O melhor de Monsanto para os miúdos

Quatro ideias para entreter os nossos futuros pagadores de impostos em Monsanto.

Fotografia: Arlindo Camacho

O quarto dos brinquedos virado do avesso, os miúdos à bulha, a televisão aos gritos. O cenário é-lhe familiar? A solução é arrancá-los de casa. No pulmão verde da cidade, não faltam lugares para entreter os mais novos e deixá-los tão cansados, tão cansados, que no regresso a casa nem têm energia para desarrumações ou discussões. Descubra o melhor de Monsanto para os miúdos.  

O melhor de Monsanto para os miúdos

Deixe-os no Parque da Serafina

Lembram-se de quando os parques infantis eram complexas armadilhas de ferro e gravilha que obrigavam os nossos pais a confirmar se tínhamos a vacinas do tétano antes de nos mandarem para lá? Esses tempos já lá vão. O Parque Recreativo do Alto da Serafina é um moderno e bem equipado parque infantil, a milhas de distância das estruturas patrocinadas pelo Betadine de outros tempos. Tem os clássicos escorregas e baloiços, uma zona de diversão para catraios realmente pequenos (até cinco anos) e outra para os crescidões (6-12), uma escola
de condução para garotos, um labirinto,
um parque aventura e tendas de índios – razão pela qual este também é conhecido como Parque dos Índios. Para os adultos aborrecidos, dois factos interessantes: o Parque da Serafina tem um marco geodésico, assinalando uma das partes mais altas de Monsanto, e uma pérgula – isso mesmo, não 
é um terraço nem um caramanchão, é uma pérgula.

Ler mais
Benfica/Monsanto

Beba um copo enquanto eles brincam no HelloPark

É a mais recente estrutura de entretenimento infantil em Monsanto – em Lisboa, vá. Tem uma estrutura de arborismo, uma parede de escalada, um anfiteatro e insufláveis. Serve sobretudo para receber festas de anos (15€ por criança), actividade radical que parece estar a tornar-se cada vez mais competitiva em Lisboa. A entrada em circunstâncias normais (sem aniversário) custa 7€ por minipessoa na primeira hora e 3€ nas horas seguintes. Os pais podem ir sentar-se no Green House, o bar exactamente ao lado do Hello Park, que pertence ao mesmo dono do reputadíssimo Cinco Lounge.

Ler mais
Benfica/Monsanto
Publicidade

Ponha-os a correr no Parque Infantil do Alvito

Infelizmente não é possível largar as crianças aqui e vir buscá-las quando tiverem idade para votar. Mas ao menos os pais podem 
ter uns minutos de descanso enquanto as suas crias lutam por um lugar no baloiço. Desenhado pelo arquitecto Keil do Amaral, 
é um dos parques mais antigos de Lisboa, famoso, à data da sua inauguração, por ter 
um avião e um eléctrico verdadeiros como elemento decorativo e de diversão. Agora 
há tendas, um comboio e uma caravela de madeira e todo o tipo de equipamentos novos, devidamente homologados pela União Europeia. Há ainda uma zona de merendas, um café com esplanada e um campo de futebol.

Ler mais
Alcântara

Veja-os aprender no Espaço Biodiversidade

Esta é a parte mais bem preservada de Monsanto. Aquela que corresponde de forma mais fidedigna ao que seria aquele local sem
 a intervenção do homem. Por isso as visitas
 e os acessos são limitados: é preciso marcar com antecedência (2,10€ por pessoa) para participar um passeio com guia. A fauna e a flora do Parque estão em destaque neste espaço onde pode encontrar ainda um lago artificial, uma torre de observação da natureza, uma antiga mina de água, um viveiro pedagógico 
e muito mais. As visitas duram entre uma e duas horas e são de marcação obrigatória pelo e-mail:monsanto@cm-lisboa.pt.

Ler mais
Sete Rios/Praça de Espanha
Publicidade

O pulmão verde da cidade

10 coisas que não sabe sobre Monsanto

Que é uma arena de piqueniques, um megapavilhão polidesportivo sem tecto e o destino de eleição para apreciadores de baloiços e escorregas, toda a gente sabe. O que quase ninguém sabe sobre Monsanto é isto.

Ler mais
Por Luís Leal Miranda

Quatro miradouros em Monsanto

Do novíssimo Panorâmico de Monsanto (na verdade com quase meio século), ao meio escondido miradouro Keil do Amaral, vale a pena descobrir as vistas sobre Lisboa sem sair do pulmão verde da cidade.  

Ler mais
Por Luís Leal Miranda
Publicidade

Comentários

0 comments