O que não perder no FIMFA, agora que chega à maioridade

O FIMFA Lx – Festival Internacional de Marionetas e Formas Animadas chega aos 18 anos. E A Tarumba, estrutura que o suporta, aos 25. Eis um guia do que não pode perder, em vários espaços da cidade, a partir desta quinta-feira.
Por Miguel Branco |
Publicidade

As efemérides, além das velas e do bolo e do nesta-data-querida, servem também para parar e fazer um balanço daquilo que se tem feito, de como se tem feito. Ora, A Tarumba, estrutura criada há 25 anos por Luís Vieira e Rute Ribeiro, tem muito de que se orgulhar. A 18ª edição do FIMFA começa quinta-feira e estica-se até dia 20 por vários palcos: Maria Matos, São Luiz, D. Maria II, Teatro do Bairro, Teatro Taborda, Cinemateca Portuguesa e Museu Nacional do Teatro e da Dança. Um programa que traz espectáculos de várias partes do mundo e a certeza de que a marioneta está viva e recomenda-se.

E apesar de serem apenas números, Luís Vieira espera “que possa mudar alguma coisa. É um facto que quando se chega à maioridade, normalmente, assumem-se maiores responsabilidades, mas acho que já temos estado a fazer isso há um tempo. Esperemos que essas responsabilidades sejam proporcionais à atenção que os poderes públicos dão ao nosso trabalho”.  Já nós, assumimos a responsabilidade de eleger cinco espectáculos obrigatórios de um cartaz todo ele promissor, com os comentários e a ajuda do programador.

O que não perder no FIMFA

1

Birdie

O espectáculo de abertura do FIMFA Lx18 cabe aos espanhóis Agrupación Señor Serrano. Vêm apresentar Birdie, que se inspira em Hitchcock e no filme Os Pássaros para pensar os movimentos migratórios actuais. Tudo através de manipulação de imagens, maquetes, teatro de objectos. Uma cidade com grades à volta, onde a alta camada da sociedade vem jogar golfe e passar férias, com refugiados à espreita. 

Maria Matos. Qua-Sex 21.30. 14€. 

 

2

Monkeys

Do israelita Amit Drori poderemos ver Monkeys. Um espectáculo que tem tudo para transcender mentes. Falamos de um artista-engenheiro que captura a disciplina da robótica e a leva a cena: “Ele diz que constrói ‘robôs com alma’. Vivemos entre a era dos robôs e dos macacos, a inteligência artificial, e a proposta é que esta espécie de máquinas venha a palco para falar da vida e das emoções dos seres humanos”, enquadra Luís Vieira.  Ou seja, robôs de metal, revestidos de madeira, a falarem-nos de sentimentos. Quer melhor?  

São Luiz (Sala Mário Viegas). 12 de Maio 21.00. 13 de Maio 17.30. 12-15€. 

 

 

Publicidade
3
Frederik Buyckx

Zvizdal [Chernobyl – so far so close]

Quando o acidente nuclear de Chernobyl contaminou 90 cidades em redor de Pripyat, Pétro e Nadia, habitantes dessa aldeia-desastre decidiram ficar quando todos partiram. E os belgas Berlin conseguiram autorizações para ir entrevistar, fotografar e documentar um casal de resistentes, humanos num total isolamento, bárbara contaminação. É um documentário-instalação que o público vai conhecer através de um ecrã gigante com dupla face. “É uma memória daquele tempo, e onde as pessoas, sem qualquer risco, vão poder ter contacto com aquela geografia”, conta Luís Vieira.

Maria Matos. 10 e 11 de Maio 21.30. 14€. 

 

 

4
Camera

Arcano

Em ano de 30ª aniversário, o Teatro de Marionetas do Porto traz ao FIMFA a sua mais recente criação, embebida em Franz Kafka e no refúgio da mente humana: “E é uma espécie de homenagem aos seus 30 anos, é um espectáculo que nos remete para o universo do João Paulo Seara Cardoso e que achámos que era um momento a sublinhar”, esclarece Luís Vieira.

São Luiz. 16 de Maio 21.00. 12-15€.

 

Publicidade
5
Camera

Ada/Ava

Os míticos Manual Cinema, estrutura essencial da marioneta norte-americana, e que também usam e abusam da manipulação de imagens (com trabalhos feitos com o MoMA e outras galerias de renome), vêm a Lisboa mostrar o espectáculo Ada/Ava. É o encerramento do FIMFA e mais uma homenagem a Hitchcock, que parece ter invadido esta edição do festival. Sombra, silhuetas, tudo isso projectado em retroprojectores vintage e que, para Luís Vieira, “é como estar num ateliê de um artista a ver a obra a ser construída”.  

São Luiz. 18 e 19 de Maio 21.00. 20 de Maio 17.30. 12-15€.  

 

 

Outras coisas para fazer em Lisboa

Filmes

O melhor do IndieLisboa 2018

Lucrecia Martel e Jacques Rozier são razões suficientes para prestar atenção à 15ª edição do IndieLisboa. Mas as retrospectivas dedicadas aos Heróis Independentes de 2018 são apenas duas razões para passar os próximos dias em modo de orgia cinéfila. 

CINE SOCIETY
©DR
Coisas para fazer

Coisas para fazer em Lisboa este mês

Maio está aí e portanto não podemos evitar cair na inércia de ficar em casa. Este é o mês em que a cidade começa a mexer a sério. O mês que antecipa as grandes festas de Lisboa. O mês da Eurovisão (está preparado para a loucura?). O mês que nos faz querer ir para a rua e começar a esplanadar, ou fazer dos jardins os nossos melhores amigos sempre com muita música à mistura.

Publicidade
Village Underground
Roger Oliveira
Coisas para fazer

Dez coisas grátis para fazer em Lisboa esta semana

Grátis é a palavra mágica que todos gostamos de ouvir. Quando tem uma cidade a rebentar pelas costuras de coisas grátis para fazer, a solução certamente não é ficar fechado em casa à espera que lhe chovam ideias no colo.

Publicidade