10 canções para ouvir de cabeça no ar

Temas com alusões a condições atmosféricas para dias de tempo incerto. Eis 10 canções, de Johnny Mitchell a Nick Cave

©Pixabay

Mesmo para quem não é cloudspotter (os aficionados da observação de nuvens) o céu oferece todos os dias um desfile de prodígios e revelações. Basta que se disponha de sensibilidade e tempo – parece ser o caso de muitos escritores de canções.

 

Também recomendados:

10 canções para dias de chuva
10 canções para ouvir ao luar
10 canções pop para dias frios
10 canções para quando os dias começam a encurtar

10 canções para ouvir de cabeça no ar

“Both Sides, Now”, de Joni Mitchell

Ano: 1969

“Correntezas e fluxos de cabelos de anjo/ E castelos de gelado no ar/ E desfiladeiros de penas por todo o lado/ Assim tenho olhado para as nuvens”. Na primeira estrofe da canção de encerramento do seu segundo álbum, Clouds, Joni Mitchell oferece-nos esta lírica e “gráfica” descrição das nuvens; porém, a segunda estrofe já nos fala de nuvens metafóricas, que tapam o sol e se interpõem entre nós e os nossos planos. E, conclui Michell: “Tenho olhado as nuvens de dois ângulos/ De cima e de baixo, e ainda assim/ São as ilusões das nuvens que persistem/ Afinal, não percebo nada de nuvens”. O memo concluirá, nas estrofes seguintes, sobre o amor e a vida.

A inspiração para a canção surgiu à cantora canadiana ao contemplar as nuvens durante uma viagem de avião, em 1967. Não foi, todavia, Joni Mitchell a primeira a gravar a canção, que surgiu no álbum Wildflowers (1967), de Judy Collins. Mitchell voltaria a gravar a canção, numa versão sumptuosamente orquestrada, no álbum Both Sides, Now (2000), mas, infelizmente, por essa altura, a sua voz era uma sombra do que fora 40 anos antes.

“In Bluer Skies”, dos Echo and the Bunnymen

Ano: 1983

Uma relação amorosa doentia empurrou o protagonista para a beira do colapso nervoso, mas ele percebe agora que tem de abandonar este mundo sombrio e rumar a outro, de céus mais azuis. Esta canção de ambiente dramático e hierático faz parte de Porcupine, terceiro álbum da banda de Liverpool.

Publicidade

“The Big Sky (The Meterological Mix)”, de Kate Bush

Ano: 1986

À maneira das manchas usadas no teste de Rorschach, uma mesma nuvem pode suscitar as mais diversas interpretações e é isso mesmo que exprimem as várias vozes que se ouvem a meio de “The Big Sky”: uns comparam-na a algo muito íntimo e doméstico (“parece a árvore no nosso jardim”), outros têm uma abordagem científica, abstracta e desapaixonada (“parece um cumulus castellanus”), outros imbuem nela o seu receio do porvir (“aquela nuvem só promete sarilhos”), outros têm dela uma visão estritamente prosaica e pragmática (“aquela nuvem é sinal de chuva”.

A pop barroca de Kate Bush assume em “The Big Sky”, do álbum Hounds of Love (1985), o quinto da cantora, uma efervescência sinfónica, onde confluem guitarras rock, baixos funk, coros épicos, camadas sobrepostas de percussões tribais e didgeridoo (na abertura), sobretudo na versão dilatada conhecida como “Meteorological Mix”, lançada sob a forma de single de 12’’, alguns meses depois da saída do álbum.

“Clouds”, dos American Music Club

Ano: 1987

“As tempestades agarram nas coisas valiosas/ E depositam espelhos aos meus pés/ Um guarda-fatos cheio de sangue/ E mentiras maldosas para serem repetidas”. As “tempestades” são a única conexão que a letra oferece com o título desta canção de Engine, o segundo álbum dos American Music Club. Mas uma canção não tem de ser compreensível para ser uma obra-prima.

Publicidade

“Atmospheric Conditions”, de Beck

Ano: 1994

One Foot in the Grave é o terceiro álbum de Beck, mas na canção “Atmospheric Conditions” o vocalista que ocupa o primeiro plano é Calvin Johnson (a voz mais grave e solene). A letra conforma-se ao registo surreal usual em Beck e seria vã empresa tentar extrair dela um significado coerente – há alusões desconexas à “atmosfera” e às suas mudanças (parece que está “partida ao meio”). É provável que nem os peritos do Instituto do Mar e da Atmosfera possam elucidar-nos sobre isto.

“Everybody Thinks I’m a Raincloud (When I’m Not Looking)”, dos Guided by Voices

Ano: 2004

Também as letras de Robert Pollard são quase sempre enigmáticas e surreais e a desta canção do 15.º álbum dos Guided By Voices, Half Smiles of the Decomposed, não é excepção. Aqui e ali parece haver indícios de que o assunto central é a depressão: “Hoje não é um dos meus dias bons/ E ninguém quer saber/ [...] Ninguém me liga/ Porque dizem que sou preguiçoso demais para estar vivo”. Umas linhas à frente fala-se de “uma cura miraculosa para a minha mágoa com almofadas de amor-próprio”. Deprimido ou não, Pollard é um dos mais geniais e prolíficos songwriters da história da pop.

Publicidade

“I Was a Cloud”, dos Shearwater

Ano: 2008

O deslizar lento e sereno da canção ajusta-se bem aos versos iniciais: “Eu era uma nuvem/ Eu era uma nuvem olhando para baixo/ E os teus acenos frenéticos não me despertaram qualquer emoção”. Mas Jonathan Meiburg é outro letrista críptico, pelo que talvez só ele saiba o que significa esta canção do álbum Rook, o quinto dos Shearwater.

“A Cloud Story”, dos Dark Dark Dark

Ano: 2008

Desperta-se a meio de uma noite de Verão e percebe-se que “As nuvens caíram do céu/, Depositando-se sem um suspiro na praia/ E esperando pacientemente pela morte// E agora o ar é pegajoso/ O ar transpira/ O ar bloqueia a vista/ O ar parece o do meu sonho/ Quando eu estava deitado na cama, á noite”. Este sonho inquietante e de um surrealismo melancólico faz parte de The Snow Magic, o álbum de estreia dos Dark Dark Dark.

Publicidade

“The Aleutian Clouds”, dos If These Trees Could Talk

Ano: 2012

Uma vez que a música destes post-rockers de Akron, Ohio, é instrumental, nunca saberemos o que têm de particular as nuvens das Ilhas Aleutas (a sudoeste do Alaska). Mas a música ajusta-se a um mar irrequieto quebrando-se em rochedos negros e sobrevoado por nuvens colossais. “The Aleutian Clouds” faz parte de Red Forest, o segundo álbum da banda.

“Push the Sky Away”, de Nick Cave & The Bad Seeds

Ano: 2013

Numa viagem de carro ao alvorecer, deitam-se contas à vida: o que fazer quando pareces ter alcançado tudo o que te propuseste alcançar, quando tens tudo e não queres mais nada? Há que continuar sempre em frente, pelo teu próprio caminho, “continuar a empurrar o céu para longe”, ou seja a estabelecer novos objectivos. Serve como metáfora para a carreira de Cave – “Algumas pessoas dizem que é só rock’n’roll/ Ah, mas ele toca-te o fundo da alma” – e como metáfora para a vida.

Apesar de ser uma canção sobre tenacidade e resiolução em seguir em frente, o fatalismo, a desolação e a solenidade que a rodeiam não deixam de ser arrepiantes. Faz parte de Push the Sky Away, que, embora seja já o 15.º álbum de estúdio de Cave com os Bad Seeds, revela uma pujança criativa invulgar.

[Versão ao vivo no Fonda Theater, Los Angeles]

Publicidade

Mais canções

10 canções pop primaveris

Simon & Garfunkel e The Beatles ou os contemporâneos Noel and the Whale e The Divine Comedy inspiraram-se na Primavera para criar algumas das melhores canções pop de sempre. Festeje a chegada da nova estação com os phones nas orelhas e o volume no máximo. 

Ler mais
Por José Carlos Fernandes

5 canções pós-pequeno-almoço

Ligar a máquina de café. O botão está perro. Ligar a máquina de café, nada acontece antes disso. Se é dos resistentes e só bebe café na rua, certamente só fala depois disso. Bom, na verdade, a liberdade trouxe a possibilidade de acordar como quiser. Aqui para nós preferíamos que falasse baixo, mas cada um com a sua. A lista que se segue é isso mesmo: ambivalente. Há cinco canções para várias posturas e ritmos depois dos cereais acabarem.   Recomendado: três novas modas de pequeno-almoço em Lisboa.   ScHoolboy Q – “THat Part [feat. Kanye West]” Um dos grandes discos de 2016 devolveu-nos a manhã "à lá gangster". Atire a faca – aquela com que barrou a manteiga na torrada – com displicência para o lava-loiça. Depois é trancar o rosto, aumentar o volume nos auscultadores e fulminar todos os olhares que se cruzarem consigo durante o trajecto até ao trabalho. “Bang, não se metam comigo hoje”, regras do hip-hop que convém cumprir. “THat Part”, tirado de Blank Face LP (2016, Top Dawg/Interscope) torna-nos praticamente intocáveis, pelo menos até o patrão nos dizer os objetivos para o dia.   Kings of Leon – “Red Morning Light”  Calma, não precisa de sair desta página só porque leu Kings of Leon. É que antes de a coisa virar lamechice barata era quase country, uma inocência e destreza rock equivalente a uma palete de bebidas energéticas. Neste caso, talvez não seja terrível beber café apenas na rua. “Red Morning Light” – editado pela RCA em 2003, em primeiro lugar no EP What

Ler mais
Por Miguel Branco
Publicidade

10 canções sumptuosamente letárgicas

Numa passagem de A peste, de Albert Camus, uma personagem interroga-se sobre o “que fazer para não perder tempo” e conclui que a resposta é “senti-lo em toda a sua extensão”. Para isso, deverão “passar-se os dias na sala de espera de um dentista, numa cadeira desconfortável; viver as tardes de domingo à varanda; assistir a conferências numa língua que não se conhece; escolher os itinerários de caminho de ferro mais longos e menos cómodos e viajar de pé, claro; fazer fila nas bilheteiras dos espectáculos e não tomar a sua vez”. Nos anos 90 do século passado, houve quem transpusesse para música este conceito e nos desse a sentir o tempo em toda a sua extensão, em canções arrastadas e narcolépticas, cujas letras, muito adequadamente, se focam na marcha do tempo, nos desgastes que causa e na memória como derradeiro reduto onde é possível subsistir quando a corrente imparável do tempo leva consigo, destrói ou erode tudo o que é precioso. Houve quem propusesse arrumar estas bandas – predominantemente norte-americanas – sob a designação genérica de “slowcore” ou “sadcore” (por oposição à hiper-actividade do “hardcore”), mas os rótulos são apenas uma conveniência.

Ler mais
Por José Carlos Fernandes

10 canções para ouvir ao luar

The Doors, Smashing Pumpkins ou Björk. Eis dez canções para ouvir à noite enquanto olha para o céu à procura da lua. 

Ler mais
Por José Carlos Fernandes
Publicidade

Comentários

0 comments