Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Os melhores passeios em transportes públicos

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

Eléctrico 24
João Barata/JFC

Os melhores passeios em transportes públicos

Os transportes públicos não servem só para nos levar do ponto A aos restantes pontos do abecedário.

Por Renata Lima Lobo
Publicidade

Alguns transportes públicos servem também para lavar as vistas, desde que não viaje em hora de ponta, porque nesse caso só tem vista para o sovaco do passageiro do lado. E há muita vida (e espaço) para além do eléctrico 28. Nem sempre pensamos nos transportes públicos para passeios, mas a verdade é que tanto os autocarros como os eléctricos, comboios e até os barcos são uma óptima forma de conhecer Lisboa — não é por acaso que andam sempre cheios de turistas. Arme-se também num, pelo menos uma vez e ponha estes passeios na sua lista de coisas a fazer na cidade. Sempre viaja de forma mais sustentável e se tiver passe Navegante pode viajar em modo "entra e sai e não paga mais nada por isso". 

Recomendado: 20 coisas que os turistas fazem e todos os lisboetas devem experimentar

Ferry Trafaria
Ferry Trafaria
©Inês Calado Rosa

1. De Belém à Trafaria de barco

Não só temos um rio, como temos um rio grande. O que é bom para quem se quer demorar num barco que o atravessa. A Estação Fluvial de Belém fica mesmo ao lado do MAAT e depois de uma visita pode apanhar o barco em direcção à Trafaria. Não está tempo para se fazer à praia na foz do rio Tejo e com vista para os pequenos barcos de pesca, mas está sempre bom para comer um peixinho fresco. Para isso consulte a ementa da Taberna do Zé da Lídia. Depois, e antes do regresso, faça a digestão num passeio pela marginal da Trafaria.
Duração: 20m
Bilhete simples: 1,25€
largo da graça, esplanada, graça, coreto, coretos
largo da graça, esplanada, graça, coreto, coretos
fotografia: Duarte Drago

2. Eléctrico 28

Não podemos falar em passeios nos transportes públicos sem entrarmos no 28. Há uma tendência generalizada para contornar a fila turística, mas o histórico eléctrico é incontornável para quem quer andar de passeio. Do Martim Moniz aos Prazeres há muita Lisboa para (re)conhecer. A Graça, a Sé, o Chiado, a Estrela. Tudo cabe neste percurso criado em 1985. Porque em percurso vencedor, toda a gente sabe que não se mexe. Se quiser levar mesmo a sério o passeio, leve consigo o livro 28 – Crónica de um Percurso de José-Augusto França.
 
Duração: 75m
Bilhete simples: 1,50€
Publicidade
Miradouro Keil do Amaral
Miradouro Keil do Amaral
Fotografia: Arlindo Camacho

3. Autocarro 729

Há pelo menos três autocarros que passam pelo Parque Florestal de Monsanto, mas este que pára na zona sul do pulmão alfacinha não só o deixa à porta do Jardim dos Montes Claros e do seu lago-tanque, como a paragem fica a dois passos (700m) do Anfiteatro Keil do Amaral (um dos palcos do OutJazz) e do Miradouro do Moinho do Penedo, ideal para piqueniques. Além disso o restante percurso é bastante completo. De Algés à linda e recuperada freguesia de Carnide, o 729 passa ainda por Belém, Ajuda e Estrada de Benfica, junto ao Teatro Turim.
 
Duração: 83m
Bilhete simples: 1,50€
Baía de Cascais
Baía de Cascais
Fotografia: Ana Luzia

4. Comboio urbano Cais do Sodré-Cascais

Primeiro o rio, depois o mar. A primeira carruagem partiu do Cais do Sodré em 1889 num comboio puxado por uma locomotiva a vapor. Hoje a viagem é menos fumegante, mas continua a ser uma das mais apetecíveis da Grande Lisboa. É muito utilizada nos meses de Verão por quem quer ir à praia sem andar no trânsito, mas nem só de sol vive esta vila. Há sempre muitas coisas para fazer em Cascais.
 
Duração: 33m a 42m
Bilhete simples: 2,25€
Publicidade
Elevador de Santa Justa
Elevador de Santa Justa
Fotografia: Ana Luzia

5. Elevador de Santa Justa

Apesar de só lá entrar um lisboeta quando o rei faz anos, este é um transporte público que liga a Rua de Santa Justa ao Convento do Carmo desde que foi inaugurado em 1902. Se formos contar o tempo, a viagem não compensa. Mas compensa conhecer a cabine de madeira desta obra de Raoul Mesnier de Ponsard de estilo neogótico, feita em ferro fundido e com pormenores incríveis em filigrana. Se reparar, todos os pisos do elevador com 45 metros de altura têm desenhos diferentes.
 
Bilhete simples: 1,50€ (acesso ao miradouro: 1,50€)
Eléctrico 24
Eléctrico 24
João Barata/JFC

6. Eléctrico 24

É a mais recente novidade em Lisboa. O eléctrico 24 regressou aos carris, 23 anos depois de ter acabado. O passeio, que liga a Praça Camões à Praça de Compolide, não é longo, mas vale a pena — desde logo porque ainda não foi descoberto pelos turistas e por isso ainda pode andar de eléctrico sem sentir que está numa lata de sardinhas.

Duração: 35m
Bilhete simples: 1,45€
Publicidade
palmela greentrecker
palmela greentrecker
©João Caldeirinha

7. Comboio Lisboa - Setúbal

Outra opção para rumar a sul do Tejo é o comboio da Fertagus que parte da Estação Roma-Areeiro em direcção a Setúbal, com penúltima paragem noutra bonita cidade: Palmela. Se quiser sair nessa paragem, aproveite para descobrir o Castelo de Palmela, onde, durante o cerco de Lisboa, o Santo Condestável D. Nuno Álvares Pereira acendeu uma grande fogueira para avisar o Mestre Avis que a ajuda estava a caminho. Um excelenete aperitivo para depois descobrir os melhores restaurantes de Setúbal.

Duração: 58m
Bilhete Simples: 4,55€ (até Setúbal)

Agora de barco ou a correr

carris
Fotografia: Manuel Manso

Até onde nos leva o novo passe Navegante?

Coisas para fazer

Alcochete, Almada, Amadora, Barreiro, Cascais, Lisboa, Loures, Mafra, Moita, Montijo, Odivelas, Oeiras, Palmela, Seixal, Sesimbra, Setúbal, Sintra e Vila Franca de Xira. A partir de dia 1 de Abril o passe serve para muito mais do que as voltas do dia-a-dia. O Navegante vai reduzir o preço das ligações entre os 18 municípios da Área Metropolitana de Lisboa com os passes Navegante Metropolitano (30€/mês) e Navegante Municipal ( 40€/mês) que vêm descomplicar o esquema das modalidades de passes. E tornar quase tudo mais barato e ecológico, promovendo o uso dos transportes públicos. Saiba até onde se pode esticar.

Passeio de barco no Tejo
Arlindo Camacho

Os melhores passeios de barco no rio Tejo

Coisas para fazer

A ideia é mesmo ir para fora de pé sem ter de ir muito longe. Os passeios de barco tanto podem meter copos e sushi, como podem incluir DJs ou ser mais silenciosos se preferir. Podem ser do género turístico, radical, romântico ou familiar. Podem, no fundo, ser quase tudo o que imaginar. Para que aproveite os dias mais quentes como deve ser, fizemos o sacrifício de andar à procura dos melhores passeios de barcos para fazer no Tejo e reunimos estes sete. Mas atenção: a oferta é imensa e mesmo as empresas referidas têm muitas outras propostas para lhe oferecer.

Publicidade
maat
Fotografia: Manuel Manso

Os melhores sítios para correr em Lisboa

Coisas para fazer

Matas, parques e jardins ou zonas ribeirinhas. Em Lisboa, não faltam opções para se pôr a mexer – e, dependendo das horas, sem qualquer confusão, afinal a ideia é relaxar também. Basta escolher o cenário mais apelativo e o piso mais adequado para começar, ou continuar, a correr na cidade. Saiba onde correr em Lisboa, com as melhores sugestões de circuitos para amadores ou profissionais do jogging e do running. Qual é que vai ser a sua desculpa agora para não ficar em forma? Decore as paragens que se seguem, salte do sofá e dê corda aos sapatos.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade