Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Os melhores restaurantes em Campo de Ourique

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

Magano Sopa de Cação
Fotografia: Ana Luzia

Os melhores restaurantes em Campo de Ourique

Do pequeno-almoço ao jantar, da cozinha tradicional aos pratos do mundo, eis os melhores restaurantes em Campo de Ourique

Por Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

A legião de fãs que Campo de Ourique colecciona no capítulo "melhor sítio para fazer vida de bairro" ganha fortes argumentos na categoria restaurantes. Não precisa de sair das fronteiras daquelas ruas ortogonais para encontrar tanto um pronto-a-comer para aqueles momentos em que não há marmita, como o restaurante de um chef onde se come produto português tratado com todas as honras que merece. É também a zona da mais badalada Padaria da Esquina, projecto de Vítor Sobral e o profeta Mário Rolando, ou dos croissants gulosos do Moço dos Croissants.

Recomendado: Os melhores restaurantes no Bairro Alto

Os melhores restaurantes em Campo de Ourique

Audaz gastropub
Audaz gastropub
©Manuel Manso

Audaz Gastropub

Restaurantes Grande Lisboa

Comer e beber um copo, por esta ordem ou a inversa, ficar para ouvir música ou ter conversas longas. O novo grupo de restaurantes da cidade, Osande, chegou para colmatar essa falha e apresenta o seu primeiro projecto em Campo de Ourique: chama-se Audaz e tem como chef executivo Manuel Lino (ex-Tabik e Local). O menu tem 14 propostas, todas pensadas para partilhar, que partem de uma matriz vincadamente portuguesa. A complementar e harmonizar tudo isto está André Peixe, que tratou da parte do bar, com uma carta bem maior do que a de comida, com vários capítulos.

a minha cozinha
a minha cozinha
©DR

A Minha Cozinha

Restaurantes Pastelarias Campo de Ourique

“É um café e o que estiver no forno se faz favor.” O pedido é comum n’A Minha Cozinha, cujo perfume a bolo quente, acabado de fazer, sai porta fora, ocupa a rua inteira e dá cabo de muitos planos de dieta. Mas desta cozinha não saem só bolos caseiros: há scones, chás e sumos, almoços temáticos (o dia das quiches, o dos folhados, o dos pratos de forno ou o das empadas) e um brunch mais do que completo: tem ovos mexidos, bacon e salsichas, panquecas, scones e croissants, sumos naturais, batidos e café de saco. E tem bolos. Acabados de sair do forno, claro.

Publicidade
A Trempe - Sala
A Trempe - Sala
Fotografia: Ana Luzia

A Trempe

Restaurantes Português Campo de Ourique

Mesmo em frente à Casa Fernando Pessoa, A Trempe tem um aspecto castiço e uma ementa rústica, com pratos pesados e bem temperados, como caldo de cação e lombinhos de porco com coentros, e sobremesas típicas como sericaia e encharcada. Lisboetas com costela alentejana podem matar saudades de casa neste restaurante simples e honesto.

Bicho Mau
Bicho Mau
©Duarte Drago

Bistrô Bicho Mau

Restaurantes Cozinha contemporânea Campo de Ourique

Neste Bistrô Bicho Mau é a sazonalidade que manda na carta, numa liberdade que há muito era sonho de Rita Gama e Tomás Rocha. A carta é pequena mas criativa, mete os bichos em primeiro plano, sem serem maus. Não fuja ao couvert, com pão artesanal de fermentações lentas. Procure depois informações sobre os pratos, sempre dispostos a dar-lhe: há a Neblina (7€), uma espuma de batata, ovo a baixa temperatura e crocante de presunto ou o porco que queria ser ovelha (15€), onde o porco mangalitsa – uma raça de porco oriundo da Hungria – se faz acompanhar de couve em pão brioche. Termine com doces surpreendentes, como o creme de banana com queijo e crumble de canela, a acompanhar com o cocktail da casa.

Publicidade
Casa dos Passarinhos
Casa dos Passarinhos
©DR

Casa dos Passarinhos

Restaurantes Português Lisboa

A Casa dos Passarinhos é conhecida pelo seu bife na pedra e pelos bons grelhados, caso dos nacos de novilho ou vitelão na pedra. É, também, um dos bons três sítios para comer choco frito na cidade (oficialmente a dose é para duas pessoas, mas de tão bem apetrechada de tiras de choco tenro com fritura estaladiça, dá bem para umas três – há a meia dose, para um, a 9,25€). Prove também a massada ou o arroz de tamboril fresco.

coelho da rocha
coelho da rocha
Fotografia: Manuel Manso

Coelho da Rocha

Restaurantes Português Campo de Ourique

Reabriu em 2015 depois de alguns anos fechado. Está praticamente irreconhecível com a nova decoração, mas esta instituição da cidade mantém muitos dos pratos que lhe deram boa fama no passado, como o folhado de perdiz. Além do serviço de mesa, tem um balcão ideal para petiscar e um bar para acompanhar a tendência e servir gins por tudo e por nada.

Publicidade
Dacquoise
Dacquoise
©Manuel Manso

Dacquoise

Restaurantes Pastelarias Campo de Ourique

Na Dacquoise, em Campo de Ourique, a pastelaria fina francesa tem preços mais acessíveis para se tornar numa pastelaria do bairro, para todas as horas do dia. E tem todos os clássicos, do Paris-Brest em forma de flor às tartes de fruta, de morango com pistácio e creme de pasteleiro, de limão merengado ou de cassis, o Opera, o mi cuit, qual petit gateaux de chocolate, os financiers, os éclairs fresquinhos, e mil-folhas, croissants simples ou recheados. A vertente pastelaria complementa-se com a de padaria, com fornadas quentes a sair várias vezes ao dia, e também com os salgados, com sanduíches francesas de queijo brie, de presunto, de frango ou paio do lombo e saladas, que compõem menus de pequeno-almoço e almoço. Aos fins-de-semana e feriados há menu de brunch.

Dois Três Três, esplanada
Dois Três Três, esplanada
Fotografia: Ana Luzia

Dois Três Três

Restaurantes Lisboa

As paredes são brancas e os antigos armários foram enquadrados na decoração. Neles guardam-se livros, chás, quadros com fotografias emolduradas, máquinas de escrever, garrafas de vinho e a louça que usam no dia-a-dia. Aos fins-de-semana há um prato de panela como feijoada à brasileira e um brunch composto por três variedades de pão, queijos, fiambre e bacon, ovos em cocotte ou mexidos, e pão alemão com queijo creme, abacate, beringela e salmão. 

Publicidade
Ela Canela
Ela Canela
©DR

Ela Canela

Restaurantes Português Campo de Ourique

Se hoje em dia é impossível andar a par da quantidade de restaurantes de alimentação saudável que abrem em Lisboa (por mais lato que seja o conceito), por outro lado é fácil sinalizar os que são bons, autênticos e têm qualidade. Melhor dizendo: que não se limitam a atirar abacate sensaborão esmagado para cima de um pão de forma duvidoso, que por essas e outras receitas similares cobram fortunas e deixam a sensação que no site de uma qualquer guru da moda internacional se encontram melhores ideias para fazer em casa. O Ela Canela, em Campo de Ourique, é um desses casos em que a promessa de produtos biológicos e sazonais, a ausência de alimentos processados e o método de cozinha
 saudável resultam em pratos verdadeiramente gulosos. 

Fiammetta
Fiammetta
Fotografia: Arlindo Camacho

Fiammetta

Restaurantes Campo de Ourique

Os princípios por trás da abertura da Fiammetta, mercearia-garrafeira-cafetaria italiana em Campo de Ourique, são bem nobres: mostrar aos portugueses que a cozinha de Itália não é apenas feita de massas, pizzas e risotos e ensinar a usar produtos italianos em receitas simples para replicar em casa. Se quer aprender a usar a oferta da Fiammetta, antes de encher os sacos de compras, sente-se à mesa e peça uma tábua Fiammetta (24€, para duas pessoas) com vários queijos e enchidos, peça um crostino di mozzarella di bufala e 'nduja (7,50€) – uma pasta de chouriço picante da Calabria – ou um dos panini, como a sanduíche de speck de Trento, com queijo brie e rúcula. Tem ainda pratos do dia (entre os 10-12€), saladas e algumas pastas.

Publicidade
hamburgaria da parada
hamburgaria da parada
©DR

Hamburgaria da Parada

Bares Campo de Ourique

Este quiosque, bem no meio do Jardim Teófilo de Braga, mais conhecido como Jardim da Parada, tem bons hambúrgueres e a preços acessíveis, para comer sentado a apreciar um final de tarde de Verão ou com uma mantinha para os dias mais frios do Inverno. Peça um hambúrguer com requeijão e pesto, com queijo da Ilha ou com bacon e mostarda Dijon. E acompanhe com gins e cocktails. Vários, de preferência.

Hikidashi
Hikidashi
© Ana Luzia

Hikidashi

Restaurantes Japonês Campo de Ourique

Esta tasca japonesa tem um dos melhores balcões da cidade e aqui não tem mesmo outra hipótese: se quiser experimentar as especialidades de Agnaldo Ferreira, um dos melhores sushimen da cidade, tem de se sentar ao balcão. À comida japonesa tradicional, sem invenções e com peixe da nossa costa, juntam-se grelhados em carvão aromatizado. Experimente os surpreendentes pianos de leitão e a língua de boi.

Publicidade
Hummus Bar
Hummus Bar
©Manuel Manso

hummusbar

Restaurantes Campo de Ourique

O hummusbar é uma cadeia húngara dedicada ao prato do Médio Oriente que se estreou em Portugal no Mercado de Campo de Ourique. Em todos os pratos simples que existem na carta deste espaço (maioritariamente vegetariana e com muitas opções vegan), o hummus, feito com grão-de-bico trazido do Egipto, é estrela. Há sanduíches de pita bem recheadas, saladas, shakshuka ou pratos de hummus, sempre acompanhados pelo pão pita fresco, que por enquanto continua a vir de Israel, com um aspecto meio tosco e artesanal, e a ser finalizado aqui, no forno. Pode escolher o prato de hummus simples com tahini (pasta de sésamo) (6,90€), hummus com salada turca, uma das saladas mais condimentadas do Médio Oriente, com a leveza e cremosidade do hummus a contrastar com a intensidade do tomate (7,90€), hummus com dez pequenos falafel crocantes (7,90€) ou o hummus completo, que combina seis bolas de falafel, cogumelos cozinhados com cominhos e grão de bico cozido (8,90€).

espetada de lombo em pau de louro, ilha da madeira, tema 526
espetada de lombo em pau de louro, ilha da madeira, tema 526
Fotografia: Arlindo Camacho

Ilha da Madeira

Restaurantes Lisboa

A especialidade são as espetadas de lombo em pau de louro, um dos pratos que marca as festas na ilha, onde até costuma ser assado em braseiros ao ar livre. Na Ilha da Madeira, a espetada é feita em pau de louro como manda a tradição e os pedaços do lombo chegam a pingar e com aroma a manteiga de alho. Acompanha com o tradicional milho frito, arroz e batatas fritas. Prove também o bolo do caco feito pela dona Maria, o bife de atum à Madeira (12,50€) ou a carne de porco de vinha d’alhos (9,50€). Para beber, e aumentar essa sensação de teletransporte para a ilha, peça a Brisa Maracujá. 

Publicidade
Imperial de Campo de Ourique
Imperial de Campo de Ourique
©DR

Imperial de Campo de Ourique

Restaurantes Português Campo de Ourique

Nesta tasca todos se sentem em casa, muito por culpa do Sr. João, que fala com tanto entusiasmo do restaurante e das comidas feitas pela mulher, a D. Adelaide, como dos artistas que já por lá passaram. Andrew Zimmern, do programa americano Bizarre Foods, também trouxe fama à Imperial de Campo de Ourique, conta o dono. Na lista, carregadinha de pratos tradicionais portugueses que vão rodando conforme o dia da semana, há chanfana, como manda a tradição das Beiras, ou bacalhau à minhota (ou não fossem os proprietários de Ponte da Barca).

+ As melhores tascas em Lisboa

Macau Dim Sum - Pato à Pequim
Macau Dim Sum - Pato à Pequim
©DR

Macau Dim Sum

Restaurantes Chinês Lisboa

Há quem acuse Campo de Ourique de ser um bairro fechado sobre si mesmo, mas no que toca a gastronomia está bem aberto para o mundo. O melhor dim sum de Lisboa, por exemplo, encontra-se aqui, mais propriamente no Macau Dim Sum (ex-Yum Cha Garden), que trouxe os encantos que já eram conhecidos em Oeiras para Lisboa. Confie em Viviane, a proprietária, e experimente o seu prato preferido da lista: Yum Cha Har Kau, almofadinhas de massa de arroz ao vapor com camarão.

Publicidade
Memoria
Memoria
©Inês Félix

Memoria

Restaurantes Italiano Campo de Ourique

O grupo Non Basta abriu o italiano Memoria para apelar às recordações de almoços em família na infância, um restaurante com mais produtos italianos, uma série de novos pratos e a valorização do aperitivo Spritz. O espaço não podia ser mais diferente dos outros restaurantes do grupo: o interior é mais estreito, em tons rosados, com mesas com tampos de mármore. Mas o ex-líbris são os dois logradouros que foram transformados numa enorme esplanada. Quando espreitar a carta vai reconhecer alguns dos pratos mais icónicos do Pasta Non Basta, mas há muito mais. A ementa tem uma selecção de queijos e enchidos italianos, para começar a petiscar, entradas como a burrata cremosa e fresca com pesto e prosciutto, bruschettas e uma categoria nova – pratos para dividir, servidos em travessas como nos almoços de família. Uma dose serve para três pessoas.

Magano - Sala
Magano - Sala
Fotografia: Ana Luzia

O Magano

Restaurantes Campo de Ourique

O Alentejo fica a poucos minutos do centro de Lisboa. Não precisa sequer de pegar no carro e fazer-se à auto-estrada: basta apanhar o eléctrico 28 e procurar o clássico Magano, de Campo de Ourique, onde todos os pratos são alentejanos. Ensopado de borrego, cozido de grão e burra assada no forno estão entre as especialidades.

Publicidade
Restaurante, Peixaria da Esquina, Sala
Restaurante, Peixaria da Esquina, Sala
©Grupo Vítor Sobral

Peixaria da Esquina

Restaurantes Frutos do mar Campo de Ourique

Os clássicos da Cervejaria da Esquina ainda lá estão, como o prego de atum e as açordas. Mas o nome mudou e a carta ganhou peixe nas mais diversas formas: curado, marinado, no forno e grelhado. O chef Vítor Sobral continua à frente do espaço e só tem três pratos de carne para oferecer: o prego, o bitoque e o bife. Afinal, agora estamos numa peixaria.

Pigmeu - Sandes
Pigmeu - Sandes
Fotografia: Ana Luzia

Pigmeu

Restaurantes Petiscos Campo de Ourique

Este restaurante é uma porcaria. Os croquetes de bochecha estufada, as sandes do cachaço e de lombo assado, os torresmos, os pezinhos de coentrada e a salada de orelha são de comer e chorar por mais. Mas não dissemos que era uma porcaria? Dissemos e mantemos: é que aqui o porco é rei e está em todos os pratos.

Publicidade
Qura
Qura
©Manuel Manso

Qura

Restaurantes Grande Lisboa

Manel Perestrelo pensou este restaurante como uma taberna portuguesa modernizada, onde a refeição, de partilha, gira em torno de uma garrafa de vinho, a Qura, um  rosé produzido em parceria com Diogo Reis, da Quinta do Sanguinhal, no Bombarral, sem muito álcool, nem muito seco nem muito doce, e numa cor que contrasta bem com rosés mais pálidos. É servido bem fresco e a primeira rodada neste restaurante em Campo de Ourique, para o qual foi feito de propósito, é por conta da casa. Há um balcão com oito lugares, que o chef quer usar também para ter mais contacto com os clientes, e mais de duas dezenas de lugares em mesas montadas com loiças em azul e branco, uma de cada nação, à antiga.   

Raffi's Bagels - Bagels
Raffi's Bagels - Bagels
Fotografia: Ana Luzia

Raffi's Bagels

Restaurantes Padarias Lisboa

Campo de Ourique andava doido para ter um restaurante especializado naqueles pães em forma de donut que toda a gente comia em cidades como Amesterdão ou Nova Iorque. Foi preciso dois franceses se mudarem para o bairro para podermos finalmente comer bagels a qualquer hora do dia. Ao pequeno-almoço vão bem com um latte, ao almoço é vê-los sair com o salmão comprado no Mercado de Campo de Ourique, a carne do talho na rua em frente ou os legumes da Horta do Bairro, a poucos metros. Para o lanche, há cookies, muffins e brownies. Que nem só de pães com um buraco no meio vive o homem.

Publicidade
RED
RED
Fotografia: Manuel Manso

Red - We Like it Raw

Restaurantes Campo de Ourique

Os donos deste restaurante/contentor marítimo abriram-no mesmo em frente ao Cemitério dos Prazeres, como que avisando os passantes de que a vida é curta e é impossível resistir aos prazeres da carne. “Foi o rosbife que nos trouxe até aqui. Como gostamos imenso dele, começámos a pensar num conceito à sua volta e assim surgiu o Red, onde tudo o que vendemos tem carne”, conta Paulo Lima, um dos sócios, acrescentando que no menu há seis sandes, uma salada e um prato com Yorkshire pudding, uma especialidade britânica.

Restaurante, Bar, Santo Graal Burger & Grill
Restaurante, Bar, Santo Graal Burger & Grill
©Inês Félix

Santo Graal Burger & Grill

Restaurantes Hambúrgueres Lisboa

O conceito nasceu em Porto Alegre, no Brasil, mas acabou a passar para o lado de cá do Atlântico. Neste Santo Graal, em Campo de Ourique, os hambúrgueres são a estrela da casa e há um total de nove opções, todos eles com sugestões de harmonização. Mas há mais a descobrir, sempre à boleia das carnes e das cervejas.

Publicidade
solar dos duques
solar dos duques
Fotografia: Manuel Manso

Solar dos Duques

Restaurantes Português Campo de Ourique

Há boa comida tradicional em Campo de Ourique. É o caso do Solar dos Duques. Aberto há vários anos, já leva uma remodelação decorativa em cima, mas o espaço mantém a sua génese. Quanto aos pratos, há um pica-pau do lombo excelente. Nacos grandes, servidos na frigideira num molho à portuguesa, ao lado arroz branco soltinho e batatas fritas às rodelas, bem caseirinhas – um prato a entrar directamente para o top 3 de pica-paus lisboetas. Destaque ainda para as iscas de vitela, cortadas fininhas, num molho apurado, com batata cozida. E excelente a tranche de robalo
 à lagareiro. 

Sopa Amarela - Tarte de Amêndoa
Sopa Amarela - Tarte de Amêndoa
Fotografia: Manuel Manso

Sopa Amarela

Restaurantes Português Campo de Ourique

Ela descreve-se como “uma tia sobrevivente numa altura em que o pronto-a-comer está old-fashioned”. E é fácil reconhecê-la quando somos recebidos com comidinha caseira e familiar para o almoço: pele bronzeada, voz nasalada e expressões como “croquetes do outro mundo” ou “vitela com imensos legumes” denunciam-na. Numa época em que a moda é a marmita, Ana Fragoso Zagallo reinventou a casa que serve pratos do dia há quase 20 anos e juntou-lhe os serviços de catering e de take-away – destaque para os pastéis de massa tenra e para a empada de cozido, “a melhor de Lisboa”, garante sem falsas modéstias.

Publicidade
Shun Open Kitchen
Shun Open Kitchen
©Manuel Manso

Shun Open Kitchen

Restaurantes Japonês Campo de Ourique

João Bívar abriu o Shun Open Kitchen em Campo de Ourique no início de 2020. Tem 20 lugares mas são os sete ao balcão que são os meninos dos seus olhos. O balcão é em mármore claro e tem apenas uma divisão baixa entre o espaço do cliente e a bancada de trabalho, com tudo à vista, incluindo as três facas do sushimen, a caixa que conserva o peixe do dia e o balde onde mistura o arroz de sushi todos os dias. “Este balcão está pensado para quando o cliente está sentado estar ao nível dos meus olhos, porque o espaço onde eu estou está uns 15 ou 20 centímetros abaixo”, explica o sushimen. Apesar de ter uma carta bem extensa, que cobre todos os clássicos, das gyosas aos chirashis ou temakis, rolos e ainda um bao quente, o que João mais gosta é que os clientes confiem e se deixem levar pelas suas recomendações e provem o seu sushi de fusão à séria.

Tasca da Esquina
Tasca da Esquina
©Aromateca Group

Tasca da Esquina

Restaurantes Estrela/Lapa/Santos

Com o chef Vítor Sobral aos comandos em sociedade com Hugo Nascimento e Luís Espadana, é uma das melhores opções para petiscar na cidade. A garrafeira está à altura das propostas e o ambiente tem muito pouco de tasca. Quanto à carta farta, há ideias da cozinha tradicional e dos petiscos de tasca, mas a apresentação de um bacalhau à brás, das moelas ou dos ovos de farinheira vão combinar mais com o fine dining do que com o balcão de alumínio.

Mais restaurantes em Campo de Ourique

Comer bem, noutros bairros da cidade

Cultura do Hamburguer
©Inês Félix

Os melhores restaurantes no Bairro Alto

Restaurantes

Corremos o Bairro Alto e cruzámo-nos com mais de 100 restaurantes pelo caminho, nem todos merecedores de nota, é certo. Mas nas ruas mais boémias da cidade há mais do que bares com promoções em mojitos gigantes. O bairro está revitalizado e há restaurantes a dar-lhe novo fôlego. Da cozinha de autor de chefs como Ljubomir Stanisic ou André Lança Cordeiro ao restaurante israelita, passando por bons italianos, comida do Médio Oriente, mexicana ou a mais tradicional portuguesa, estes são os melhores restaurantes no Bairro Alto para almoçar sem confusão, fazer um jantar pré-noite de copos ou ter uma experiência gastronómica. 

taberna do mar
Fotografia: Manuel Manso

Restaurantes obrigatórios na Graça

Restaurantes

Lá em cima, há muita coisa nova a dar nas vistas. No bairro que está cheio de graça, sobra sempre espaço para um novo restaurante, mais um cantinho com um petisco ou até um docinho dos bons, dos crepes recheados aos famosos pastéis de nata. Seja para quem vai dar um saltinho à Feira da Ladra e quer almoçar naquela zona, para quem quer instagramar o miradouro e lanchar a seguir, ou até mesmo quem vai àquele concerto de sábado à noite nas Damas. Eis 13 restaurantes e pastelarias obrigatórios na Graça. 

Publicidade
Pistola y corazón
©Manuel Manso

Os melhores restaurantes no Cais do Sodré

Restaurantes

O bairro não pára de crescer e se há coisa que não lhe falta são sítios para comer e beber à grande. Temos já uma panóplia de bons restaurantes de peixe, de carne ou de comida do mundo que tornam possível comer de tudo um pouco sem sair do quarteirão. Decida onde vai almoçar ou jantar com esta lista dos melhores restaurantes no Cais do Sodré.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade