Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Os melhores filmes de 2019
Once Upon a Time in Hollywood 2

Os melhores filmes de 2019

À medida que o final do ano se aproxima, é altura de fazer o balanço dos melhores filmes de 2019

Por Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

O ano está quase a terminar, pelo que a lista dos melhores filmes de 2019 já não vai mudar muito. Mesmo assim, é certo e sabido que até ao final deste ano ainda se vão estrear mais dois ou três filmes que merecem ser observados com olhos atentos. De O Cavalheiro com Arma, de David Lowery, estreado logo em Janeiro, ao sublime Parasitas, do sul-coreano Bong Joon-ho, ou mesmo Passamos por Cá, o mais recente de Ken Loach, estes foram os melhores filmes que vimos nos cinemas portugueses em 2019, pela ordem em que se estrearam.

Recomendado: Os melhores filmes de 2018

Os melhores filmes de 2019

O Cavalheiro com Arma

5 /5 estrelas
Filmes Drama

Robert Redford encerra a sua carreira de actor no cinema em grande estilo, com uma última e inesquecível interpretação. Neste filme de David Lowery baseado em factos reais e passado no início de 80s, ele é Forrest Tucker, um assaltante de bancos septuagenário e cavalheiresco, interpretado por Redford usando toda a memória do seu passado cinematográfico, e com a economia
de gestos, palavras, expressões, comportamentos e emoções de um actor que já não tem nada a aprender, exibir ou provar. O Cavalheiro com Arma é o imenso adeus de uma das últimas lendas vivas do cinema.

O Culpado

4 /5 estrelas
Filmes Suspense

Um polícia, um telefone, um computador, uma chamada de emergência. É tudo o que o dinamarquês Gustav Moller precisa, no seu primeiro filme (que também escreveu, com Emil Nygaard Albertsen), para nos manter pendurados em suspense durante hora e meia. O realizador tira o máximo de efeito emocional e psicológico do mínimo de elementos, neste filme tensíssimo, controladíssimo, que evoca o inglês Locke, de Steven Knight, e tem uma reviravolta de abrir a boca.

Publicidade

À Porta da Eternidade

4 /5 estrelas
Filmes Drama

“O que é que você pinta?”, pergunta o internado num asilo ao debilitado, física e mentalmente, Vincent van Gogh, que responde: “A luz do Sol.” O que é uma excelente descrição para a pintura e o caminho escolhido por Julian Schnabel para traçar o retrato pungente e atormentado dos últimos dias do pintor holandês em À Porta da Eternidade. Uma jornada pelo interior do cérebro de um génio, ancorada na interpretação de Willem Dafoe, que se transforma completamente na personagem, com ela vivendo as dores, o isolamento, mas também a visão de quem procurava a luz perfeita como quem busca o seu Graal.

Correio de Droga

5 /5 estrelas
Filmes Drama

Clint Eastwood realiza e interpreta Correio de Droga, baseado numa história real que deu uma grande reportagem no The New York Times: a de Earl Stone, um veterano da II Guerra Mundial que aos 90 anos se tornou no mais valioso correio de droga de um cartel mexicano. Este enredo serve de mote para mais uma meditação sobre a velhice e a perplexidade perante o mundo contemporâneo. E é um filme moral mas não moralista.

Publicidade

A Favorita

4 /5 estrelas
Filmes Drama

O poder é como mel, 
seja para os homens, seja para
as mulheres. A Favorita, de Yorgos Lanthimos (Canino, A Lagosta) é a história real, embora com algumas liberdades e anacronismos, de duas mulheres, Lady Sara Churchill (Rachel Weisz) e Lady Abigail (Emma Stone), que lutaram sem quartel por um bocado desse mesmo poder, ao mais alto nível, junto da corte, na Inglaterra do início do século XVIII, disputando o exclusivo dos favores, da intimidade, da confiança e das prebendas da Rainha Ana (Olivia Colman), a última monarca da casa Stuart.

Todos Sabem

4 /5 estrelas
Filmes Drama

O oscarizado realizador iraniano Asghar Farhadi foi a Espanha filmar, com Penélope Cruz, Javier Bardem e Ricardo Darín à frente de um óptimo elenco, esta história que parecer ser, à superfície, um thriller sobre o rapto de uma adolescente numa vila castelhana. Mas este é, na realidade, o cabide narrativo onde Farhadi pendura o seu gosto pela observação e desmontagem meticulosa do desconcertante e imprevisível mecanismo de funcionamento das relações e dos conflitos humanos. A fita podia ser um pouco mais curta, mas a enorme qualidade da escrita, as interpretações e a inflexível tensão dramática que o realizador instala e não deixa afrouxar, compensam plenamente estas pequenas arestas.

Publicidade

As Cinzas Brancas Mais Puras

4 /5 estrelas
Filmes Drama

Passado entre 2001 e a actualidade, o filme documenta o efeito da acelerada e violenta transformação da China numa superpotência. Jia Zhangke desenvolve a história num quadro narrativo que comunga do policial e do melodrama tradicional, pondo em cena um mafioso (Fan Liao) de uma cidade do interior e a sua devotada namorada (Tao Zhao, mulher do realizador e sua actriz favorita), cujas vidas são radicalmente sacudidas por poderosas forças políticas, económicas e sociais que os rodeiam. Mas a grande história do país nunca se sobrepõe à das personagens.

John McEnroe - O Domínio da Perfeição

4 /5 estrelas
Filmes Documentários

O francês Julien Faraut foi resgatar dos arquivos um documentário didáctico em 16mm sobre John McEnroe feito nos anos 80, em Roland Garros, por Gil de Kermadec, então director técnico nacional do ténis francês, bem como imagens inéditas do mesmo, e construiu este filme sobre o irascível prodígio do ténis, ajudado por opiniões de Jean-Luc Godard e do crítico de cinema Serge Daney, ambos ferrenhos da modalidade. O resultado é um documentário inteligente, elegante e incisivo, que contraria ainda os habituais estereótipos e lugares comuns preguiçosos sobre o campeão americano dos courts.

Publicidade

Mirai

5 /5 estrelas
Filmes Animação

Mais uma delicadíssima, sumptuosa e divertida longa-metragem animada do japonês Mamoru Hosoda, que combina animação tradicional e efeitos digitais sem que se veja uma costura. Esta história de Kun, um menino de quatro anos que fica cheio de ciúmes e de raiva da irmã recém-nascida, anda para a frente e para trás no tempo, e ensina ao pequeno protagonista o significado e a importância que têm a memória e a continuidade familiar.

A Pereira Brava

5 /5 estrelas
Filmes Drama

O turco Nuri Bilge Ceylan filma uma história de frustração pessoal e de conflito entre um pai e um filho, numa vila da Anatólia, com o seu notável talento visual. A Pereira Brava é mais verboso do que o habitual em Ceylan, mas isso não afecta absolutamente nada este admirável filme, que tem mais de três horas mas nunca exaspera nem pesa no espectador.

Publicidade

Dumbo

4 /5 estrelas
Filmes Família e crianças

Nesta versão em imagem real e efeitos especiais do filme animado da Disney, Tim Burton manteve-se fiel ao essencial do clássico de 1941. O realizador evita uma aproximação verista à história, que poderia comprometer a credibilidade do elefantezinho voador e, através de uma leve estilização, transforma Dumbo numa fantasia de rosto realista.

Mr. Link

4 /5 estrelas
Filmes Animação

Chris Butler, o realizador de ParaNorman (2012) assina esta homenagem (e paródia) aos filmes de aventuras sobre explorações a lugares remotos ou míticos, que envolve Sir Lionel Frost, um aventureiro vitoriano, e o Pé-Grande, que se revela um monstro amigável e jovial. A animação é deliciosamente expressiva e o humor vai do nonsense à espirituosidade seca e ao slapstick.

Publicidade

3 Faces

4 /5 estrelas
Filmes Drama

O quarto filme rodado por Jafar Panahi à revelia das autoridades iranianas tem, de novo, o próprio realizador como protagonista. Panahi e a famosa actriz iraniana Behnaz Jafari metem-se num jipe e rumam à montanhosa região da fronteira com o Azerbaijão, para investigarem da veracidade de um vídeo que receberam, em que uma adolescente dali parece suicidar-se, ante a recusa da família em a deixar ser actriz. Com meios mínimos e baralhando mais uma vez a fronteira entre realidade e ficção, Panahi assina uma fita admirável sobre os absurdos da situação da mulher no Irão e sobre as carências.

Em Chamas

5 /5 estrelas
Filmes Suspense

Antonioni e Patricia Highsmith são dois dos nomes que podem vir à baila a propósito de Em Chamas, do sul-coreano Lee Chang-Dong, que se inspira num conto de Haruki Murakami, por sua vez inspirado por um outro de William Faulkner. Um filme enigmático, difuso e sinuoso que pode ser visto como um thriller movediço e ambíguo, com tempero de mal-estar existencial e de disfunções emocionais, mas também como uma história por onde passam vários dos problemas da Coreia do Sul de hoje e de uma nova geração de coreanos.

Publicidade

Verão

4 /5 estrelas
Filmes Drama

O realizador e encenador russo Kiril Serebrennikov evoca e celebra a sua geração neste filme ora melancólico, ora enérgico, passado na Leninegrado do início dos anos 90, quando dois grupos pop/rock de culto, os Zoopark de Mike Naumenko, e os Kino de Viktor Tsoi, faziam entrar alguma luz de alegria, agitação, revolta e esperança no quotidiano dos jovens. Verão é um filme político, mas não de forma estridente e óbvia, recriando, sem revanchismo e com delicadeza de toque e de sentimentos, esse tempo de declínio da URSS e do seu regime de cinzentismo totalitário.

A Vida Secreta dos Nossos Bichos 2

4 /5 estrelas
Filmes Animação

Esta continuação da longa-metragem animada de 2016 consegue ser-lhe superior. Os realizadores Chris Renaud e Jonathan del Val contam duas histórias em paralelo, uma envolvendo o cãozinho Max, o seu amigo Duke e a nova família da sua dona, Katie, durante uma visita ao campo; e a outra metendo ao barulho o frenético coelho Snowball, a cadelinha Gidget, Daisy, outra cadela, e um desvairado exército de gatos, que, na cidade, vão salvar uma cria de tigre presa num circo itinerante, e atam jubilatoriamente estes dois enredos no final da fita.

Publicidade

Toy Story 4

5 /5 estrelas
Filmes Animação

Há alguma coisa errada com o cinema de imagem real, quando é num filme animado digital que vamos encontrar uma história de angústia existencial que nos deixa emocional e psicologicamente arrasados (e também incomensuravelmente divertidos). Mas é isso que acontece, mais uma vez, em Toy Story 4, de Josh Cooley, uma história atarefadíssima mas brilhantemente arrumada e conduzida, que nos faz sofrer e vibrar com um conjunto de brinquedos criados por computador, como se fossem pessoas verdadeiras. Nunca mais vamos olhar para um garfo de plástico da mesma forma.

Na Sombra da Lei

4 /5 estrelas
Filmes Suspense

Mel Gibson e Vince Vaughn interpretam, neste filme de S. Craig Zahler (Bone TomahawkRixa no Bloco 99), dois polícias suspensos sem vencimento por terem alegadamente usado de excesso de força durante a prisão de um traficante de droga. Necessitados de dinheiro com urgência para prover aos seus, os polícias decidem assaltar um traficante de droga, mas este reuniu um bando para roubar um banco e eles surpreendem-no com a mão na massa. Há sombras de Sam Peckinpah, Don Siegel e Robert Aldrich neste policial de acção soturno, duríssimo, seco e fatalista, como Hollywood os fazia nos anos 70 e 80.

Publicidade

Variações

4 /5 estrelas
Filmes

João Maia estreia-se a realizar com esta biografia de António Variações, onde se concentra no “antes” da fama do compositor e cantor, que morreu faz agora 35 anos. O enredo decorre quase todo entre 1977 e 1981, quando Variações, então ainda António Ribeiro, era um barbeiro e uma figura excêntrica e vistosa de Lisboa e da noite que aspirava ser cantor. Alicerçado na soberba interpretação de Sérgio Praia, que se transmuta em António Variações, da voz ao modo de ser e estar, recriando a época de forma credível e fugindo a lugares comuns e tiques pop na forma e no discurso, Maia assina aqui um dos melhores filmes portugueses deste novo século.

Era Uma Vez em... Hollywood

5 /5 estrelas
Filmes Comédia

Hollywood, 1969. Leonardo DiCaprio é Rick Dalton, uma antiga vedeta da televisão que não consegue singrar no cinema, e Brad Pitt é Cliff Booth, o seu “duplo”, melhor amigo e fiel assistente, neste formidável novo filme de Quentin Tarantino. O realizador de Pulp Fiction e Jackie Brown conta uma história de amizade masculina sólida como betão, ao mesmo tempo que recria ao milímetro a Los Angeles de há 50 anos, onde viveu desde muito novo, exprime o seu amor pelo cinema, pela música pop, pela cultura consumista e pelos automóveis , e propõe um fim diferente para uma tragédia ocorrida em Agosto desse fatídico ano de 1969. Imperdível.

Publicidade

A Ganha-Pão

4 /5 estrelas
Filmes Animação

A irlandesa Nora Twomey assina esta longa-metragem de animação passada em Cabul, sob o regime talibã. Com o pai na cadeia, Parvana, uma menina de 11 anos, arrisca a vida fingindo que é um rapaz para poder sustentar a mãe e os irmãos. Saído dos estúdios que já nos deram The Secret of Kells e A Canção do Mar, A Ganha-Pão é uma história de coragem, sacrifício e desafio a um poder arbitrário, obscurantista e violento. Twomey enriquece o filme estilistica e esteticamente com a história que Parvana conta ao irmão mais pequeno, e que espelha a sua ao nível fantástico.

Dor e Glória

4 /5 estrelas
Filmes Drama

Um filme semi-autobiográfico, de enorme gravidade introspectiva e rememorativa, onde Antonio Banderas personifica Salvador Mallo, alter ego de Pedro Almodóvar, um realizador à beira dos 70 anos, afligido por uma série de dores físicas e existenciais, que julga ter deixado para trás os seus dias de glória e não tem mais disposição para escrever ou filmar. Banderas tem uma interpretação de grande reserva emocional e em meia-luz anímica nesta fita sobre a velhice e o agridoce passar em revista das memórias familiares, amorosas e profissionais, cheia de melancolia mas também de afectuosidade e ternura, e limpa de narcisismo e condescendência.

Publicidade

A Herdade

4 /5 estrelas
Filmes

Tiago Guedes filma em A Herdade uma história familiar robustamente romanesca, de amplo fôlego dramático e com músculo cinematográfico, bem ancorada na história portuguesa recente, apanhando o fim do antigo regime, a loucura revolucionária pós-25 de Abril e a acalmia democrática. Que é dominada por João Fernandes, uma personagem forte, carismática e trágica, um poderoso proprietário rural do Ribatejo. Albano Jerónimo, Sandra Faleiro e Miguel Borges, todos soberbos, encabeçam um elenco bem escolhido e dirigido, irrepreensível e homogéneo, dos papéis principais aos mais pequenos.

Lupo

4 /5 estrelas
Filmes

Pedro Lino investiga neste documentário a movimentada vida do realizador italiano Rino Lupo, que percorreu toda a Europa a filmar e esteve em Portugal nos anos 20, ainda no tempo do mudo. Aqui, Lupo rodou filmes relevantes, como Mulheres da Beira ou Os Lobos, e abriu uma escola de actores que Manoel de Oliveira chegou a frequentar. Um filme rigoroso e visualmente inventivo, em que Lino consegue desvendar lo mistério da morte de Rino Lupo, que tinha desaparecido misteriosamente na década de 30, algures na Europa que palmilhou de lés a lés a fazer cinema.

Publicidade

Midsommar – O Ritual

4 /5 estrelas
Filmes Terror

Depois do soturno, invernoso e sobrenatural Hereditário, Ari Aster assina aqui um filme de terror pagão passado no pino do Verão e todo à luz do dia. Um grupo de estudantes universitários americanos vai para a Suécia, assistir, numa comunidade rural, às celebrações do Solstício de Verão, mas aquilo que parecia ser umas férias idílicas transforma-se num pesadelo que brota do passado remoto e tradicional. Em Midsommar-O Ritual, o horror é lenta e pacientemente construído por Aster, num gradual mas seguro crescendo de inquietação e desconforto, sem sustos falsos nem sobressaltos gratuitos. Com a excelente Florence Pugh e Jack Reynor.

Parasitas

5 /5 estrelas
Filmes Drama

O sul-coreano Bong Joon-ho ganhou este ano o Festival de Cannes com este filme parte drama familiar de fundo social, parte comédia negra satírica, parte filme de terror "político", que põe em cena as tensões, idiossincrasias, desigualdades e fantasmas colectivos da Coreia do Sul. Uma família pobre que vive de pequenos trabalhos e esquemas consegue infiltrar-se na luxuosa casa de uma família rica e frívola, e tudo corre bem até a história dar uma reviravolta quebra-costas. Joon-hoo dá a esta história local uma ressonância universal, e passa em Parasitas uma visão pessimista da natureza humana.

Publicidade

Varda Por Agnès

4 /5 estrelas
Filmes Documentários

Podia chamar-se, em alternativa, Varda Explica e Decifra Varda, este último filme da realizadora, que morreu aos 90 anos em Março. Varda passa em revista e comenta a sua obra cinematográfica, fotográfica e as instalações, com uma enorme carga emocional, afectiva e íntima, trazida pelas riquíssimas memórias e recordações, profissionais, pessoais e familiares que lhe estão associadas. No discreto final, Agnès Varda desaparece na bruma de uma das suas queridas praias. Custa pensar que nos deixou, e não voltaremos a ver filmes seus.

Asako I & II

4 /5 estrelas
Filmes Drama

Ryusuke Hamaguchi, o realizador de Happy Hour: Hora Feliz, apoia-se aqjui num romance da sua compatriota Tomoka Shibasaki para assinar um filme sensibilíssimo, delicadamente elíptico e de grande decoro emocional sobre o confronto entre a idealização romântica e a realidade concreta e quotidiana da paixão e das relações sentimentais, e sobre os acasos, os inesperados, as ilusões e a componente racional do amor. E por Asako I & II paira, mesmo qua suavemente, a sombra de Vertigo.

Publicidade

O Traidor

4 /5 estrelas
Filmes Drama

Marco Bellocchio dá uma contribuição maior para o acervo de filmes, séries e telefilmes italianos sobre a Mafia, com esta obra sobre Tommaso Buscetta, um dos primeiros arrependidos da Cosa Nostra, a Mafia da Sicília, interpretado com magnífica sobriedade por Pierfrancesco Favino. Bellocchio mostra que, para Buscetta, o traidor não era ele, que se via como um mafioso à antiga, mas sim Totò Riina, o cruel líder da Cosa Nostra, que quebrou todos os códigos de comportamento da organização com os seus métodos sádicos e arbitrários, e recria o ambiente das prisões, dos julgamentos colectivos e das vendettas desses anos intensos de combate ao crime organizado em Itália.

Um Dia de Chuva em Nova Iorque

4 /5 estrelas
Filmes

Há quase dez anos que Woody Allen não filmava na sua querida Manhattan, e o regresso não podia ter sido mais auspicioso. Requintadamente fotografada pelo mestre Vittorio Storaro, Um Dia de Chuva em Nova Iorque é uma elegante, nevrótica, satírica e refrescante comédia romântico-sentimental que tem o ADN do realizador por toda a parte. Timothée Chalamet e uma hilariante Elle Fanning lideram um elenco onde ninguém dá um passo em falso e Allen celebra mais uma vez a sua cidade adorada, simultaneamente idealizada e real, entusiasmante e melancólica, onde as personagens tanto se podem apaixonar, andar num virote cómico ou receber uma lição de vida.

Publicidade

Le Mans '66: O Duelo

4 /5 estrelas
Filmes Acção e aventura

James Mangold realiza esta fita que recria o célebre duelo travado entre a Ford e a Ferrari pela supremacia nas pistas de corrida americanas e europeias, e muito em especial pela vitória nas 24 Horas de Le Mans. É uma celebração da velocidade, da competição e da excelência técnica e humana, com Christian Bale muito bem no castiço piloto ingles Ken Miles, um sobredotado da mecânica e da condução, e o mortiço e deslavado Matt Damon a fazer de Carroll Shelby, o antigo piloto e construtor independente a quem a Ford confiou o aperfeiçoamento do lendário GT40, que em 1966 alcançaria os três primeiros lugares em Le Mans.

Frozen II - O Reino do Gelo

4 /5 estrelas
Filmes Animação

A continuação do descomunal sucesso da Disney é uma história de "origens" em que Elsa, Anna, Olaf, Kristoff e Sven têm que fazer uma viagem a uma floresta encantada para encontrarem respostas sobre o passado das duas irmãs e os poderes da rainha, e salvarem Erendalle da destruição. A história é mais complexa que a do filme original e a animação é estupenda, na linha clássica da Disney. E os realizadores repetentes Chris Buck e Jennifer Lee não resistem a dar aqui a Elsa um polimento de super-heroína da Marvel.

Publicidade

Passamos por Cá

4 /5 estrelas
Filmes Drama

No seu pior, Ken Loach é demagógico, tendencioso e simplista. No seu melhor, como é o caso de Passámos por Cá, é frontal, justo e justificadamente indignado e maneja o realismo social como mais nenhum realizador. Escrito como sempre por Paul Laverty, o filme é o aflitivo e inglório espectáculo de uma família de Newcastle enredada em dívidas e ameaçada de desintegração, e que quanto mais se esforça para se livre delas, mais acumula. Sobretudo o pai, que arranja um emprego como franquiado de uma empresa de entrega de encomendas, que se revela uma forma moderna de escravatura laboral sob a capa de trabalho independente.

O Irlandês

5 /5 estrelas
Filmes Drama

Em O Irlandês, o Scorsese de Tudo Bons Rapazes e Casino encontra o Scorsese de A Última Tentação de Cristo e Silêncio. Na hora da despedida a uma geração extinta de mafiosos, a sobreexcitação visual e a violência espectacular são substituídos pela calma, pela compostura, pela melancolia, pelo peso do tempo, pela agonia moral e pelo sentimento de culpa. Com Robert De Niro no papel de Frank Sheeran, o irlandês do título, e também Al Pacino num Jimmy Hoffa espalha-brasas e Joe Pesci surpreendente num chefe mafioso todo ele ponderação, bom senso e discrição.

Publicidade

Graças a Deus

4 /5 estrelas
Filmes Drama

Os escândalos de pedofilia que têm atingido a Igreja Católica transformaram-na num alvo enorme, parado e fácil para escritores, humoristas, caricaturistas e cineastas. Em Graças a Deus, François Ozon dá forma cinematográfica a um desses escândalos, que está ainda actual em França. Mas não quer fazer tiro ao alvo ou praticar o sensacionalismo indignado, antes pôr em cena a complexidade das situações humanas e das emoções e sentimentos que foram acordadas por ele. Sem deixar de expor o silêncio, a negação, o atabalhoamento e as hesitações da Igreja perante o fenómeno.

A Ovelha Choné - O Filme: A Quinta Contra-Ataca

5 /5 estrelas
Filmes

A segunda longa-metragem da Ovelha Choné é parte paródia genial à ficção científica pós-Guerra das Estrelas, parte comédia burlesca, combinando a animação fotograma a fotograma, marca criativa dos estúdios Aardman, e efeitos digitais, sem que fique uma suspeita de costura a ver-se. Um extraterrestre aterra junto da quinta Mossy Bottom e Choné e companhia vão ajudá-lo a voltar para casa e evitar que seja capturado. É o filme de animação do ano, a comédia do ano, a aventura de ficção científica do ano e a produção de temática rural do ano. Simplesmente méééééééravilhoso.

Mais e melhor cinema

Clássicos de cinema para totós

Filmes

Farto de não fazer ideia do que falam os cinéfilos à volta? Cansado de se perder em referências desconhecidas quando se fala de cinema? A Time Out quer resolver esse problema.

Publicidade
Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade