Os melhores restaurantes para crianças em Lisboa

Dizemos-lhe quais os melhores restaurantes para uma refeição em família sem que os miúdos se aborreçam
Doca de Santo
Manuel Manso Doca de Santo
Por Editores da Time Out Lisboa |
Publicidade

Não se preocupe se o restaurante tem ou não menu infantil, embora a maioria tenha – mas isso é só um pormenor e os miúdos nem sequer vão aguentar muito tempo sentados. Se quer comer fora, sem confusões, faça como nós; procure outros pontos de interesse e tenha em conta a facilidade de manter as pestinhas debaixo de olho. Seja ali ao lado ou mesmo na mesa. Em Lisboa não faltam restaurantes amigos da família, seja com menus especiais ou apenas com um espaço dedicado aos mais pequenos. Estes são os melhores restaurantes para crianças em Lisboa.

Recomendado: 101 coisas para fazer com crianças em Lisboa

Pizzamaníacos

A Carpintaria
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Italiano

A Carpintaria

icon-location-pin Cais do Sodré

O negócio da família sempre foi a carpintaria. Era assim com o pai de Alberto, que tinha uma oficina na Margem Sul, e com Alberto, que sendo projectista volta e meia se apanha a mexer em madeiras. É em homenagem ao negócio que abriu A Carpintaria, um restaurante de comida italiana e com música ao vivo no Cais do Sodré. Tem um menu especial para crianças e as que tiverem menos de 6 anos não pagam e podem escolher o seu prato em encargo para os adultos – ora uma pizza ou uma esparguete à bolonhesa.  

Jamie's Italian
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Italiano

Jamie's Italian

icon-location-pin Princípe Real

Jamie Oliver tem cinco filhos e há muito que é conhecida a sua preocupação com a alimentação dos mais pequenos, e não é de estranhar por isso o atendimento especial dado às crianças no novo restaurante do chef britânico que abriu no Príncipe Real – o primeiro em Portugal. O menu dos miúdos é uma folha com um desenho, que vem acompanhada por uma pequena caixa de lápis de cera, tal como acontece em todos os seus restaurantes. E se eles não sabem ler é dar-lhes para a mão o visualizador de imagens 3D e deixá-los escolher o prato pelas fotografias – é certo que se vão divertir.

Publicidade
Pizza Primavera, Casanova
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes

Casanova

icon-location-pin São Vicente 

Já todos sabemos que as pizzas são mesmo boas e que (infelizmente) há quase sempre fila à porta... A parte boa é que a cozinha abre às 12.30 e não pára durante a tarde inteira, a permitir refeições fora de horas. No menu, há uma massa per bambini, com fiambre e natas, mas é das pizzas que eles gostam mais, o que torna ainda mais difícil dizer sim à sobremesa, quando suplicam para experimentar a focaccia de Nutella – mesmo que seja a dividir. Os miúdos acham graça às lâmpadas vermelhas com interruptor com que chamam os empregados, mas não tanto às mesas corridas, com pouco espaço para circular à volta: prolongar o tempo da refeição é, por isso, de evitar.

In Bocca Al Lupo - Gorgonzola & Pêra
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes

In Bocca al Lupo

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

É o único restaurante da cidade sobre o qual um crítico da Time Out escreveu a meias com duas crianças. O resultado? Cinco estrelas. E não, não é porque a comida é infantil: é porque é genuinamente boa, italiana a preceito, e os gaiatos não ligam ao nome do chef nem à origem certificada dos produtos. E ainda que ligassem ficariam a saber que tudo aqui é feito por mãos conhecedoras com produtos biológicos, a começar na massa das pizzas (também há versão sem glúten). Acresce que, no primeiro turno de jantares, o restaurante é povoado de famílias com miúdos que, além das óptimas pizzas e pastas, procuram um espaço child- friendly, onde eles se podem entreter ver a massa fina ser estendida à frente dos olhos e depois enfiada no forno de pedra.

Publicidade
Mercantina Alvalade - Sala
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes

Mercantina Alvalade

icon-location-pin Alvalade

Este restaurante operou uma pequena revolução em Alvalade. Primeiro porque trouxe uma nova massa de pizzas para a mesa, de tradição napolitana, mais fofa, mas fina; segundo porque usa o Ferrari dos fornos para as cozer, com selo Stefano Ferrara, feito em Nápoles, e com pedra vulcânica na base, onde a pizza está entre 60 e 90 segundos; último porque não só serve os clássicos das pizzarias, margherita, marinara ou diavola, como outros pratos italianos assinados pelo chef genovês Giorgio Damasio. Para os gaiatos, há um menu especial e amigo da sua carteira: até aos dez anos cada prato principal (mais bebida) é grátis – por cada criança acompanhada por um adulto. Mas atenção que esta c só é valida ao almoço de segunda-feira a domingo e ao jantar de domingo a quinta-feira. Não faltam ainda jogos e passatempos para eles se entreterem enquanto aproveita a refeição. 

 

a mesa
©DR
Restaurantes, Italiano

A Mesa

icon-location-pin Alcântara

A cadeira de barbeiro e o telefone de disco preto à entrada aguçam o apetite dos mais novos para explorar os brinquedos vintage em que é permitido mexer. As pizzas têm nomes de bairros da cidade e combinações improváveis, mas Ana Sotto Mayor explica que, apesar das opções mais simples, os miúdos de hoje têm o paladar apurado e gostam cada vez mais de arriscar. “Muitos já pedem a Bairro Alto, com pepperoni picante e adoram, ou às vezes, a Lisboa, com bacalhau, coisa que há uns anos não acontecia”, explica. A principal regra da casa é explicada à entrada: a pizza come-se com a mão!

Publicidade
Restaurantes

Luzzo

icon-location-pin Avenida da Liberdade/Príncipe Real

Para acompanhar as pizzas gourmet, cozidas em forno de lenha, em Junho chegam os cocktails infantis e, durante todo o Verão, os miúdos podem escolher sofisticadas combinações de sumos de fruta. Os mais gulosos vão adorar – um deles leva marshmallows – mas há opções mais saudáveis e convém aos pais saber que no fim também há gelados (e sabores como pastilha elástica ou Nutella, os que eles obviamente vão querer). Na pizzaria Luzzo, os pedidos fazem-se em tablets, as crianças são bem-vindas e os pais podem relaxar. A hora do café não traz dramas: no pátio do exterior há uma casinha com ferramentas, brinquedos e uma cozinha de faz-de-conta.

Viajados & Curiosos

Everest Montanha - Sala
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Nepalês

Everest Montanha

icon-location-pin Alvalade

É um restaurante simples, acolhedor, com preços moderados e que fica fora da movida, pelo que é fácil estacionar por ali, nas traseiras da Avenida do Brasil, o que quase sempre agrada aos pais. Mas a grande mais-valia do Evereste Montanha de Alvalade é mesmo a comida. O paladar da cozinha nepalesa e indiana está lá e na cozinha não se carrega demasiado no picante, o que faz do restaurante uma boa opção para iniciados e crianças mais sensíveis a especiarias. Para beber, ninguém resiste ao clássico Lassi de manga (os shots verdes de licor de meloa, no final, são só para os pais). 

Bonsai
© Ana Luzia
Restaurantes, Japonês

Bonsai

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

Se a ideia é ter uma experiência oriental, é melhor ligar antes e reservar uma das salas com mesas baixas, para poder comer sentado em banquinhos quase ao nível do chão. Na ementa do chef Lucas não há opções infantis, mas na cozinha do Bonsai estão habituados a pedidos com menos wasabi e até já sabem de cor as especialidades que os miúdos gostam mais: os onigiri, bolas de arroz recheadas de salmão com menta japonesa, e as espetadinhas de frango yakitori. Os adolescentes arriscam mais e não dispensam os tradicionais bolinhos de massa recheados com polvo picado e molho takoyaki, para entrada. À sobremesa, os gelados são uma opção transversal, nos sabores clássicos do Japão: sésamo, chá verde e feijão azuki.

Publicidade
Il mercato
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes

Il Mercato

icon-location-pin Avenida da Liberdade/Príncipe Real

As massas frescas são a mais recente aposta do chef Tanka Sapkota e os miúdos vão adorar a ideia de poder combinar o próprio prato. Há 20 tipos de pasta na carta, no balcão estão nove prontas a sair e as sugestões de molhos variam todos os dias – atenção aos mais indecisos, que podem precisar de orientação. No restaurante, que é também um mercado italiano, há ainda delícias raras para provar, como a mozzarella fresca de Salerno e os enchidos de Zibello, que chegam de avião duas vezes por semana. Mas não menos importante é a localização: não passam carros por ali e no Páteo Bagatela até dá para andar de patins.

Sala Thai
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Tailandês

Sala Thai

icon-location-pin Campo Grande/Entrecampos/Alvalade

A música que se ouve à chegada não deixa margem para dúvidas: chegámos à Tailândia e nem precisámos de sair de Lisboa. Na carta não faltam sopas e outras especialidades que dão fama à cozinha tailandesa. Os miúdos não resistem à Phad Tai, a massinha frita de arroz, ou ao Khao Phad Gai, arroz frito com galinha. Mas também provam do prato colorido dos pais e pedem para voltar para testar o palato, com sabores mais ácidos e picantes do que os que estão habituados em casa e na escola. A palavra de ordem no Thai: deixá-los experimentar.

Carnívoros

Butchers - Bife
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes

Butchers

icon-location-pin Parque das Nações

É melhor estudar bem a lição porque as crianças vão querer saber o que é isso da carne maturada. E para os mais curiosos não chega dizer que é mais macia. Eles vão pedir pormenores sobre o processo enzimático que se obtém quando os cortes são mantidos em ambientes de temperatura e humidade controlada por 35 dias e querer perceber como os ácidos libertados durante esse período fazem diminuir o PH da carne. Até porque é isso mesmo que faz a diferença no prato, mesmo quando se pede um hambúrguer ou uma picanha. Além das batatas fritas de batata-doce, claro...

Adega das Gravatas
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Português

Adega das Gravatas

icon-location-pin Carnide/Colégio Militar

As centenas de gravatas penduradas nas traves de madeira do tecto já fazem parte da imagem de marca do restaurante, que se tornou um clássico lisboeta. Mas depois de olhar para cima, é no prato que os mais novos se vão fixar, mesmo que se fiquem pelo tradicional bitoque ou bife grelhado. Para miúdos “carnívoros” há ainda outra especialidade divertida: o bife na pedra. Lugar com sucesso garantido, para crianças e não só: muitos lisboetas e turistas apreciam o espaço e aos fins-desemana a fila é interminável. Não arrisque aparecer sem marcar.

Publicidade
B' Perfect Burguers
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes

B' Perfect Burgers

icon-location-pin Avenidas Novas

O jardim da Praça de Londres fica logo ali, um ponto a favor para os pais de miúdos que não querem ficar sentados o almoço inteiro (que são 99%, vá...). Depois, os hambúrgueres estão entre os melhores da cidade – no TOP3 da Time Out Lisboa – por vários motivos: o pão é leve q.b., a carne surge tostada na medida certa e as batatas fritas às rodelas com ervas são de comer e chorar por mais. Para beber, há limonada e sumo de morango caseiro e no fim, como não podia deixar de ser, os gelados dominam, com sabores originais como baba de camelo e after eight. 

Peixinhos da horta do Páteo do Petisco
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Petiscos

Páteo do Petisco

icon-location-pin Cascais

Famílias mais ou menos numerosas vão em romaria ao Pátio do Petisco. O primeiro espaço, na Torre, continua a ser o mais concorrido, mas o do Mercado da Vila tem oferta semelhante e é igualmente amigo das crianças, com bitoque de frango como sugestão de repasto e lápis de cor como opção de diversão à mesa. As duas varandas (a que dá para o recinto do mercado e a que dá para a rua) são compridas, perfeitas para corridas e brincadeiras enquanto os pais petiscam.

Vegetarianos

PSI
© Arlindo Camacho
Restaurantes, Vegetariano

Psi

icon-location-pin Lisboa

Os roti, especialidade indiana de pão sem fermento feito na chapa, fazem quase sempre sucesso. Depois, há os hambúrgueres de vegetais e feijão, os pratos de seitan e tofu... Um sem número de opções preparadas pelo chef Yasser Saiyad, para fazer acompanhar os sumos naturais feitos na hora. O Psi é sem dúvida um vegetariano com paladares à medida dos mais pequenos, mas não é só por isso que as famílias o adoram. Vive numa casa com jardim e no exterior, o pavilhão envidraçado permite estar confortavelmente sentado à mesa sem perder de vista o parque infantil.

terra, restaurante
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes, Vegetariano

Terra

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

As salas e salinhas do prédio pombalino do Príncipe Real agradam aos crescidos, mas é na esplanada do jardim, debaixo da copa das árvores e perto da fonte, que as crianças mais gostam de ficar. Na carta do chef Luciano Cruz o biológico é a regra, quase tudo é vegan, e não custa dar-lhes liberdade de escolha para se servirem no buffet. No Terra, não há um menu infantil, mas ao fim-desemana os mais pequeninos não pagam. Na mesa não faltam pizzas e massas, e é ver os mais autónomos chegar com o prato cheio, onde quase nunca faltam croquetes, também feitos de vegetais, claro. O buffet é variado e ao lado do caril, dos couscous e das bruschettas, costumam estar pataniscas com arroz de tomate e pimentos ou cogumelos à Bulhão Pato.

A Time Out diz

Salta-pocinhas

Cafetaria Village Underground
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes

Buzz Lisboeta

icon-location-pin Alcântara

A cafetaria do Village Underground é agora o Buzz Lisboeta e tem outro homem do leme, Frederico Nobre Leitão. Ainda há brunch ao fim-de-semana, agora com o pão da Gleba. São permitidas bolas, bicicletas e patins, há por ali um baloiço, uma cama de rede e, aos domingos, muitas vezes há até um insuflável para saltar. O espaço assume-se também como “pet friendly”: as crianças podem trazer os animais, desde que não se esqueçam da trela. Ao longo do ano, há actividades para os mais novos, feiras e mercados, algumas com pinturas faciais, animadores e outras atracções.

Cafeteria Gulbenkian pelo Chef Miguel Castro Silva.
©Jorge Simão
Museus

Cafetaria da Gulbenkian

icon-location-pin São Sebastião

O jardim dispensa apresentações e não é preciso lembrar que os mais pequeninos, que não resistem às correrias pelos cantos e recantos do espaço, deliram com os patos e peixes do lago (não se esqueça de levar pão) e ainda jogam à bola ou podem andar de triciclo. A novidade é que o chef Miguel Castro e Silva tomou conta da cafetaria do museu, introduziu serviço de mesa depois do pré-pagamento e acabou com o tormento dos pais de tabuleiro na mão à espera de um lugar para sentar. Na ementa, além dos já conhecidos bacalhau à Brás e polvo provençal, há outras especialidades do chef e uma grande variedade de pastéis salgados. Se ainda não reparou – embora essa alteração seja anterior – fique também a saber que a grade que separava as mesas da esplanada da relva em frente já lá não está, uma bênção para os pais.

Publicidade
Doca de Santo
Manuel Manso
Restaurantes

Doca de Santo

icon-location-pin Alcântara

As Docas são sempre local de romaria e a Doca de Santo é perfeits para ir em família, até porque tem uma zona de infantil bem grande e uma esplanada que quase parece um jardim onde os garotos podem correr à vontade e estacionar as bicletas – que este é o sítio ideal para ir sob rodas. Além de pratos internacionais, como ceviches, tártaros, boas chamuças e caris, há risoto de cogumelos e o bife à Doca de Santo de sempre.  

Esplanada da Mata
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes

Esplanada da Mata

icon-location-pin Alvalade

É um dos segredos mais mal guardados de Lisboa, até porque a maioria dos pais que por ali passa acaba quase sempre por voltar. O menu é limitado e a maioria das opções tem ingredientes de sabor intenso – como queijo da ilha ou pimentos – que podem não agradar aos mais novos. Mas é tudo tamanho XL – ideal para dividir – e também há hambúrgueres e snacks mais simples. A envolvente compensa: o quiosque fica mesmo ao lado do parque infantil e à volta não faltam árvores e espaço para brincar e explorar.

Outras atracções para miúdos

Maria do Mar Shop
Fotografia: Arlindo Camacho
Miúdos

As melhores lojas para crianças em Lisboa

Não se faça de difícil: visitar lojas de crianças não é um pesadelo assim tão horrível – a maioria dos pais até gosta. Afinal, qual é o coração empedernido que resiste a um vestido cheio de laços e folhos, ao triciclo de madeira ou àquele papel de parede com estrelinhas a fazer pendant com as cortinas? A Time Out foi à procura das melhores lojas para crianças em Lisboa. Chegou a casa com a conta depenada e o coração cheio.

Publicidade
Actividades para crianças no Museu Berado
©Museu Berardo
Miúdos

Museus para crianças em Lisboa? São mais que as mães e bem divertidos

É uma grande injustiça dizer que a palavra museu cheira a mofo. Mas se começou por arrastar os miúdos para uma exposição interminável que só interessou aos pais... é bem possível que o programa enfrente alguma resistência. Não desanime. Fomos à procura dos melhores museus para crianças em Lisboa. Para ir ao passado e ao futuro, sem sair do presente.

Parque do Alvito
Fotografia: Arlindo Camacho
Miúdos

O melhor de Monsanto para os miúdos

O quarto dos brinquedos virado do avesso, os miúdos à bulha, a televisão aos gritos. O cenário é-lhe familiar? A solução é arrancá-los de casa. No pulmão verde da cidade, não faltam lugares para entreter os mais novos e deixá-los tão cansados, tão cansados, que no regresso a casa nem têm energia para desarrumações ou discussões. Descubra o melhor de Monsanto para os miúdos.  

Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com