A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Sex Education
Sam Taylor/NetflixSex Education

As melhores séries para ver em Setembro

Drama, comédia, acção, crime e ficção científica: há de tudo nesta selecção das melhores séries para ver em Setembro.

Escrito por
Hugo Torres
Publicidade

O mês da rentrée traz boas séries às nossas televisões (e serviços de streaming em particular). Entre elas, está Scenes From a Marriage (HBO), remake da minissérie clássica de Ingmar Bergman que deve constar, daqui por uns meses, nas listas dos melhores do ano. Na Netflix, regressam dois títulos muito acarinhados pelos público: La Casa de Papel (está quase, quase no fim) e Sex Education. Volta também The Morning Show à Apple TV+, onde lá mais para o final do mês se poderá ver uma das produções televisivas mais ambiciosas de 2021, a adaptação de Fundação, saga de ficção científica de Isaac Asimov. Mas há mais. A grelha com as melhores séries para ver em Setembro passa ainda pela RTP, a FOX e o Disney+.

Recomendado: As melhores séries do momento

Oito séries para ver em Setembro

La Casa de Papel

A série-sensação de Álex Pina (olá, 2018, saudades) está a chegar ao fim. O bando criado para o golpe revolucionário à Casa da Moeda espanhola está a meio de um segundo, e mais complexo, estratagema em pleno Banco de Espanha. Lá dentro, já foram traídos e já viram uma companheira ser baleada e morta. Se bem se lembram, quando a temporada anterior acaba, o Professor (Álvaro Morte) tem a arma da implacável Alicia Sierra (Najwa Nimri) apontada à cabeça. Como vai ele escapar dali, e como é que vai ajudar o grupo a fugir de um edifício cercado por todos os lados? La Casa de Papel perdeu fôlego, baralhou e voltou a dar as mesmas cartas, mas não chegámos tão longe para perder o final. 

Netflix. Estreia a 3 de Setembro (Parte 5 – Volume 1) e 3 de Dezembro (Parte 5 – Volume 2).

Impeachment: American Crime Story

Com o controverso julgamento de O.J. Simpson e o assassinato de Gianni Versace já contados, American Crime Story continua a saga pelos mais mediáticos crimes da vida real nos EUA. À terceira temporada, é Bill Clinton (Clive Owen) quem está no banco dos réus, acusado de perjúrio num julgamento que poderia ter levado à sua destituição. Em causa, a mentira sobre o caso amoroso com Monica Lewinsky, em 1998. A antiga estagiária da Casa Branca, cuja vida ficou para sempre marcada por este escândalo, é interpretada por Beanie Feldstein (Lady Bird, Booksmart: Inteligentes e Rebeldes). Os diálogos foram revistos pela própria Lewinsky, que é uma das produtoras da série. Edie Falco corporiza Hillary Clinton.

FOX. Estreia em data a anunciar

Publicidade

Scenes From a Marriage

Mira (Jessica Chastain) e Jonathan (Oscar Isaac) são um casal racionalmente feliz, oleado e funcional. Têm boa casa, bons empregos, uma filha, amigos. Mas há qualquer coisa que não está bem. Quando são entrevistados por uma estudante de doutoramento, cuja tese versa sobre casamentos “bem sucedidos” em que é a mulher quem mais contribui para a economia familiar, a pergunta que fica a ecoar é: o que é um casamento “bem sucedido”? Duradouro? É esse o gatilho para as “cenas” seguintes em que os protagonistas vão conversando, discutindo, medindo distâncias e atingindo-se mutuamente. Com Hagai Levi (Terapia) como showrunner, Scenes From a Marriage é um remake de Cenas da Vida Conjugal, minissérie de 1973 assinada por Ingmar Bergman, que foi um sucesso tal na Suécia que os números de divórcios e de consultas de terapia de casal dispararam no país.

HBO. Estreia a 13 de Setembro

The Morning Show

Depois de Alex Levy (Jennifer Aniston) e Bradley Jackson (Reese Witherspoon) terem largado uma bomba em directo, anunciando que a estação televisiva para a qual trabalham promovia uma “cultura de silenciamento”, machista, tóxica e fatal, a segunda temporada começa por limpar os destroços e reconstruir o The Morning Show. Não vai ser fácil. Os hábitos não mudam por decreto. As conversas de corredor, os conluios, persistem. Se o foco já não está nas mulheres, está nas pessoas negras, no racismo e noutras injustiças que inflamam a sociedade norte-americana. Cory Ellison (Billy Crudup), essa personagem mefistofelicamente divertida, continua a manobrar os bastidores, nem sempre da forma mais subtil, para levar os seus planos avante – mais audiências, mais poder. E, tal como a temporada inaugural teve que ser reescrita para incluir o movimento MeToo, também esta precisou de reajuste durante este ano e meio, para incluir a pandemia no argumento.

Apple TV+. Estreia a 17 de Setembro (T2) 

Publicidade

Sex Education

A escola secundária de Moordale tem uma nova directora, Hope Haddon (a oportunamente sedutora Jemima Kirke, de Girls), que vem ocupar o lugar do conservador Mr. Groff (Alistair Petrie). É essa a grande novidade desta comédia adolescente de grande sucesso, que trata com graça mas sem leveza, as inquietudes juvenis do amor, do sexo, da amizade – e das expectativas familiares para as suas vidas. De resto, Otis (Asa Butterfield) e Maeve (Emma Mackey) continuam o seu desacerto romântico; Ola (Patricia Allison) e Lily (Tanya Reynolds), a visionária encenadora que apresentou Shakespeare numa vagina gigante, continuam o processo de descoberta da sexualidade; e Eric (Ncuti Gatwa) e Adam (Connor Swindells) continuam a quebrar tabus. Jean (Gillian Anderson), sexóloga e mãe de Otis – que usou os conhecimentos da mãe para dar conselhos na escola –, está grávida. E agora?

Netflix. Estreia a 17 de Setembro (T3)

Y: The Last Man

Um estranho acontecimento mata todos os homens do planeta, excepto um, deixando as mulheres ao leme de um planeta desgovernado. É este o ponto de partida dos comics desenvolvidos e publicados por Brian K. Vaughan e Pia Guerra, com assinalável sucesso, na Vertigo/DC entre 2002 e 2008. Não tardou a que se começasse a planear uma adaptação ao cinema, que após hesitações várias se transformou numa série de televisão. Esta foi desenvolvida por Michael Green (Smallville, American Gods), que depois passaria o testemunho de showrunner a Eliza Clark (The Killing). O sobrevivente, Yorick, é interpretado por Ben Schnetzer (A Verdade sobre o Caso Harry Quebert), num elenco que conta ainda com Diane Lane, Ashley Romans e Olivia Thirlby para um pós-apocalipse no feminino.

Disney+. Estreia a 22 de Setembro (T1)

Publicidade

Fundação

Um épico de ficção científica que adapta a saga homónima do norte-americano Isaac Asimov (de origem russa), cuja trilogia inicial conquistou em 1966 um prémio Hugo que só foi atribuído uma vez: o de melhor série de sempre. Bateu O Senhor dos Anéis. A obra, que viria depois a ser estendida de três para sete livros, centra-se na história do Império Galáctico e do matemático Hari Seldon, que desenvolveu um modelo que prevê a queda do império e uma idade das trevas de 30 mil anos. A não ser que se lance a fundação de um outro futuro, encurtando para mil anos esse período de pena para a humanidade. Seldon é interpretado por Jared Harris (Mad Men, Chernobyl) e o showrunner é David S. Goyer, cujo currículo vai de O Corvo ao último Exterminador Implacável, passando por Blade e O Cavaleiro das Trevas. Impressionado? Espere até ver a pipa de massa que se gastou em efeitos visuais. É que Fundação é a grande aposta da Apple TV+ para a rentrée, a ver se com este conflito interplanetário consegue ganhar algum terreno na guerra do streaming. 

Apple TV+. Estreia a 24 de Setembro (T1)

Chegar a Casa

Nesta produção luso-galega, Joana Seixas interpreta Marta, uma minhota de Arcos de Valdevez com vida feita em Santiago de Compostela, do outro lado da fronteira. É casada com Cayetano, CEO de uma empresa de telecomunicações, onde também trabalha. A vida corre-lhe bem, apesar daqueles sinais de descontentamento por parte do marido que tem feito por ignorar – até não poder mais. Cayetano quer mandar 15 anos de casamento às malvas, quer o divórcio, conheceu uma mulher mais nova. Marta pega nas trouxas, nos filhos, e volta para casa dos pais, mas as vicissitudes não ficam por aqui. A série é realizada por Sérgio Graciano (A Generala, Auga Seca) e escrita por Filipa Poppe e Joana Andrade, o mesmo trio do filme O Som Que Desce na Terra, a estrear-se em Novembro. No elenco ibérico estão ainda Miguel Ángel Blanco, Ruben Gomes, Sara Casasnovas, Rodrigo Tomás, Anabela Moreira, Leonor Vasconcelos, Rui Melo e Duarte Melo.

RTP1. Estreia em Setembro

O que ver sentado no sofá

  • Filmes

Chegou timidamente aos nossos ecrãs mas hoje seria difícil imaginarmo-nos sem ela. Entre conteúdos originais de grande qualidade e outros que foram aproveitados (ou mesmo ressuscitados), a Netflix parece não querer abrandar no número de entretenimento disponibilizado e está, continuamente, a trazer-nos apostas dignas de binge watching.

  • Filmes

No mundo das plataformas de streaming e da criação de conteúdos originais, há muitas opções por onde escolher. A Amazon lançou o seu serviço pago de streaming de séries e filmes em Portugal, em 2016, e continua a conquistar novos assinantes e a apostar na criação de conteúdos originais feitos e protagonizados por nomes sonantes.

Publicidade
  • Filmes

Desde que chegou a HBO (para não falar nos outros serviços de streaming que apareceram entretanto) ficou ainda mais complicado gerir a agenda – e não falamos apenas da vida social, mas do calendário de estreias de séries. A pensar nisso, fizemos-lhe uma selecção das séries na HBO que vale a pena ver e que nunca o farão perder tempo.  

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade