Cinco exposições em Lisboa a não perder nos próximos meses

Pegue na agenda e marque as exposições em Lisboa que não pode perder durante os próximos meses. Dos clássicos às futuristas instalações sonoras

The Happy Show

A agenda de exposições em Lisboa vai de vento em popa. Há cinco, pelo menos, que não pode perder. Pode tentar descobrir a fórmula da felicidade, ou até mesmo recuar uns anos ao movimento da pop art. Aponte já na agenda, porque estas são daquelas exposições que não inauguram todos os dias.

Cinco exposições em Lisboa a não perder

Pós-pop. Fora do lugar-comum

Até 10 de Setembro, a Galeria Principal da Gulbenkian despe-se dos clássicos para receber “Pós-pop. Fora do lugar-comum”, uma exposição com curadoria de Ana Vasconcelos e Patrícia Rosas, dedicada aos desvios do movimento Pop Art em Portugal e Inglaterra. Uma exposição que lança um olhar renovado sobre os anos 1965 a 1975 e nos revela como a Pop Art foi espelho de uma época culturalmente fervilhante. São mais de duas centenas de obras de artistas como Teresa Magalhães, Ruy Leitão, João Cutileiro, José de Guimarães, Bernard Cohen, Allen Jones ou Jeremy Moon. Gente que, além de ter saído do tal lugar comum, impregnou cada obra sua de um pensamento interventivo, remetendo para os primeiros ensaios da arte conceptual sem abandonar a vontade de comunicação que está na origem da pop.  

Ler mais
Fundação Calouste Gulbenkian , São Sebastião Até Segunda-feira 10 Setembro 2018

The Happy Show

O designer Stefan Sagmeister quis saber como é que se calcula a fórmula da felicidade. E a receita está na exposição “The Happy Show”, patente no MAAT (no edifício da Central Tejo) até Junho. Não é possível alcançar a felicidade permanente, e isso configura uma realidade difícil de aceitar quando um dos maiores objectivos pessoais de cada ser humano parece traduzir-se na simples premissa de ser feliz. É Sagmeister quem o diz – o designer gráfico defende que “a felicidade treina-se, tal como se treina o corpo”. Mas o que é que fazemos realmente para sermos felizes? É descobrir no meio de estatística transformada em grafismos, instalações interactivas e até seguir as ordens de cartões aleatórios.   

Ler mais
MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia , Belém Até Segunda-feira 4 Junho 2018
Publicidade

Escher

A exposição “Escher” traz mais mais de 200 obras do artista holandês com o mesmo nome, M.C. Escher (1898- 1972). A mostra chega pelas mãos da produtora Arthemisia. Além das duas centenas de obras, acrescem equipamentos didácticos de forma a tornar a exposição numa experiência mais completa. Ao longo da exposição os visitantes vão ter oportunidade de estimular a atenção, a imaginação e a intuição, através da arte matemática e dos mundos impossíveis criados pelo holandês. A sua obra representa normalmente metamorfoses – padrões geométricos que se transformam em formas completamente diferentes. 

Ler mais
Museu de Arte Popular , Belém Até Domingo 16 Setembro 2018

Paris Haussmann

Na Garagem Sul do Centro Cultural de Belém cabe toda a cidade de Paris. “Paris Haussmann” é uma viagem ao trabalho de Georges-Eugène Haussmann, o responsável pelo departamento do Sena, que concentrou os esforços na reforma urbana da capital da francesa, acima e abaixo do solo.

Ler mais
Centro Cultural de Belém , Belém Até Domingo 17 Junho 2018
Publicidade

No Place Like Home

Transformar objectos banais em obras de arte – este é o mote para a mais recente exposição inaugurada no Museu Berardo. “No Place Like Home” celebra o centenário da Fonte de Marcel Duchamp, considerada a sua obra mais icónica, e examina a forma como os artistas ao longo dos últimos anos recorrem a uma apropriação de objectos do quotidiano, transformando-os  e subvertendo as suas funções e significados domésticos.

Ler mais
Museu Colecção Berardo , Belém Até Domingo 3 Junho 2018

Também lhe pode interessar

Galerias de arte em Lisboa: um roteiro alternativo

Museus e centros de difusão de arte contemporânea são o pão nosso de cada dia no habitual roteiro cultural dos lisboetas. Mas, onde andam os artistas emergentes? Esses que não correm as bocas do mundo e que têm potencial para mover montes e vales no panorama artístico? Nas galerias, está claro.

Ler mais
Por Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

Comentários

0 comments