Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Oito filmes a não perder no Queer Lisboa
Los Fuertes
CINESTACIóN Los Fuertes

Oito filmes a não perder no Queer Lisboa

O festival de cinema mais antigo da cidade está de volta ao Cinema São Jorge.

Por Clara Silva
Publicidade

Com lugares marcados, máscaras obrigatórias e lotação reduzida, o Queer Lisboa consegue marcar presença na cidade em plena pandemia. “O que seria um festival de cinema queer online? Como poderia ser transposta uma experiência por natureza comunitária, para o isolamento de uma casa, frente ao ecrã?”, pergunta o director do festival, João Ferreira.

“O Queer Lisboa e o Queer Porto, neste ano atípico, celebram o presente e recusam terminantemente o ‘distanciamento social’. Celebram a presença, a corporalidade, mas também o medo e o risco.”

A 24.ª edição presencial, no Cinema São Jorge e com direito a uma sessão especial na esplanada da Cinemateca, traz centenas de filmes de temática queer, do activismo LGBT na Chechénia ao retrato de uma criança transgénero – escolhemos oito, para lhe facilitar a vidinha.

Recomendado: Finalmente, reabriu o Finalmente

Oito filmes a não perder no Queer Lisboa

1. Los Fuertes

O filme do chileno Omar Zúñiga foi o escolhido para abrir a edição deste ano do Queer Lisboa.  A história é a de Lucas, que viaja para o sul do Chile para visitar a irmã e acaba por se apaixonar por António, contramestre de uma embarcação local. Los Fuertes ganhou este ano o Grande Prémio do Júri no OutFest, festival de cinema LGBT de Los Angeles.

Sexta, 18, às 21.00, e domingo, 20, às 16.00, no Cinema São Jorge.

2. Vento Seco

Um dos oito filmes na competição de longas-metragens, do brasileiro Daniel Nolasco, é um “retrato prodigioso de um lugar onde ainda soam baladas sertanejas e a identidade gay é mal tolerada”. Passado numa pequena cidade no interior de Goiás, acompanha a vida de Sandro, o seu relacionamento com Ricardo, colega de trabalho, e um novo e misterioso rapaz, Maicon, que desperta o seu interesse. O filme estreou-se em Fevereiro no Festival de Cinema de Berlim.

Sábado, 19, às 22.00, e terça, 22, às 19.30, no Cinema São Jorge.

Publicidade
Queer Genius
Queer Genius
DR

3. Queer Genius

Há oito filmes de várias temáticas na competição documental do Queer Lisboa. Um deles, Queer Genius, de Chet Catherine Pancake, traça o retrato de cinco artistas experimentais queer: a cineasta Barbara Hammer (morreu o ano passado), a poetisa Eileen Myles, o colectivo Futurism Black Quantum (do qual faz parte a música e activista Moor Mother e a advogada e artista Rasheedah Phillips) e também a performer Jibz Cameron. O filme analisa as suas vidas criativas, os desafios que enfrentaram e deixa uma provocação: “O que é o génio?”

Sábado, 19, às 21.30, no Cinema São Jorge.

4. Welcome To Chechnya

Também na competição de documentários, Welcome To Chechnya acompanha um grupo de activistas que arriscam a vida para enfrentar a campanha anti-LGBTQI+ na Chechénia. O documentário da HBO, realizado por David France (também realizador do documentário sobre a activista trans Marsha P. Johnson, A Vida e Morte de Marsha P. Johnson, disponível na Netflix), estreou-se no Festival de Sundance. Em Berlim, ganhou o prémio Teddy para filmes LGBT. O realizador recorreu a técnicas digitais para modificar a cara dos intervenientes e protegê-los de perseguições. O filme foi realizado em segredo, com câmaras ocultas, GoPros e telemóveis.

Domingo, 20, às 19.00, e quinta, 24, às 16.00, no Cinema São Jorge.

Publicidade

5. Judy versus Capitalism

Na secção Queer Art, “para dar a conhecer e reflectir sobre um cinema mais experimental e até disruptivo” há oito filmes em competição. Este, do canadiano Mike Hoolboom, centra-se na figura da sua amiga, a feminista, activista e jornalista Judy Rebick, uma das representantes do Canadá mais progressista desde a década de 70. Filmado em Super8, é ao mesmo tempo um retrato sobre a saúde mental.

Quinta, 24, às 21.30, no Cinema São Jorge.

6. #cruising

Este ano, a secção Queer Focus tem seis programas distintos, cada um dedicado a um tema: #cruising, #skin, #bodies, #sex, #memory e #play. Na secção dedicada ao cruising, um tema que “ganha uma renovada dimensão no contexto da pandemia, onde se evidencia a necessidade de encontrar espaços onde o desejo sexual encontre permissão entre aqueles que o procuram e que sentem a necessidade de o experienciar mesmo que contra as normas”, vão ser exibidos cinco pequenos filmes: Bodies without Bodies in Outer Space, Fuck Tree, Sodom, GUO4 e Afterimages.

Segunda, 21, às 18.00, no Cinema São Jorge.

Publicidade

7. Race d’Ep!

Numa sessão especial na esplanada da Cinemateca será exibido este filme documental de 1979, de Lionel Soukaz e Guy Hocquenghem, que faz a história da homossexualidade moderna ao longo do século XX, desde os primórdios da sexologia e os nus do Barão von Gloeden, até ao ativismo gay e cruising nas ruas de Paris. O filme inspira a exposição com o mesmo nome de João Pedro Vale e Nuno Alexandre Ferreira, para ver entre 23 de Setembro e 23 de Outubro na galeria da Stolen Books, na Avenida Estados Unidos da América.

Terça, 22, às 21.30, na esplanada da Cinemateca Portuguesa.

8. Petite Fille

O Queer Lisboa termina a 26 de Setembro com a exibição de Petite Fille, de Sébastien Lifshitz. O documentário, filmado ao longo de um ano, acompanha a vida de Sasha, de 7 anos, que sempre soube que era uma menina, mesmo tendo nascido rapaz.  A sua família tenta que a escola reconheça a sua identidade de género. Foi apresentado no Festival de Cinema de Berlim, onde obteve boas críticas. A revista Les Inrockuptibles considerou-o mesmo “uma das imagens fortes do festival.”

Sábado, 26, às 21.00, no Cinema São Jorge.

Outras sugestões

Purex
Fotografia: Ana Luzia

Os melhores bares gay de Lisboa

Noite

Os primeiros bares gays em Lisboa começaram a espreitar pela fresta do armário nos anos 60. Hoje, os dedos de duas mãos não chegam para os contar. Este é só um sinal de que a cidade está cada vez mais arejada e pronta para acolher toda a gente. De quartos escuros a bares fetichistas, sem esquecer discotecas onde se dança nu e terminando nos melhores sítios para beber um copo ao fim do dia. Para que as suas noites sejam sempre arco-íris e nunca cinzentas, preparámos-lhe uma lista com os melhores bares gay em Lisboa.

Incógnito
Fotografia: Ana Luzia

Discotecas em Lisboa. Quando cai a madrugada na cidade

Noite

Instituições lendárias que já conheceram diferentes encarnações e formatos, em busca de um lugar ao sol (ou ao luar, para sermos mais rigorosos). Quando cai a noite na cidade, e a jornada nocturna se arrasta como manda o figurino, a peregrinação de foliões passa necessariamente por aqui. E é por isso que não o queremos por aí à deriva, inquieto sobre onde deve rumar. Do epicentro da agitação aos redutos em zonas mais periféricas da cidade, eis uma mão cheia de destinos cada vez mais centrais na agenda de qualquer alfacinha que só vai para a cama depois do sol romper. 

LGBTambém lhe pode interessar

Call Me By Your Name
©IMDB

Os melhores filmes gays

Filmes

Nas últimas décadas, o preconceito parece ter-se esbatido. Não é que a posição da indústria em relação ao assunto seja unânime, mas há cada vez mais espaço para grandes histórias que, numa outra altura, teriam ficado arquivadas na gaveta. Ainda bem que assim o é, caso contrário, títulos como Felizes Juntos, de Wong Kar-Wai, Os Rapazes Não Choram, de Kimberly Pierce, ou Moonlight, de Barry Jenkins, nunca teriam chegado à tela. Na lista abaixo estão 13 filmes gays essenciais a qualquer cinéfilo, mas há sempre espaço a mais.

Filme, Cinema, Green Book - Um Guia para a Vida (2018)
©Ascot Elite

Filmes gays nos Óscares: os mais marcantes a concorrer à estatueta dourada

Gay

É uma época de ouro para o cinema LGBTI+. Filmes como Moonlight, Chama-me Pelo Teu Nome ou Um Homem Singular trouxeram uma representação muito necessária para o grande ecrã, ao mesmo tempo que proporcionam experiências cinematográficas surpreendentes. A democratização das questões de género e da orientação sexual é um tópico que ganha cada vez mais força e a Academia vai reconhecendo o talento — ainda que a plenitude ainda não tenha sido alcançada. Saia do armário connosco, instale-se confortavelmente no sofá e recorde os filmes gays que marcaram os Óscares.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade