Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right O melhor de 2018: os três chefs do ano

O melhor de 2018: os três chefs do ano

Passaram o ano metidos na cozinha e isso deu frutos. Dizemos-lhe o que andaram Henrique Sá Pessoa, António Galapito e João Rodrigues a fazer.

Henrique Sá Pessoa no seu restaurante Alma
Fotografia: Arlindo Camacho
Publicidade

Henrique Sá Pessoa

Foi mais um motivo de orgulho (e vaidade) para nós: o chef do nosso mercado recebeu a segunda estrela Michelin para o Alma, no final de Novembro. Henrique Sá Pessoa entrou para o lote restrito de seis restaurantes portugueses com duas insígnias douradas. 2018 foi o ano em que o chef abriu as portas do seu ateliê em Marvila (frente à galeria Underdogs), onde testa pratos para o Alma: tem uma mesa para 12 pessoas, onde serve um menu de degustação surpresa e cria sinergias entre pessoas que não se conhecem.

Prove as suas criações de fine dining no Alma, no Chiado; os pratos de conforto no espaço do chef no Time Out Market ou no Balcão, na Gourmet Experience do El Corte Inglés ou os petiscos no Tapisco, no Príncipe Real

António Galapito

Quem não conhecia o trabalho e o nome de António Galapito em 2017, passou rapidamente a conhecer: depois de seis anos a trabalhar em Londres com o chef Nuno Mendes, chegou a Lisboa para abrir o Prado e mostraraos lisboetas o que é isto de uma cozinha simples, farm to table, sem grandes pretensões a não ser a da boa comida com atenção ao produto e às técnicas. Todos os dias muda qualquer coisa, dos cortes aos peixes, uma verdura ou uma sobremesa. Foi o único restaurante ao qual o nosso crítico deu 5 estrelas durante o ano de 2018. E o sucesso reflecte-se com casa cheia: convém reservar mesa.

Prove as suas criações no Prado, na Sé

João Rodrigues

Jantar no Feitoria, além de uma experiência gastronómica, é também uma lição sobre produtos de época. O chef João Rodrigues começou a trabalhar o projecto Matéria há dois anos, trazendo para a mesa informação sobre aquilo que está no prato, dando destaque ao triângulo produto- -produtor-cozinheiro. Depois vieram os jantares Matéria, para os quais convida chefs internacionais para conhecerem um produto português e depois trabalhá-lo na cozinha do Feitoria. Em 2018 continuou forte neste trabalho – o próximo jantar é, aliás, dia 14, com Rafa Costa e Silva, chef do Lasai, no Rio de Janeiro –, que culminará numa plataforma para divulgação de produtos e produtores.

Prove as suas criações no Feitoria, em Belém

Os melhores restaurantes em Lisboa

Restaurantes

Os 148 melhores restaurantes em Lisboa

Os críticos da Time Out visitam os restaurantes anonimamente e pagam pelas suas refeições – o mesmo é dizer, como qualquer cliente – e, na melhor parte dos casos, repetem a visita antes de se pronunciarem. Acresce que nenhum restaurante é criticado antes de cumprir três meses de porta aberta e, por princípio, nenhum é aclamado com cinco estrelas ou despachado com apenas uma sem que um segundo crítico subscreva essa avaliação. Já sabia de tudo isto? É provável que sim. Há 10 anos que a Time Out faz questão de repetir esta cartilha em tudo o que faz. Mais que isso, há 10 anos que os jornalistas e críticos que foram construindo esta casa fazem questão de respeitar essa cartilha sem cedências. O que é que isso vale? Cabe-lhe a si dizer. O que lhe podemos garantir é que todos os 148 restaurantes que encontra nesta lista foram visitados pela nossa equipa pelo menos uma vez e que resulta de uma escolha, subjectiva como se espera, mas criteriosa como se exige. Como de costume, a coisa valeu discussões e zangas. Mas lá chegámos a um consenso e estes são os restaurantes em Lisboa que tem mesmo de conhecer. 

Time Out Market - O Prego da Peixaria
Inês Félix
Restaurantes

Os pratos mais lisboetas do Time Out Market

Tanto para escolher e não sabe por onde começar? E umas pataniscas e peixinhos da horta para início de conversa. Amêijoas à bulhão pato a seguir e um bacalhau à brás e uns ovos verdes de bacalhau para continuar, sem esquecer o clássico do prego para terminar. Por fim, um docinho: o pastel de nata da Manteigaria, cujas fornadas estão sempre a sair. Debaixo do mesmo tecto, o Time Out Market reúne muito do melhor de Lisboa. Mas há uns pratos que são mais alfacinhas do que outros. São esses que destacamos esta semana. 

Publicidade