As dez melhores salas de concertos de Lisboa

Há muita música para ouvir em Lisboa e muitos sítios onde ouvi-la. Eis as dez melhores salas de concertos em Lisboa

© DR

Rock, jazz, metal, hip-hop, música indie, electrónica... Há muita música para ver e ouvir na capital e muitos sítios e salas onde o fazer. Mas nem todas são iguais, nem todas valem a pena. Estas são as dez melhores salas de concertos em Lisboa, com música para todos os gostos e públicos. Desde pequenos bares com concertos gratuitos mas escolhidos a dedo, como o Lounge ou as Damas, a grandes palcos como o Coliseu dos Recreios ou a Altice Arena, passando por salas sem as quais a cidade seria diferente, como a Zé dos Bois ou o MusicBox. É só escolher.

Recomendado: Os melhores concertos em Lisboa esta semana

As dez melhores salas de concertos de Lisboa

Altice Arena

A Altice Arena (ou seja a ex-MEO Arena, ou seja o ex-Pavilhão Atlântico) não é a melhor sala do mundo nem do país para ver concertos. Ainda assim, é difícil deixá-la de fora de uma lista destas. A acústica pode ser um problema sério e antigo, e não é propriamente o sítio mais confortável e acolhedor, não obstante é lá que todos os meses tocam alguns dos maiores músicos do mundo. Não é por acaso que, quem gosta de grandes concertos, regressa ao Parque das Nações uma e outra vez.

Parque das Nações

Casa Independente

5 /5 estrelas

A abertura desta casa que mais parece um pequeno palácio, em 2012, coincidiu com a transformação do Largo do Intendente num destino nocturno de eleição. Todas as semanas há DJ sets, workshops e muitas outras acções culturais, além dos obrigatórios concertos. Um dos destaques da programação continua a ser a mensalidade da formação indie-folk They’re Heading West, que todos os meses convida um cantor ou músico diferente para se juntar a eles, e a residência das Produções Incêndio, a Casa Ardente, com gente boa e nova.

Intendente
Publicidade

Coliseu dos Recreios

É um dos palcos verdadeiramente emblemáticos da capital. Inaugurado em 1890, o Coliseu de Lisboa sempre foi uma sala de matriz popular e há muitos anos que é o lugar de eleição para a consagração de sucessivos artistas portugueses e a apresentação dos novos trabalhos de músicos internacionais consagrados.

Santa Maria Maior

Damas

Poucas salas lisboetas, nos últimos anos, se conseguiram afirmar tão depressa e decisivamente como as Damas. Há sempre qualquer coisa para ver ou ouvir neste misto de bar, restaurante e sala de concertos inaugurado em Abril de 2015 na Rua da Voz do Operário, na Graça. Desde música africana a electrónica, do hip-hop ou indie rock. Ouve-se de tudo, dependendo da noite e de quem está a programar a sala.

São Vicente 
Publicidade

Hot Clube de Portugal

4 /5 estrelas

Fundado em 1948, o Hot Clube de Portugal é um dos clubes de jazz mais antigos do continente europeu. Inicialmente localizado no nº 39 da Praça da Alegria, foi forçado a mudar de instalações depois de um incêndio, em 2009, contudo a sua identidade e programação mantiveram-se virtualmente inalteradas. Recebe todas as semanas jovens (e menos jovens) músicos portugueses, bem como jazzmen internacionais em digressão pela Europa.

Avenida da Liberdade/Príncipe Real

Lounge

4 /5 estrelas

Não há muitos espaços como o Lounge na capital. Um bar com as portas abertas todos os dias, onde a música é quem mais ordena. Todas as noites há DJs diferentes na cabine, bem como uma aposta constante e criteriosa nas actuações ao vivo, que podem ir do garage rock a electrónica experimental. A residência da promotora Filho Único, uma quarta-feira por mês, é uma das melhores noites para passar por aqui. Sempre com entrada livre.

Cais do Sodré
Publicidade

MusicBox

5 /5 estrelas
Escolha dos críticos

Poucas salas da cidade têm uma programação tão forte e consistente como o MusicBox Lisboa. Desde que abriu as portas, em 2006, que todas as semanas tem concertos e DJ sets de qualidade, com nomes nacionais e artistas internacionais que vale muito a pena ouvir. E há música para todos os gostos, do indie rock à cumbia.

Cais do Sodré

RCA Club

É actualmente a principal sala de concertos de metal e rock pesado de Lisboa. Fica na zona industrial de Alvalade e tem música ao vivo todos os fins-de-semana (e até nalguns dia da semana, quando as agendas dos artistas internacionais a tanto obrigam). Quer sejam de bandas de versões ou de originais, portuguesas ou estrangeiras. Todos os meses tem pelo menos um ou dois grandes concertos.

Alvalade
Publicidade

Sabotage

Rock, rock e mais rock. É, basicamente, isto que se ouve no Sabotage. A sala do Cais do Sodré costuma ter actuações ao vivo entre quinta-feira e sábado, sempre com bandas de originais. Desde concertos indie, programados por pequenas editoras nacionais, até stoner, garage e psych-rock. Aqui a guitarra eléctrica é rainha e senhora.

Cais do Sodré

Zé dos Bois

4 /5 estrelas

Lisboa não seria a mesma sem a incontornável Galeria Zé dos Bois. E isto não é um exagero retórico, é um facto. O trabalho de programação e curadoria ali desenvolvido ao longo de mais de uma década por sucessivos programadores foi decisivo para abrir a cidade a outras músicas, e o espaço do Bairro Alto continua a ser absolutamente fulcral. É a mais importante sala de música alternativa e exploratória da cidade.

Bairro Alto
Publicidade

Mais concertos

Concertos em Lisboa

Ninguém se pode queixar de não ter o que ver e ouvir ao vivo em Lisboa. Há música para todos os gostos e carteiras. Do heavy metal britânico dos Iron Maiden à música brasileira de Caetano, Moreno, Zeca e Tom Veloso. E do rock electrónico dos LCD Soundsystem ao rock de estádio dos U2. Ou o jazz vocal de Gregory Porter e Salvador Sobral. Há dezenas de concertos em Lisboa até ao fim do ano, já para nem falar nos festivais que se multiplicam pela cidade. É só escolher onde investir o tempo e o dinheiro. E estamos aqui para o ajudar.

Por Editores da Time Out Lisboa

Concertos em Lisboa em Julho

É difícil falar em concertos em Lisboa durante o mês de Julho e não falar nos festivais de Verão. É lá que tocam os maiores e mais populares artistas: dos Pearl Jam no NOS Alive, a The xx no Super Bock Super Rock ou David Byrne no EDPCOOLJAZZ. É difícil mas não é impossível, porque há vida para lá dos festivais: de Lenny Kravitz aos Iron Maiden, passando por Ozzy Osbourne.

Por Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

Festivais de Verão: o que vem aí

Os festivais de música estão para o Verão como a chuva está para o Inverno: sabe bem de vez em quando, e mesmo quem não gosta reconhece que faz falta. Ao contrário da chuva, no entanto, há cada vez mais e maiores festivais. E há para todos os gosto. Desde mega-produções como o Rock in Rio Lisboa ou o NOS Alive, a festivais um pouco mais pequenos mas ainda assim grandes, como o Super Bock Super Rock ou o Vodafone Paredes de Coura, e eventos mais especializados como o Jazz em Agosto ou o FMM Sines. É só escolher.

Por Editores da Time Out Lisboa

Comentários

0 comments