do The Insólito. Enquanto isso, na Graça, as Damas (Rua da Voz do Operário, 60) com concertos aos fins-de-semana, margueritas, tequilas sunrise e daiquiris a 6€, tem animado as noites e atraído alfacinhas de todos os cantos da cidade. Mas se preferir um espaço mais recatado para desfrutar as últimas horas do seu reinado em paz e sossego, vá até ao Cinco Lounge, no Príncipe Real (Rua Ruben A. Leitão, 17A). Dave Palethorpe, o rei dos cocktails, estará lá para o servir. Ou então ao Red Frog (Rua do Salitre, 5), eleito um dos 100 melhores bares do mundo – está, portanto, à altura de sua alteza real. 

Outras coisas para fazer em Lisboa

maat, visto do rio
Fotografia: Arlindo Camacho
Coisas para fazer

Seis coisas para fazer no feriado de 5 de Outubro em Lisboa

É a Implatação da República Portuguesa. Bom, é não, foi. E ainda bem. Benditos republicanos que este feriado ninguém nos arranca (já nos arrancaram no passado, mas não vale a pena falar de coisas tristes). Seguem seis sugestões para fazer deste feriado um dia divertido e completo. 

Publicidade
Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com