A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Centro Interpretativo da História do Bacalhau
©Câmara Municipal de LisboaCentro Interpretativo da História do Bacalhau

Coisas para fazer em Lisboa até 5€

Há muito para fazer em Lisboa sem comprometer a saúde financeira. Estas sugestões não o vão fazer gastar mais do que 5€.

Publicidade

É verdade que é cada vez menos fácil respeitar a fasquia da nota de cinco euros, mas se puxar pela cabeça ainda descobre muito para fazer na cidade sem ultrapassar este valor. A vida anda mais cara, bem sabemos, mas felizmente em Lisboa há sempre opções para todos os bolsos e feitios. Se já explorou as nossas sugestões de coisas grátis para fazer em Lisboa, está na altura de abrir os cordões à bolsa, mas sem puxar muito a corda do orçamento mensal. Desde um bom museu a um bom filme na maior casa dos clássicos do país, há muitas coisas para fazer em Lisboa até 5€.

Recomendado: Guia para não pagar entrada nos museus em Lisboa

Coisas para fazer em Lisboa até 5€

  • Atracções
  • Alcântara

A ponte inaugurada em 1966 tem 14 pilares, mas o pilar que interessa agora fica na Avenida da Índia, nas traseiras do Village Underground. Agora que já ninguém se perde, um dos aspectos mais essenciais: o Pilar 7 da Ponte 25 de Abril é uma atracção turística de Lisboa que vai levar os visitantes ao interior deste pilar para uma experiência sensorial. E a entrada não custa mais que 5€ por pessoa.

  • Museus
  • Militar e marítimo
  • Santa Maria Maior

No Centro Interpretativo da História do Bacalhau, e por apenas 4€, prepare-se para recuar séculos na história que começou na Terra Nova (hoje no Canadá), no século XV. São muitas as salas para explorar ao longo de dois pisos, incluindo um espaço partilhado com uma selecção de objectos históricos utilizados na pesca do bacalhau, cedidos pelo Museu Marítimo de Ílhavo, um dos parceiros do projecto, assim como o Newsmuseum. Existe ainda uma experiência imersiva onde pode sentir, por um minuto, a solidão dos pescadores a bordo de uma réplica de um pequeno bote, dóri. E sim, vai sentir muito frio.

Publicidade
  • Atracções
  • Campo de Ourique

A casa para onde se mudou Fernando Pessoa em 1920 fica num prédio adquirido nos anos 80 pela Câmara Municipal de Lisboa que na sua posse tinha parte relevante do espólio pessoano. Como a cómoda que fazia parte do quarto do poeta ou a estante onde guardava os seus livros. Depois de ter estado fechada durante um ano para obras, reabriu no Verão de 2020 com uma área expositiva maior, dividida pelos três pisos. Há um núcleo dedicado aos heterónimos do escritor português, um andar ocupado pela sua biblioteca pessoal e uma zona de exposições temporárias, e, por último, uma recriação do apartamento de Fernando Pessoa. A entrada? 5€.

  • Filmes
  • Avenida da Liberdade/Príncipe Real

Quando der por si a queixar-se do balúrdio que representa uma ida ao cinema, pense que há sítios onde pode assistir a uma sessão por 3,20€. É certo que não estamos a falar do último blockbuster de acção mas não é menos verdade que para clássicos, raridades e outras pérolas da sétima arte, não há destino como a Cinemateca Portuguesa.

+ Os 100 melhores filmes clássicos

Publicidade
Vestir-se a rigor para uma aula de moda
  • Museus
  • Lumiar

A história do traje acompanha a história da humanidade. E a história no Museu Nacional do Traje começa no século XVIII até à actualidade, contada através de uma vasta colecção de trajes e acessórios, dos corpetes, saias e sobressaias, casacas e coletes, passando pelos loucos anos 20 do século passado, quando proliferavam vestidos de linhas direitas com cintura descaída ou os casacos cintados de tweed. É toda uma aula de corte e costura, por isso vista-se a rigor e rume ao Palácio Angeja-Palmela, no Lumiar, onde mora este museu desde 1976.

  • Restaurantes
  • Padarias
  • Estrela/Lapa/Santos

Em Dezembro de 2016, Diogo Amorim abriu a Gleba em Alcântara, onde trabalha com cereais portugueses como o trigo barbela, uma variedade portuguesa antiga original de Trás-os-Montes. Os cereais são comprados a pequenos produtores que praticam uma agricultura sustentável e são moídos no moinho de pedra de Santarém mesmo à frente do cliente. Olhe que é pão para aguentar uma semana sem endurecer e que leva para casa com uma notita de 5€ (e ainda lhe dão troco). Há mais padarias das boas a ter em conta, descubra aqui.

Publicidade
  • Museus
  • Chiado

A história do Museu de Arte Contemporânea do Chiado remonta a 1911 mas nem é preciso recuar tanto na cronologia para apreciar os trabalhos que mais relevam por estas bandas (o contemporâneo não está no nome por acaso, entenda-se). É aqui que nomes como Júlio Pomar, Paula Rego, José Pedro Croft ou Helena Almeida se cruzam com um Amadeo ou outros expoentes do nosso passado recente. O acesso fica por 4,50€.

  • Museus
  • Estrela/Lapa/Santos

Além de uma enorme coleção de marionetas portuguesas tradicionais, este Museu da Marioneta tem no seu acervo uma significativa coleção de figuras do sudeste asiático, bem como outras respeitantes à ancestralidade africana e brasileira. A entrada custa 5€ certos, sem tirar nem pôr. 

Publicidade
  • Atracções
  • São Sebastião

A Estufa Fria começou por ser só um local de abrigo para plantas, mas hoje é possível passear por entre os seus lagos, estátuas e uma colecção que compreende centenas de espécies vindas de todo o mundo. Na verdade, a Estufa Fria é apenas a área principal deste jardim, onde não existe qualquer sistema de aquecimento, mas sim ripas de madeira amovíveis que controlam a intensidade da luz e, por consequência, a temperatura do espaço. Há também uma Estufa Quente, com 3000 e uma cobertura em vidro que aquece o ambiente para  as plantas dos climas tropicais como a mangueira ou a bananeira. E ainda uma terceira área, a mais pequena, chamada Estufa Doce. Esta é a casa das cactáceas, cujo membro mais famoso é o cacto. Reserve 3,10€ para esta passeata.

  • Museus
  • Belém

Uma nota de 5€ basta para percorrer a colecção Berardo (e aos sábados não precisa de dinheiro sequer), uma viagem pelos principais movimentos artísticos dos séculos XX e XXI. Inicia-se com Tête de Femme, uma pintura cubista de Pablo Picasso. Estende-se por cerca de 1000 obras de mais de 500 artistas com Marcel Duchamp, Piet Mondrian, Francis Bacon, Andy Warhol, Sol LeWitt, Fernando Botero, Andreas Gursky entre muitos outros.

Publicidade
  • Coisas para fazer
  • Jogos e passatempos
  • Carnide/Colégio Militar
  • preço 1 de 4

A Bowling City no Colombo é um salão de boliche (não queremos repetir “bowling” e esta tradução brasileira é tão divertida) e o sucessor espiritual da Fun Zone, mas mais focado no desporto de fazer deslizar bolas pela madeira. Fique a saber que um jogo é 5€ (sobe para 5,50€ aos fins-de-semana e feriados). No piso de baixo há máquinas de jogos – uma espécie de arcada mais familiar – e um cinema 5D, com vários filmes/experiências sensoriais.

  • Museus
  • Ciência e tecnologia
  • São Vicente 

Quem entra na Estação Elevatória dos Barbadinhos dificilmente vai querer abandonar o edifício. A antiga estação é um dos mais incríveis edifícios de arquitectura industrial do país e é o núcleo-sede do Museu da Água, que inclui também o Aqueduto das Águas Livres (4€), o Reservatório da Mãe d’Água das Amoreiras (4€) e o Reservatório da Patriarcal (2€). Inaugurada em 1880, bombeava as águas do Aqueduto do Alviela para Lisboa e funcionou até 1928. Mas aqui encontra ainda as máquinas a vapor e respectivas bombas. Pode ver tudo por apenas 4€.

Publicidade
  • Museus
  • Alfama

O Fado foi declarado pela UNESCO Património Cultural Imaterial da Humanidade em 2011, mas desde 1998 que tem casa no Museu do Fado, em pleno coração de Alfama. E porque nem só de turistas deve viver este endereço, conheça as colecções cedidas por centenas de intérpretes, autores, músicos, compositores, construtores de instrumentos, investigadores e simples amadores que para aqui convergem com um pouco da sua história. O bilhete custa 5€.

  • Museus
  • Beato

No Museu Nacional do Azulejo, instalado no Convento da Madre de Deus, estão representados alguns dos mais significativos exemplares da azulejaria nacional, do século XV até aos nossos dias. Alguns dos pontos altos da visita são a Igreja da Madre de Deus, que integrava o convento, e um gigante painel de azulejos chamado Grande Panorama de Lisboa, da autoria do pintor Gabriel Del Barco. Mostra a vista mais completa de Lisboa a partir do rio Tejo,  antes do terramoto de 1755, ao longo de 23 metros de comprimento.

Publicidade
  • Museus
  • Campo Grande/Entrecampos/Alvalade

É um dos museus mais bem humorados da cidade e contextualiza a vida e obra de Rafael Bordalo Pinheiro, artista dos sete ofícios, entre eles o de ceramista e caricaturista. É o pai da famosa figura do Zé Povinho e neste museu pode conhecer um acervo com cerca de 1200 peças de cerâmica, 3500 exemplares de gravura, 3000 originais de pintura e desenho e 1300 publicações, para além de um significativo acervo documental. O bilhete custa apenas 5€.

Agora sem gastar dinheiro

  • Coisas para fazer

Grátis é a palavra mágica que todos gostamos de ouvir. Felizmente, uma das vantagens de viver em Lisboa (e são bastantes) é ter à disposição um calendário de iniciativas gratuitas que lhe dá poucos argumentos para ficar a preguiçar em casa. Por isso mesmo, todas as semanas, trazemos-lhe sugestões para aproveitar, à borla, tudo o que Lisboa tem para oferecer, ou seja, eventos de que pode usufruir sem ter de abrir os cordões à bolsa. Vai ficar surpreendido com a quantidade de coisas grátis que há para fazer em Lisboa.

  • Coisas para fazer

Não sabe o que fazer em Lisboa? De passeios pelo Parque Florestal de Monsanto até ver as vistas de outro ângulo, temos uma grande variedade de sugestões para aproveitar tudo quanto é à borla na cidade. São dezenas de coisas grátis para fazer em Lisboa: afinal não queremos que deixe de aproveitar o melhor que a cidade tem apenas por ter a carteira mais vazia. Há muito para fazer à borla em Lisboa. Não acredita? Então espreite a lista que se segue. Não se vai arrepender. Já lhe dissemos que é grátis?

Publicidade
  • Museus

Não é ao domingo de manhã, sexta à tarde ou segunda de madrugada. Estes museus são de entrada gratuita sempre que a porta está aberta ao público (em alguns terá de marcar). E a busca pela descoberta de um museu gratuito também pode significar a descoberta de um museu que nem sempre está nas bocas do mundo e, como sabe, o conhecimento não ocupa lugar, por isso quanto mais melhor. Fomos à procura dos museus grátis em Lisboa e concelhos vizinhos e descobrimos algumas pérolas museológicas. Da sala de operações do Movimento das Forças Armadas ao museu que respira dinheiro, há muito para aprender sem gastar um tostão. Aventure-se nestes museus grátis em Lisboa e arredores.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade