A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Rua da Silva
Fotografia: Mariana Valle LimaRua da Silva

I see your true colours: conheça as ruas coloridas de Lisboa

A luz de Lisboa tem a fama, mas são as suas cores que têm o proveito. Descubra as ruas coloridas da cidade.

Raquel Dias da Silva
Escrito por
Raquel Dias da Silva
Publicidade

Primeiro veio a rua cor-de-rosa, a famosa pink street no Cais do Sodré. Depois as ruas azuis e verdes, à conta da iniciativa municipal A Rua É Sua, que se dedica a devolver aos cidadãos, temporária ou permanentemente, o espaço público habitualmente utilizado pelos carros. Mas as cores de Lisboa não se fazem só de tinta no chão para afastar os veículos. Fazem-se também de munícipes criativos, como os residentes na Rua da Silva, que a transformaram na rua mais verde da cidade com um exército de plantas e flores. E o que têm todas estas ruas em comum? Muitas paragens que valem a pena descobrir, claro. Conheça as ruas coloridas de Lisboa.

Recomendado: O melhor guia de coisas para fazer em Lisboa

As ruas coloridas de Lisboa

  • Noite
  • Bares abertos de madrugada

Depois de uma transformação profunda, iniciada ainda em meados dos anos zero, a década passada viu o Cais do Sodré impor-se como um dos epicentros da noite lisboeta. Outra vez. Um dos momentos-chave desta renovação foi a pintura do pavimento da Rua Nova do Carvalho, que em 2011 passou a ser conhecida como a Rua Cor-de-Rosa – ou pink street, na linguagem dos turistas – e virou íman para todos os que procuram a noite. Neste recanto da cidade, entretanto ocupado por esplanadas e chapéus de sol coloridos, o decadente deu lugar ao cool e o kitsch passou a ser um ponto a favor. Hoje, estes bares na Rua-Cor-de-Rosa são paragens obrigatórias.

  • Coisas para fazer

O arruamento que em 1755 ficou com a designação definitiva de Rua dos Bacalhoeiros tem história. Mas, até há poucos anos, era precisamente isso: uma lembrança do passado. Até que a zona mudou e o Campo das Cebolas, remodelado em 2018, trouxe gente àquele canto da cidade, alterou rotinas, fachadas, hábitos. A rua, fechada ao trânsito automóvel, ganhou um fôlego perdido há décadas. E, em 2020, de cara lavada, azulinha, viu as esplanadas crescer e tornou-se mesmo um dos mais fervilhantes pólos da capital. Descubra as dez paragens obrigatórias na Rua dos Bacalhoeiros.

Publicidade
  • Coisas para fazer

Esta rua nasceu às custas da destruição de mais uma parcela do antigo Convento da Santíssima Trindade, onde se veio a instalar a também histórica Cervejaria da Trindade. Hoje, é uma artéria comercial única. Com uma nova zona pedonal (que inclui a pintura de um troço para maior sinalização), o espaço de circulação e a área para esplanadas cresceu ainda mais. E vale a visita. Desde restaurantes até uma loja de roupa sustentável, passando por duas academias a não perder, uma de música e outra de jardinagem, há muito para descobrir na Rua da Nova da Trindade.

  • Coisas para fazer

Entre o Conde Barão e São Bento, a famosa rua verde de Lisboa é tão popular que até tem um perfil de Instagram. Mas, atenção, o chão não está pintado: o epíteto é mérito de Armando, o senhor das plantas, que decorou a sua varanda e contagiou as dos vizinhos. Apesar de ser uma das mais estreitas da cidade, a Rua da Silva, assim se chama na verdade, tem muito por descobrir. Desde uma loja de produtos com CBD até vários restaurantes, passando por um ateliê de joalharia e uma salão de bem estar, são várias as paragens à sua espera.

Publicidade
  • Coisas para fazer

Desde 2020 que a Rua Cláudio Nunes está cortada ao trânsito, num troço de 70 metros, entre a Rua Ernesto da Silva e a Estrada de Benfica (onde a rua termina sem saída). Pintada de verde e decorada com floreiras em material reciclado, tem agora mais espaço para as pessoas e o comércio local. E até já foi palco do Arraial Mais Pequeno do Mundo. Entre vários restaurantes de bairro, encontramos também algumas surpresas, como um estúdio de tatuagens e um dojo para fãs de artes marciais. Curioso? Vá lá espreitar.

  • Restaurantes

Há qualquer coisa de alegre numa rua pintada, seja cor-de-rosa ou amarela. Nesta última, em pleno centro histórico de Cascais, no eixo que compreende as ruas Nova da Alfarrobeira, Alexandre Herculano e Afonso Sanches, paira uma vibração boa, como se estivéssemos noutro território. Foi aqui que a Câmara instalou, desde o Verão 2020, uma zona dedicada à restauração de rua, sem trânsito, e cheia de gente animada de um lado para o outro. Cada vez mais um ponto de paragem obrigatório para cascalenses e visitantes quando os objectivos são comer bem, beber um copo e dar um pezinho de dança – tudo no mesmo raio de acção, sem ter de andar de carro ou uber de um lado para o outro –, conheça os melhores restaurantes na Rua Amarela, em Cascais.

Para aproveitar a luz de Lisboa

  • Restaurantes

Não há frio que assuste nem calor que nos demova. A esplanada ainda é, na maior parte das vezes, o melhor lugar para se estar, independentemente do plano. A lista que se segue é um apanhado das últimas novidades fresquinhas. Tudo o que tem de fazer é sair para a rua, consultar este guia e aproveitar estas 18 novas esplanadas em Lisboa.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade