Paragens obrigatórias em Campo de Ourique

A lista de paragens que se recomendam não pára de aumentar num bairro que também não pára de mexer. Navegue pelo melhor de Campo de Ourique
café garibaldi
Fotografia: Manuel Manso
Por Editores da Time Out Lisboa |
Publicidade

Cuidado com a linha, porque muito do que se segue é um verdadeiro tormento para a balança. O bairro está cada vez mais delicioso. 

Recomendado: O melhor de Campo de Ourique

Paragens obrigatórias em Campo de Ourique

café garibaldi
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes

Caffè & Bar Garibaldi

Não se deixe enganar pelo nome: “Bar em Itália é onde se vai de manhã”, esclarece Chiara Ferro, a dona da Osteria e também deste Garibaldi. Conte com café italiano, tarteletes de fruta fresca, pannini, croissants com cremes caseiros (com opção sem lactose), comida de forno que também pode levar para casa, entre várias sugestões de doces e salgados feitos ali para várias alturas do dia.

Lisbon Sake Club do Sakê Mico
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Japonês

Lisbon Sake Club do Sakê Mico

icon-location-pin Campo de Ourique

De Nova Iorque para Campo
 de Ourique, Izumi Tezuka instalou-se numa esquina pouco provável da Rua Azedo Gneco em 2016 e começou o seu negócio de distribuição de sake. Aos poucos, a bebida japonesa foi conquistando mais gente e a garrafeira foi organizando degustações de sake premium
e petiscos. Em Novembro criou a primeira reunião do Lisbon Sake Club (há outra já esta quinta, das 19.30 às 22.00) na rede social meetup. Por 20€ provam-se três sakes premium e três petiscos.

Publicidade
paupério campo de ourique
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Mercearias finas

Paupério

icon-location-pin Campo de Ourique

A Fábrica Paupério chegou a Lisboa com uma loja em Campo de Ourique, a primeira fora do Norte, com bolachas centenárias, pão-de-ló, marmelada e geleia, em latas inspiradas nos designs dos anos 1950 ou avulso. A loja tem mais de 40 variedades de biscoitos vendidos avulso ou nas latas que lembram os desenhos de meados do século XX, quando a Paupério atingiu o seu pico, um pão-de-ló e um bolo Rei que querem que se torne tão famoso na capital como já é pelo norte, a marmelada e a geleia de marmelo.

O Ponto Mais Doce da Cidade
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Pastelarias

O Ponto Mais Doce da Cidade

icon-location-pin Lisboa

Aviso: passar diante desta porta pode provocar picos de hiperglicemia. Razão? Esta é a morada de alguns dos melhores doces de Lisboa. Atrás da vitrina do balcão d’O Ponto Mais Doce da Cidade, inaugurado em Setembro de 2016, os brigadeiros de vários sabores, os cheesecakes de frutos vermelhos, as fatias do Melhor Pão-de-Ló do Universo e os macarons coloridos (receita de Joachim Koerper, chef do Eleven), tentam quem por lá passa. 

Publicidade
Fromagerie Maître Renard
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Francês

Maître Renard – Fromagerie

icon-location-pin Campo de Ourique

Ulysse e Quentin são de Poitiers, cidade no centro de França, mas foi em Campo de Ourique que quiserem abrir a queijaria francesa que também vende produtos franceses como vinhos, mostardas artesanais, terrinas de pato ou foie, iogurtes e manteigas e uma considerável selecção de cervejas artesanais francesas, portuguesas e de outras paragens que querem ensinar a beber com queijos. O nome também vem de frança, como se intui: o Maître Renard é o "mestre raposa" na fábula "A Raposa e o Corvo", de La Fontaine. A raposa vê um corvo no alto de um galho com um queijo no bico e convence-o a cantar quando lhe diz que tem uma voz linda. É mentira, mas é a maneira de o corvo deixar cair aquela delícia e a raposa se pôr a andar com ela na boca.

Choco do Bairro
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Português

Choco do Bairro

icon-location-pin Campo de Ourique

Mário Abadeço fechou 
o seu restaurante Abadeço em Setúbal para se instalar numa casa com história, a do antigo Stop do Bairro, que foi de malas e cachecóis (os que cobriam as paredes do restaurante) para Campolide. O Choco do Bairro abriu a pensar em todos os alfacinhas com desejos de choco frito. Já não precisa de atravessar a ponte e ir até Setúbal, Setúbal foi até Campo de Ourique. Sandes de choco, feijoada de choco, ovas de choco, vinho Dona Ermelinda de Freitas, queijos de Azeitão e da Arrábida, tudo como se estivéssemos em terras de Mourinho. Meia dose de choco frito com batatas custa 9€, uma dose (suficiente para duas pessoas) 16,5€.

Publicidade
Safarka Escape Room
©DR
Coisas para fazer, Jogos e passatempos

Safarka Escape Room

icon-location-pin Campo de Ourique

Campo de Ourique já tinha um escape room, o Mystery Escape Game, na Rua do Sol ao Rato, e
 ganhou um novo. Chama-se Safarka e dizem que é
um dos mais realistas da cidade, com actores profissionais. Em 60 minutos terá de encontrar cinco gemas escondidas no apartamento de Samuel Nathan, com referências a uma pirâmide no subsolo da Somália. A dificuldade é de 7 numa escala até 10 e conhecimentos de química, matemática e inglês são uma mais-valia. Crianças com 
mais de 12 anos só podem entrar acompanhadas por um adulto.

O Moço dos Croissants
©DR
Restaurantes, Pastelarias

O Moço dos Croissants

icon-location-pin Campo de Ourique

A pequena pastelaria de fabrico próprio instalou-se no espaço da antiga tasca Venezuela, conhecida pelos caracóis. Tal como o nome indica, O Moço dos Croissants, o projecto do chef Manel Perestrelo, tem como prato principal o croissant, esse “guilty pleasure”, palavras do próprio, que aqui se deverá vender como pãezinhos quentes (aliás, também por lá encontra pão quente). Croissant com chocolate, com creme, com queijo, com praliné (a preços verdadeiramente parisienses, a partir dos 2,5€), para embrulhar ou para comer no balcão instalado na rua, é como quiser.

Publicidade
tartana
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Restaurantes

Tartana

icon-location-pin Campo de Ourique

A Tartana fica na Ferreira Borges, a rua que tem mais carros e mais árvores do bairro, e agora também a que tem mais tartes. Ana Galhardo faz cinco ou seis diferentes por dia, para almoços ou para sobremesa. As fatias custam entre os 2,20 e os 2,5€ e dizem que a melhor é a de amêndoa, com base molhada e cobertura estaladiça. Claro que pode levar uma para casa se encomendar com um dia de antecedência (inteira custa 20€).

A Charcutaria
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Português

A Charcutaria

icon-location-pin Campo de Ourique

Começaram na Rua Coelho
 da Rocha, foram para a Rua do Alecrim, depois para Luanda e agora, em Julho, voltaram à casa de partida sem avisar ninguém. Os clientes antigos “ainda estão a chegar”, diz o dono, Manuel Martins, até porque os hábitos “criam-se e descriam-se”. O regresso do restaurante com comida alentejana a Campo
 de Ourique faz-se num sítio diferente, menos central, mas a ementa continua igual, com os mesmos pratos que deram fama à casa, como os pastéis de massa tenra. “A única coisa diferente é que já não há espaço para vender comida para fora, só bolos”.

Outras paragens

Versailles
©Open House Lisboa/PedroSadio
Coisas para fazer

Oito paragens obrigatórias no Saldanha

Um filme indie? Um enxoval para criança? À partida, seria difícil encontrar estes dois serviços num só bairro, mas Lisboa é tão incrível que nada disto se torna inverosímil. Bem-vindos ao Saldanha e aos seus nobres arredores, onde há vida, e muita. Venha daí descobri-la. 

alfama
Fotografia: Manuel Manso
Coisas para fazer

O melhor de Alfama: 10 paragens obrigatórias

Trinque um hambúrguer biológico, entre num salão do século XV e deixe-se submergir na poesia surrealista. O melhor de Alfama ainda é um mistério para muitos alfacinhas e este é o roteiro por onde começar.    Recomendado: Um roteiro do fado em Lisboa

Publicidade
Coisas para fazer

Paragens obrigatórias no Bairro dos Museus em Cascais

Cascais criou um verdadeiro microclima cultural com a implementação daquilo a que chamou Bairro dos Museus. O conceito é simples e só requer que dê umas voltinhas pelo perímetro que concentra um conjunto de equipamentos dedicados à cultura na vila. Concebido pela Câmara Municipal de Cascais e pela Fundação D. Luís I, o Bairro dos Museus em Cascais distingue-se pela forte componente de inovação e coerência cultural. Para entrar nos edifícios pode optar (vá por nós, que compensa) por comprar o bilhete único. Custa 8€ e dá acesso a todos os equipamentos do Bairro dos Museus. Preparado para a maratona? O Centro Cultural de Cascais, a Casa Sommer, o Museu Conde Castro Guimarães, a Casa das Histórias de Paula Rego e a Casa de Santa Maria são os pontos de paragem obrigatória neste roteiro cultural. Prometida para breve, está a abertura do Museu de Arte Urbana, a próxima grande atracção da zona. 

Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com