A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Exposição Julian Opie "Pessoas" - Museu Colecção Berardo
Rita CarmoExposição Julian Opie "Pessoas" - Museu Colecção Berardo

Conheça estes museus de arte contemporânea em Lisboa

A arte contemporânea está por estes museus para ser vista e revista. Andámos às voltas por Lisboa para lhe fazer o roteiro completo.

Escrito por
Francisca Dias Real
e
Joana Moreira
Publicidade

Não há muitos museus de arte contemporânea em Lisboa (e arredores), mas os que existem merecem uma visita. Além das colecções importantes (alguns guardam exemplares dos maiores nomes da arte contemporânea mundial), todos alimentam a programação com exposições temporárias que marcam a agenda cultural. Em Lisboa tanto pode ver artistas internacionais como os grandes portugueses. De Júlio Pomar a Andy Warhol, de José de Almada Negreiros a Marcel Duchamp, pode correr os mais variados estilos artísticos ao longo deste roteiro que aqui lhe traçamos pelos museus de arte contemporânea da cidade. 

Recomendado: As novas obras de arte urbana em Lisboa

Museus de arte contemporânea em Lisboa

  • Museus
  • Belém

Um projecto da Fundação EDP, o Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia já está mais do que consagrado nas iniciais maat. As suas formas arquitectónicas marcaram o ano de 2016 na cidade, justificando frutíferas romarias à zona de Belém. Afinal, mais que não fosse, aquela estrutura assinada pela britânica Amanda Levete e o pôr-do-sol em fundo ficam mesmo a matar numa foto para partilhar nas redes. Claro que a visita não deve terminar aqui, recomendando-se que consulte as exposições programadas na agenda. 

  • Museus
  • Chiado

Situado no convento de São Francisco da Cidade, o Museu Nacional de Arte Contemporânea do Chiado (MNAC) tem uma exposição permanente que atravessa a história da arte em Portugal, uma viagem desde 1850 até à actualidade. Assistiu à explosão vanguardista, tendo as suas melhores concretizações na obra de Amadeo de Souza-Cardoso, na quase única peça de Santa Rita e no Orfismo de Eduardo Viana. Habitualmente, o museu apresenta também exposições temporárias de artistas nacionais e internacionais.

Publicidade
  • Atracções
  • São Sebastião

Enquanto mecenas, Calouste Gulbenkian criou uma das maiores estruturas lisboetas no que à promoção da arte diz respeito. Inaugurada em 1969, a Fundação Calouste Gulbenkian tem um jardim que se tornou um dos símbolos da capital, como lugar de descanso e leitura. Recebe concertos (quase sempre de música erudita ou de jazz) e tem um museu dedicado à arte contemporânea, o ponto fulcral aqui. O Centro de Arte Moderna, que está neste momento encerrado para obras de ampliação, tem neste momento uma programação “fora de portas”, que pode descobrir aqui.

  • Museus
  • Belém

A colecção Berardo é uma viagem pelos principais movimentos artísticos dos séculos XX até aos dias de hoje, um museu que conta com nomes de peso com obras de artistas como Pablo Picasso, Salvador Dalí, Marcel Duchamp, Piet Mondrian, Joan Miró, Francis Bacon, Andy Warhol, Donald Judd, Bruce Nauman ou Cindy Sherman. Nunca são demasiadas as visitas à exposição permanente, sempre para ver com mais detalhe as centenas de obras residentes do museu de Belém, mas nessas idas recorrentes aproveite para espreitar as mostras temporárias. 

Publicidade
  • Atracções
  • Avenida da Liberdade/Príncipe Real

A casa de Maria Helena Vieira da Silva e do seu marido, Arpad Szenes, foi inaugurada em 1994, como casa-homenagem. É hoje um dos museus de referência em Lisboa, com exposições sobretudo ligadas à pintura abstracta. A colecção do Museu Arpad Szenes-Vieira da Silva reúne um significativo núcleo de pintura e desenho, que cobre um vasto período da produção dos dois artistas: de 1911 a 1985 para Arpad Szenes, e de 1926 a 1986 para Vieira da Silva. Além do núcleo expositivo relativo ao casal, o museu integra na sua colecção um núcleo de cerca de cem obras de artistas portugueses como Mário Cesariny, René Bertholo, José Escada ou Milly Possoz. 

  • Museus
  • Arte e design
  • Cascais

O museu da artista Paula Rego em Cascais, num edifício desenhado pelo Pritzker de 2011, Eduardo Souto de Moura, foi inaugurado em Setembro de 2009 e, além da colecção de 620 obras, tem sempre boas exposições temporárias da artista. Esta colecção, constituída por pintura, desenho e gravura, reflete o seu percurso artístico e criativo, de cerca de 50 anos, e inclui também obras do seu marido, o artista britânico, Victor Willing. A coleção integra ainda uma obra têxtil de grandes dimensões e parte do seu espólio documental.

Publicidade
  • Museus
  • Chiado/Cais do Sodré

Inaugurado a 5 de Abril de 2013, com projecto de Álvaro Siza Vieira, o Atelier-Museu Júlio Pomar surgiu no lugar de um armazém do século XVII, na zona de Santos. Tem um acervo de 400 obras entre pintura, escultura, desenho, cerâmica, tudo pertencente à Fundação Júlio Pomar. É, por isso, um museu que pretende homenagear a importância do artista português, que faleceu em 2018. 

Mais arte em Lisboa

Publicidade
Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade