Onde comer as melhores sopas em Lisboa

Sopa é bom sobretudo no Inverno. A selecção que fizemos garante prazer e alimento nas tigelas das melhores sopas em Lisboa

Fotografia: Ana LuziaA Sopa de Santola de Justa Nobre

Qual é a sopa do dia? “De legumes”. Mas que legumes? “Isso não sei”. Até há pouco, esta conversa com o empregado de mesa repetia-se vezes sem conta nos restaurantes da cidade. E era uma tristeza. Uma falta de consideração para com a sopa. Ora, felizmente, há cada vez mais cozinheiros para quem a sopa não é apenas uma panela com cenouras e batatas trituradas. Aliás, algumas das que lhe propomos demoraram horas a serem preparados e são mais complexas do que muitas receitas de chef.

Onde comer as melhores sopas de Lisboa

Macau Dim Sum

É dos sítios mais complicados para se encontrar, sobretudo para quem não é de Oeiras. Este restaurante chinês fica na ponta da Praceta de Maputo, uma praceta igual a tantas outras, num bairro igual a tantos outros. Dito isto, está sempre cheio. A principal razão é porque faz dos melhores dumplings da Grande Lisboa, a segunda porque o serviço é risonho. Esta sopa de wonton usa os extraordinários raviólis de massa de arroz feitos na casa, mas é o caldo que nos enche a alma, com o seu aroma a couve chinesa e a sésamo torrado.

Sopa Wonton: 
3,50€

Ler mais
Oeiras

Bonsai

4 /5 estrelas

A deliciosa sopa japonesa ramen, à base de caldo de carne, barriga de porco e noodles, regressou ao Bonsai, o histórico restaurante da Rua da Rosa. É servido aos sábados ao almoço, de duas em duas semanas, e convém confirmar datas no Facebook e reservar. Apesar de terem aparecido por aí umas aproximações, esta continua a ser das sopas ramen mais sérias da cidade.

Sopa Ramen: 
15€

Reservar agora Ler mais
Chiado/Cais do Sodré
Publicidade

Grande Palácio Hong Kong

No disputadíssimo campeonato das sopas ácidas picantes que se comem em Lisboa, há uma que se destaca. A do concorrido restaurante cantonês Grande Palácio Hong Kong – também conhecido como “aquele chinês ali ao pé da Portugália” – é imbatível quer em ácido-picante, quer nas pequeníssimas e deliciosas peças que a compõem, dos cogumelos orelha-de-judeu ao tofu e aos coentros frescos, tudo ligado por ovo batido e aqueles pozinhos que tornam as sopas chinesas num caldinho viscoso bom.

Sopa Ácida Picante: 3,25€

Ler mais
Lisboa

Cochinchina

O restaurante nasceu dedicado à comida vietnamita e à ligação dos portugueses com este país. Daí veio o nome que lembra a forma como os navegadores baptizaram o que é hoje o Vietname. Aí come-se uma quantidade generosa de caldo quente e aromático: os pho vêm na sua versão de carne ou vegetariano.

Pho: 10,50€ a 12,50€

Ler mais
Avenida da Liberdade/Príncipe Real
Publicidade

Quanjude

3 /5 estrelas

Neste restaurante de cozinha Sichuan a especialidade é o Pato à Pequim e com ele pode vir uma de duas delícias: uma fritada de pato com pimenta preta ou a canja de pato - um caldo quente com pato desfiado e aromatizado com coentros e gengíbre. Confie no crítico Alfredo Lacerda que diz que é excelente.

Canja servida com meio pato: 26,90€

Ler mais
Parque das Nações

Onde comer as melhores sopas de Lisboa

La Parisienne Bistrot Français

4 /5 estrelas

“É uma especialidade meu”, diz o chef Xavier Charrier, com um sotaque e uma sintaxe que são também um condimento essencial de um verdadeiro bistrô francês. Para além de mestre na arte de encher chouriços e outros enchidos (esteve à frente da excelente charcutaria do Linhó Chez Jules), Xavier faz uma soupe à l’oignon gratinée perfeita. No caldo de carne de vaca entram cebolas vermelhas, mais doces, vinho branco e louro. Depois o pão tostado e queijo Gruyère. Mesmo antes de servir, vai tudo a gratinar numa tostadeira.

Sopa de Cebola Gratinada: 8€

Ler mais
Chiado

Stanislav

4 /5 estrelas

Esta não foi uma entrevista fácil. A receita foi-nos dada por Stanislav, o dono do restaurante, que a traduzia instantaneamente da boca do seu chef ucraniano, que, por sua vez, a debitava em russo, aos gritos, da cozinha (mais internacional e genuíno do que isto não há). O borsch leva na sua base um caldo de vaca com beterraba. Numa panela ao lado cozem-se cebolas, cenouras e batatas; e, numa frigideira, fritam-se em azeite português legumes laminados. Junta-se tudo com uma ordem específica e tapa-se o caldo com couve coração portuguesa. Por cima, para suavizar a sopa, deita-se uma colher de smetana (sour cream). Tudo muito típico, mas com toques lusitanos.

Sopa Borsch: 4€

Ler mais
Avenida da Liberdade/Príncipe Real
Publicidade

Kaffeehaus

5 /5 estrelas

Pedi-la tal como ela está na carta é uma tarefa árdua. Se não acredita, repita: Serbische Bohnensuppe. Passemos ao conteúdo. Na base da sopa sérvia está um refogado de cebola com presunto austríaco, pimenta, picante (não especificaram qual porque é segredo), tomate concentrado, louro e vinagre. Quando tudo estiver bem salteado, junta-se na mesma panela os quatro tipos de feijão: o branco, o preto, o de manteiga e o vermelho. Só depois, a água, e vai a lume brando, durante quatro horas, para ganhar consistência. Se não lhe agradar, tem sempre as tagessuppe, as sopas do dia.

Sopa Sérvia: 5,60€

Ler mais
Chiado

Onde comer as melhores sopas de Lisboa

O Galito

4 /5 estrelas

Até Março, o Galito vai servir canja de pombo bravo: uma sopa inusitada, sazonal, e “que não vai encontrar em qualquer lado”, asseguram. “Só a servimos nesta altura do ano porque é quando os pombos estão melhores, mais gordos e com uma camada de gordura à volta do peito que os faz ficar mais saborosos”, explica Leonardo Galito, cozinheiro e filho do dono. Além de um peito inteiro de pombo, esta canja leva ainda toucinho de porco preto, chouriço vermelho de carne, arroz e hortelã. Está na carta há mais de 20 anos e é um sucesso.

Canja de Pombo Bravo: 16€

Ler mais
Carnide/Colégio Militar

O Magano

4 /5 estrelas

É um dos melhores restaurantes alentejanos da cidade e tem sopas de comer e chorar por mais. A sopa de cação do Magano, com peixe da nossa costa, é feita a partir de um caldo com alho, louro, coentros e vinagre. O peixe é cozido na mistura que é, depois, engrossada com farinha de trigo. Ao lado, a acompanhar, vem sempre pão torrado ou pão do dia anterior. Esta receita, feita com muito esmero pela dona Cecília, tem vindo a ser melhorada com o tempo, pois há mais de 12 anos que está na carta. Além desta, há ainda a sopa de tomate, garoupa e ovo escalfado (17€). Também “fantástica”.

Sopa de Cação: 14€

Ler mais
Campo de Ourique
Publicidade

Espaço Açores

O cozido aqui é o das Furnas. Não é feito nas furnas, mas numa câmara que simula o ambiente vulcânico em que os grandes panelões vão a cozer em São Miguel para fazer o cozido. O aroma carregado deste caldo e dos legumes é o que vai encontrar na tigela de sopa do cozido das Furnas.

Sopa do cozido das Furnas: 3,95€

Ler mais
Ajuda

Zé Varunca

Vá com um jejum de três dias ou convoque o grupo inteiro de Whatsapp para almoçar: a sopa de tomate do Zé Varunca requer, sempre, muita fome ou muita companhia. Servida só às quartas-feiras, vem dentro de um pote alentejano (dos grandes) e é feita com um caldo de tomate, pão, ovos escalfados, pimentos e orégãos.

Sopa de Tomate: 5,50€

Ler mais
Bairro Alto
Publicidade

A Valenciana

Está sempre nos tops do melhor frango assado da cidade e é esse boa parte do seu negócio. Mas a Valenciana está também na lista das valerosas canjas desta cidade, sobretudo porque a entraga em casa (através do serviço No Menu). Para efermos e para gente saudável, é sopa que se encontra também no Beira Gare, junto à estação do Rossio, e no Galeto, na Avenida da República, só para nomear três.

Canja: 2,50€

Ler mais
Campolide

O Caldo Verde

4 /5 estrelas

Comida portuguesa caseira, sem falhas, em doses generosas. O Caldo Verde tem ícones de sempre como as lulas recheadas ou o bacalhau à Brás - alguns deles já dificeis de encontrar, diponíveis sob encomenda. O que há-de tartar desaparecer é aquele que lhe dá nome. O caldo verde tem "a couve numa cor viva, rodelas de chouriço, sabor apurado, e muito bom para mergulhar o pão", descreve a crítica Marta Brown.

Caldo Verde: 2,50€

Ler mais
Santos
Publicidade

Tasca Urso

A receita que se faz na Tasca Urso é a de Almeirim, o que quer dizer que não há no prato grandes verduras para além dos coentros que refrescam tudo no final. Esta sopa rica é para aquecer o estômago e a alma: tem feijão vermelho, cubos de batata e um desfile de carnes: carne de porco, chispe, orelha, farinheira, morcela e chouriço de carne. Nesta tasca com ar de casa da avó  – se a avó for uma coleccionadora de objectos kitsch deliciosos – as sopas reconfortantes não se ficam por aqui. Há sopa alentejana – ou açorda, se estivermos a falar com um nativo da região – e há sempre uma sopa do dia, que também promete consistência.

Sopa da Pedra: 7€

Ler mais
Princípe Real

Onde comer as melhores sopas de Lisboa

Mercantina Alvalade

4 /5 estrelas

Não há apenas boas pizzas napolitanas na Mercantina, o restaurante que ajudou o Centro Comercial de Alvalade a levantar-se do túmulo. Diga-se que o chef Giorgio Damasio não ligava muito a sopas. Até que teve filhos. “Especializei-me e agora gosto muito”, diz. A sua sopa de legumes é o melhor que uma sopa de legumes pode ser, e ainda leva brinde (o parmesão ralado). A base é sempre de cebola, cenoura e alho francês, mas o resto varia. Um pormenor: nunca leva batatas. Como se consegue então aquela cremosidade? Giorgio explica: “Com a curgete, só a parte branca”. E a Bimby em velocidade máxima, acrescentamos nós.

Sopa de Legumes: 2,90€

Ler mais
Alvalade

Masstige Avenidas

Há cremes coloridos todos os dias diferentes e ainda há as sopas sem batata, da vichyssoise de alho francês, creme de espargos ou de feijão preto, de cenoura ou de marisco. Para além de se comeram na casa, no interior ou na pátio ao ar livre, também se podem encomendar e ser entregues em casa, ou passar-se pelo restaurante e trazer uma das embalagens: é chegar a casa e aquecer.

Sopa do dia: 3€

Ler mais
São Sebastião
Publicidade

Onde comer as melhores sopas de Lisboa

Faz Gostos

5 /5 estrelas

O nome correcto deste prato é Canja de Amêijoas da Ria Formosa. A origem dos bivalves é autêntica e certificada pelo dono do restaurante e do viveiro (na ria), Duval Pestana, também autor da receita. Além das amêijoas vivas, da base de bom azeite, de arroz e de meio tomate que é colocado sempre a meio da cozedura – um truque do cozinheiro que lhe foi ensinado por um pescador –, no final juntam-se umas folhas de hortelã que dão um aroma fresquíssimo à reconfortante canja.

Canja de Amêijoas: 9,50€

Ler mais
Chiado

O Nobre

4 /5 estrelas

Venham as entradas que vierem, não há melhor forma de arrancar uma refeição no restaurante da família Nobre. Feita pela chef Justa há mais 35 anos, a sopa de santola é uma especialidade confeccionada dia sim, dia não, numa média de 30 litros de cada vez. A receita inclui todo o recheio da santola (ovas incluídas), inclui um caldo que usa a água da cozedura dos crustáceos e cabeças de camarão, inclui cebolas, concentrado de tomate, Vinho do Porto Seco, raiz de gengibre e outros temperos que a tornam única.

Sopa de Santola: 9,95€

Ler mais
Areeiro/Alameda
Publicidade

Nova Pombalina

Se os grelos não forem da produtora do costume, então não há sopa para ninguém. “Temos pena, mas não vamos dar uma sopa menos boa ao cliente. Não a vamos fazer com uns grelos quaisquer”, diz Manuel Maurício, um dos donos da Nova Pombalina. Pois é, o segredo desta sopa reside nos rebentos que “uma senhora de confiança produz sem preparados”. A sopa é feita uma vez por semana e num dia chegam a vender mais de 50 porções. “Leva ainda batata, cebola, cenoura, alhos e baguinhos de arroz salteados. Tudo muito bom, para dar saúde.”

Sopa de Grelos: 1,70€

Ler mais
Baixa Pombalina

Populi

No Populi as sopas são de inspiração portuguesa porque os turistas do Terreiro do Paço é isso que procuram. A sopa fria do sítio é o gaspacho, o creme de tomate e pepino passado e servido com um fio de azeite.

Gaspacho: 4,50€

Ler mais
Publicidade

Adraga

5 /5 estrelas
Escolha dos críticos

O prato é louça normal. O peixe... é daquela qualidade que 99% dos restaurantes gostavam de ter e não têm. Nem podem, já agora, pela infeliz circunstância de não terem o mar à porta. A Adraga faz-se valer desse privilégio para servir o melhor peixe do hemisfério Norte, mais coisa menos coisa, mas também mimos como esta sopa do mar, que não é “rica” no nome, como é hábito, mas milionária em ingredientes. A textura de uma sopa alentejana, o picante de um caldo apurado, os lombos de peixe (do dia) brancos, por lascar, a ensinar que não se fazem coisas destas com restos.

Sopa de Peixe: 4€

Ler mais
Sintra

Restaurantes étnicos em Lisboa

Publicidade

Comentários

1 comments