Os melhores restaurantes em Campo de Ourique

Do pequeno-almoço ao jantar, da cozinha tradicional aos pratos do mundo, eis os melhores restaurantes em Campo de Ourique
Magano Sopa de Cação
Fotografia: Ana Luzia
Por Editores da Time Out Lisboa |
Publicidade

A legião de fãs que Campo de Ourique colecciona no capítulo "melhor sítio para fazer vida de bairro" ganha fortes argumentos na categoria restaurantes. Não precisa de sair das fronteiras daquelas ruas ortogonais para encontrar tanto um pronto-a-comer para aqueles momentos em que não há marmita, como o restaurante de um chef onde se come produto português tratado com todas as honras que merece. É também a zona da mais badalada Padaria da Esquina, projecto de Vítor Sobral e o profeta Mário Rolando, ou dos croissants gulosos do Moço dos Croissants.

Recomendado: Os melhores restaurantes no Bairro Alto

Os melhores restaurantes em Campo de Ourique

Dois Três Três, esplanada
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes

Dois Três Três

icon-location-pin Lisboa

As paredes são brancas e os antigos armários foram enquadrados na decoração. Neles guardam-se livros, chás, quadros com fotografias emolduradas, máquinas de escrever, garrafas de vinho e a louça que usam no dia-a-dia. Aos fins-de-semana há um prato de panela como feijoada à brasileira e um brunch composto por três variedades de pão, queijos, fiambre e bacon, ovos em cocotte ou mexidos, e pão alemão com queijo creme, abacate, beringela e salmão. 

Pigmeu - Sandes
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Petiscos

Pigmeu

icon-location-pin Campo de Ourique

Este restaurante é uma porcaria. Os croquetes de bochecha estufada, as sandes do cachaço e de lombo assado, os torresmos, os pezinhos de coentrada e a salada de orelha são de comer e chorar por mais. Mas não dissemos que era uma porcaria? Dissemos e mantemos: é que aqui o porco é rei e está em todos os pratos.

Publicidade
Casa dos Passarinhos
©DR
Restaurantes, Português

Casa dos Passarinhos

icon-location-pin Lisboa

A Casa dos Passarinhos é conhecida pelo seu bife na pedra e pelos bons grelhados, caso dos nacos de novilho ou vitelão na pedra. É, também, um dos bons três sítios para comer choco frito na cidade (oficialmente a dose é para duas pessoas, mas de tão bem apetrechada de tiras de choco tenro com fritura estaladiça, dá bem para umas três – há a meia dose, para um, a 9,25€). Prove também a massada ou o arroz de tamboril fresco.

Tasca da Esquina
©Aromateca Group
Restaurantes

Tasca da Esquina

icon-location-pin Estrela/Lapa/Santos

Com o chef Vítor Sobral aos comandos em sociedade com Hugo Nascimento e Luís Espadana, é uma das melhores opções para petiscar na cidade. A garrafeira está à altura das propostas e o ambiente tem muito pouco de tasca. Quanto à carta farta, há ideias da cozinha tradicional e dos petiscos de tasca, mas a apresentação de um bacalhau à brás, das moelas ou dos ovos de farinheira vão combinar mais com o fine dinning do que com o balcão de alumínio.

Publicidade
A Trempe - Sala
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Português

A Trempe

icon-location-pin Campo de Ourique

Mesmo em frente à Casa Fernando Pessoa, A Trempe tem um aspecto castiço e uma ementa rústica, com pratos pesados e bem temperados, como caldo de cação e lombinhos de porco com coentros, e sobremesas típicas como sericaia e encharcada. Lisboetas com costela alentejana podem matar saudades de casa neste restaurante simples e honesto.

hamburgaria da parada
©DR
Bares

Hamburgaria da Parada

icon-location-pin Campo de Ourique

Este quiosque, bem no meio do Jardim Teófilo de Braga, mais conhecido como Jardim da Parada, tem bons hambúrgueres e a preços acessíveis, para comer sentado a apreciar um final de tarde de Verão ou com uma mantinha para os dias mais frios do Inverno. Peça um hambúrguer com requeijão e pesto, com queijo da Ilha ou com bacon e mostarda Dijón. E acompanhe com gins e cocktails. Vários, de preferência.

Publicidade
solar dos duques
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Português

Solar dos Duques

icon-location-pin Campo de Ourique

Há boa comida tradicional em Campo de Ourique. É o caso do Solar dos Duques. Já leva vários anos de existência, já leva uma remodelação decorativa em cima conhecer
 o espaço antigo, e mantém a sua génese. Quanto aos pratos, há um pica-pau do lombo excelente. Nacos grandes, servidos na frigideira num molho à portuguesa, ao lado arroz branco soltinho e batatas fritas às rodelas, bem caseirinhas – um prato a entrar directamente para o top 3 de pica-paus lisboetas. Destaque ainda para as iscas de vitela, cortadas fininhas, num molho apurado, com batata cozida. E excelente a tranche de robalo
 à lagareiro. 

Peixaria da Esquina - Sala
©Grupo Vítor Sobral
Restaurantes, Frutos do mar

Peixaria da Esquina

icon-location-pin Campo de Ourique

Os clássicos da Cervejaria da Esquina ainda lá estão, como o prego de atum e as açordas. Mas o nome mudou e a carta ganhou peixe nas mais diversas formas: curado, marinado, no forno e grelhado. O chef Vítor Sobral continua à frente do espaço e só tem três pratos de carne para oferecer: o prego, o bitoque e o bife. Afinal, agora estamos numa peixaria.

A Time Out diz
Publicidade
Sopa Amarela - Tarte de Amêndoa
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Português

Sopa Amarela

icon-location-pin Campo de Ourique

Ela descreve-se como “uma tia sobrevivente numa altura em que o pronto-a-comer está old-fashioned”. E é fácil reconhecê-la quando somos recebidos com comidinha caseira e familiar para o almoço: pele bronzeada, voz nasalada e expressões como “croquetes do outro mundo” ou “vitela com imensos legumes” denunciam-na. Numa época em que a moda é a marmita, Ana Fragoso Zagallo reinventou a casa que serve pratos do dia há quase 20 anos e juntou-lhe os serviços de catering e de take-away – destaque para os pastéis de massa tenra e para a empada de cozido, “a melhor de Lisboa”, garante sem falsas modéstias.

Raffi's Bagels - Bagels
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Padarias

Raffi's Bagels

icon-location-pin Lisboa

Campo de Ourique andava doido para ter um restaurante especializado naqueles pães em forma de donut que toda a gente comia em cidades como Amesterdão ou Nova Iorque. Foi preciso dois franceses se mudarem para o bairro para podermos finalmente comer bagels a qualquer hora do dia. Ao pequeno-almoço vão bem com um latte, ao almoço é vê-los sair com o salmão comprado no Mercado de Campo de Ourique, a carne do talho na rua em frente ou os legumes da Horta do Bairro, a poucos metros. Para o lanche, há cookies, muffins e brownies. Que nem só de pães com um buraco no meio vive o homem.

Publicidade
RED
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes

Red - We Like it Raw

icon-location-pin Campo de Ourique

Os donos do restaurante/contentor marítimo instalado na Praça São João Bosco, em Campo de Ourique, abriram-no mesmo em frente ao Cemitério dos Prazeres, como que avisando os passantes de que a vida é curta e é impossível resistir aos prazeres da carne. “Foi o rosbife que nos trouxe até aqui. Como gostamos imenso dele, começámos a pensar num conceito à sua volta e assim surgiu o Red, onde tudo o que vendemos tem carne”, conta Paulo Lima, um dos sócios, acrescentando que no menu há seis sandes, uma salada e um prato com Yorkshire pudding, uma especialidade britânica.

 

Magano - Sala
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes

O Magano

icon-location-pin Campo de Ourique

O Alentejo fica a poucos minutos do centro de Lisboa. Não precisa sequer de pegar no carro e fazer-se à auto-estrada: basta apanhar o eléctrico 28 e procurar o clássico Magano, de Campo de Ourique, onde todos os pratos são alentejanos. Ensopado de borrego, cozido de grão e burra assada no forno estão entre as especialidades.

Publicidade
Macau Dim Sum - Pato à Pequim
©DR
Restaurantes, Chinês

Macau Dim Sum

icon-location-pin Lisboa

Há quem acuse Campo de Ourique de ser um bairro fechado sobre si mesmo, mas no que toca a gastronomia está bem aberto para o mundo. O melhor Dim Sum de Lisboa, por exemplo, encontra-se aqui, mais propriamente no Macau Dim Sum (ex-Yum Cha Garden), que trouxe os encantos que já eram conhecidos em Oeiras para Lisboa. Confie em Viviane, a proprietária, e experimente o seu prato preferido da lista: Yum Cha Har Kau, almofadinhas de massa de arroz ao vapor com camarão.

 Friendly Flamingo
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Cafés

Friendly Flamingo

icon-location-pin Campo de Ourique

Há flamingos à vista em terra. Este café de Campo de Ourique tem aves cor-de-rosa desenhadas nas paredes (todas muito instagram friendly, diga-se de passagem) e opções para quem conta as calorias à risca e para quem se está a borrifar: há sempre taças de açaí com iogurte, granola e fruta, parfaits com granola caseira ou waffles com tantos toppings quanto desejar. Todos os dias há bolo caseiro diferente ao balcão, quiches ou saladas, e aos domingos têm menu de brunch em buffet por 12€.

Publicidade
Hikidashi
© Ana Luzia
Restaurantes, Japonês

Hikidashi

icon-location-pin Campo de Ourique

Esta tasca japonesa tem um dos melhores balcões da cidade e aqui não tem mesmo outra hipótese: se quiser experimentar as especialidades de Agnaldo Ferreira, um dos melhores sushimen da cidade, tem de se sentar ao balcão. À comida japonesa tradicional, sem invenções e com peixe da nossa costa, juntam-se grelhados em carvão aromatizado. Experimente os surpreendentes pianos de leitão e a língua de boi.

Fiammetta
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

Fiammetta

icon-location-pin Campo de Ourique

Os princípios por trás da abertura da Fiammetta, mercearia-garrafeira-cafetaria italiana em Campo de Ourique, são bem nobres: mostrar aos portugueses que a cozinha de Itália não é apenas feita de massas, pizzas e risotos e ensinar a usar produtos italianos em receitas simples para replicar em casa. Se quer aprender a usar a oferta da Fiammetta, antes de encher os sacos de compras, sente-se à mesa e peça uma tábua Fiammetta (24€, para duas pessoas) com vários queijos e enchidos, peça um crostino di mozzarella di bufala e ‘ndduja (7,50€) – “uma pasta de chouriço picante da Calabria”, explica – ou um dos panini, como a sanduíche de speck de Trento, com queijo brie e rúcula. Tem ainda pratos do dia (entre os 10-12€), saladas e algumas pastas.

Publicidade
coelho da rocha
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Português

Coelho da Rocha

icon-location-pin Campo de Ourique

Reabriu em 2015 depois de alguns anos fechado. Está praticamente irreconhecível com a nova decoração, mas esta instituição da cidade mantém muitos dos pratos que lhe deram boa fama no passado, como o folhado de perdiz. Além do serviço de mesa, tem um balcão ideal para petiscar e um bar para acompanhar a tendência e servir gins por tudo e por nada.

a minha cozinha
©DR
Restaurantes, Pastelarias

A Minha Cozinha

icon-location-pin Campo de Ourique

“É um café e o que estiver no forno se faz favor.” O pedido é comum n’A Minha Cozinha, cujo perfume a bolo quente, acabado de fazer, sai porta fora, ocupa a rua inteira e dá cabo de muitos planos de dieta. Mas desta cozinha não saem só bolos caseiros: há scones, chás e sumos, almoços temáticos (o dia das quiches, o dos folhados, o dos pratos de forno ou o das empadas) e um brunch mais do que completo: tem ovos mexidos, bacon e salsichas, panquecas, scones e croissants, sumos naturais, batidos e café de saco. E tem bolos. Acabados de sair do forno, claro.

Publicidade
Imperial de Campo de Ourique
©DR
Restaurantes, Português

Imperial de Campo de Ourique

icon-location-pin Campo de Ourique

Nesta tasca todos se sentem em casa, muito por culpa do Sr. João, que fala com tanto entusiasmo do restaurante e das comidas feitas pela mulher, a D. Adelaide, como dos artistas que já por lá passaram. Andrew Zimmern, do programa americano Bizarre Foods, também trouxe fama à Imperial de Campo de Ourique, conta o dono. Na lista, carregadinha de pratos tradicionais portugueses que vão rodando conforme o dia da semana, há chanfana, como manda a tradição das Beiras, ou bacalhau à minhota (ou não fossem os proprietários de Ponte da Barca).

+ As melhores tascas em Lisboa

A Time Out diz
Ela Canela
©DR
Restaurantes, Português

Ela Canela

icon-location-pin Campo de Ourique

Se hoje em dia é impossível andar a par da quantidade de restaurantes de alimentação saudável que abrem em Lisboa (por mais lato que seja o conceito), por outro lado é fácil sinalizar os que são bons, autênticos e têm qualidade. Melhor dizendo: que não se limitam a atirar abacate sensaborão esmagado para cima de um pão de forma duvidoso, que por essas e outras receitas similares cobram fortunas e deixam a sensação que no site de uma qualquer guru da moda internacional se encontram melhores ideias para fazer em casa. O Ela Canela, em Campo de Ourique, é um desses casos em que a promessa de produtos biológicos e sazonais, a ausência de alimentos processados e o método de cozinha
 saudável resultam em pratos verdadeiramente gulosos. 

Publicidade
Mercado de Campo de Ourique - Sala 1
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Global

Mercado de Campo de Ourique

icon-location-pin Campo de Ourique

Hambúrgueres, carpaccios, sumos detox, sushi, empadas, cafés, leitão, gelados, marisco e até francesinhas. Campo de Ourique está cheio de restaurantes onde uma pessoa perde muito tempo (e gasta muito dinheiro), mas se quer petiscar e tem alergia a centros comerciais, encontra no recuperado Mercado de Campo de Ourique corners como a Carpacceria, o Atalho, e a Tasca Japonesa, além de bancas com especiarias, chás, azeites, frutos secos e chocolates. As senhoras de antigamente, com o seu peixe, fruta, legumes e flores, também continuam por lá.

Mais restaurantes em Campo de Ourique

Comer bem, noutros bairros da cidade

Pistola y corazón
©Manuel Manso
Restaurantes

Os melhores restaurantes no Cais do Sodré

O bairro não pára de crescer e se há coisa que não lhe falta são sítios para comer e beber à grande. Temos já uma panóplia de bons restaurantes de peixe, de carne ou de comida do mundo que tornam possível comer de tudo um pouco sem sair do quarteirão. Decida onde vai almoçar ou jantar com esta lista dos melhores restaurantes no Cais do Sodré.

Brunch do restaurante Sitio, Hotel Valverde
©DR
Restaurantes

Os melhores restaurantes da Avenida

Avenida da Liberdade é sinónimo de compras de luxo e, durante alguns dias, também equivale a boa música, mas quando a fome aperta, a rua mais cara da cidade também tem restaurantes para todos os gostos (e carteiras). Bom apetite.

Publicidade
Chutnify
Fotografia: Francisco Santos
Restaurantes

Os melhores restaurantes no Príncipe Real

É o bairro com as lojas mais alternativas, as noites mais coloridas e os restaurantes do momento. A oferta é variada e não desilude. Asiáticos, italianos, cozinhas de autor: abram alas para a família real de restaurantes do Príncipe Real.  

Publicidade