O que são e onde beber vinhos naturais em Lisboa

O movimento a favor dos vinhos feitos sem químicos, desde a uva até à garrafa, está a crescer. Saiba o que são vinhos naturais e onde os beber em Lisboa
Garrafeira Pura
©DR
Por Inês Garcia |
Publicidade

Os vinhos naturais e biológicos não são moda passageira, são diferentes, e o método de produção é, aliás, bem antigo. Começamos por lhe explicar as diferenças entre vinificação natural, biológica e biodinâmica e dizemos-lhe onde pode ir tirar as teimas e provar este tipo de vinhos em Lisboa. Bons brindes.

Leia este glossário antes de ir a qualquer um destes restaurantes e cafés – se é para ir, que seja com conhecimento de causa


Vinho natural: é feito por pequenos produtores com uvas próprias, colhidas à mão, de agriculturas biológicas ou biodinâmicas, e fermentadas apenas com leveduras autóctones. Desde a apanha da uva até ao engarrafamento não são utilizados quaisquer químicos ou produtos industriais.

Vinho biológico: a certificação biológica permite que se adicione uma série de aditivos que o movimento dos vinhos naturais recusa, como o enxofre e o cobre.

Vinho biodinâmico: resulta de um modo de produção que olha para a vinha como uma componente do meio ambiente envolvente. São usadas preparações especiais de sprays à base de plantas e adubos, aplicadas de acordo com o calendário lunar. 

 

Onde beber vinhos naturais e biológicos em Lisboa

Prado
Arlindo Camacho
Restaurantes, Português

Prado

icon-location-pin Castelo de São Jorge

António Galapito fez crescer um Prado ao pé da Sé, um restaurante onde trabalha o gado e vegetação orgânica. Usa os ingredientes que os produtores portugueses lhe dizem que estão bons e, por isso, não tem uma carta propriamente fixa. Todos os dias há qualquer coisa que muda, dos cortes aos peixes. Do outro lado do aparthotel The Lisboans, onde fica o restaurante, há a Mercearia do Prado, onde se vendem produtos a granel, compotas e fiambres de porco preto.    Crítica:  A restauração é como qualquer outro mercado. Quando chega alguém forte ao mercado, o mercado estrebucha. E a restauração estrebuchou com o Prado. De alegria. De surpresa. De inveja. A fazer claque, antes sequer 
da equipa entrar em campo, os bloggers com mais mundo. Na internet, a excitação começou andava António Galapito de quinta em quinta à procura de fornecedores. Ex-braço direito
 de Nuno Mendes, na Taberna
do Mercado, em Londres, o chef anunciou logo ao que vinha e a comunidade vibrou: a ideia era fazer uma cozinha da-horta- -para-a-mesa, com produtos portugueses e técnicas de todo
o lado, em pratos para partilhar, num sítio onde um adulto de ténis se sentisse confortável a comer com faqueiro de grife. Os modernos rejubilaram, os antigos torceram o nariz. Uns e outros tinham razões. Havia indícios de que podíamos estar perante algo de novo e bom. Mas também podia ser só estrangeirite, apanhar a tendência, encher a boca de farm to table e fazer a brisa nórdica sentir-se na Sé de Lisboa.
 O Prado podi

A Time Out diz
Restaurantes, Cafés

Café Tati

icon-location-pin Cais do Sodré

O Tati é um café acolhedor com uma decoração vintage do género “feira da ladra chic” que serve refeições ligeiras durante todo o dia. É um pouco como estar no estrangeiro, não só pelo ambiente descontraído e moderninho mas também pela cozinha que mistura várias influências. E toda a modernice pede sessões de jazz para sermos livres e praticarmos air-saxofone (se é que isto existe). É isso que acontece todos os domingos, a partir das 17.00, sempre com grupos distintos. 

A Time Out diz
Publicidade
Restaurante Loco
Fotografia:Arlindo Camacho
Restaurantes

Loco

icon-location-pin Estrela/Lapa/Santos

De início houve alguma bazófia e era fácil embirrar com o sítio. Quando alguém sente necessidade de proclamar a sua “corrente criativa constante”, frequentemente acaba sozinho num onanismo preguiçoso gritando aleivosias contra os brutos lá fora. Ninguém gritou no Loco mas a reacção a um projecto que se apresentava com “um outro nível conceptual”, “uma experiência total”, foi vigorosa. Um respeitável crítico gastronómico espanhol foi quem primeiro disse “nem tanto”. Depois de uma visita a Lisboa, Carlos Maribona escreveu no blogue do jornal ABC um texto amargo. Nem a cozinha do chef Alexandre Silva era assim tão original, nem a comida era assim tão boa, nem a meta-culinária se recomendava. O crítico achou pouca graça, sobretudo, a ser servido à boca. A coisa descambaria numa subpolémica: de um lado os que queriam ser servidos à boca, do outro os que não queriam. Em qualquer caso, Espanha punha a foice em seara alheia. O terramotozinho na comunidade lusa foi imediato. Bloggers e facebookers espalharam a sua indignação contra o invasor espanhol. Gente pronta a marchar pelos povos de todos os feitios malhou no irmão ibérico como se fosse 14 de Agosto de 1385. Toda a gente perdeu a clarividência. Toda, menos Alexandre Silva. O texto de Maribona não deitou abaixo o chef, apresentado à nação em 2012, com a vitória no concurso Top Chef, da RTP. Silva já enfrentara dias difíceis e pareceu sempre aprender com os erros. O seu restaurante mais ambicioso, o Bocca, fechou pouco depois

A Time Out diz

Onde comprar

1

Os Goliardos

Têm 500 referências de vinhos online e uma garagem em Campolide que abre todas as semanas, às quintas e sextas, das 17.00 às 20.00.

Rua General Taborda, 91 (Campolide)

2
Garrafeira Nacional
Fotografia: Ana Luzia
Compras, Lojas de bebidas alcoólicas

Garrafeira Nacional

icon-location-pin Baixa Pombalina

Nas mãos da mesma família desde a dia de abertura, a Garrafeira Nacional, que nos últimos anos estendeu os seus tentáculos a mais duas lojas em Lisboa (a GN Cellar, na Baixa e ao Mercado da Ribeira), continua a ser o sítio certo para descobrir vinhos caros, comprar os mais correntes, as bebidas espirituosas, os licores, tudo. 

Publicidade
3
Restaurantes

Estado D'Alma

icon-location-pin Alcântara

Assim como a Garrafeira Nacional, o Estado D'Alma também já começa a ter algumas referências de vinhos naturais e biológicos. Na dúvida, peça ajuda.

Também poderá querer ler...

Biomercado
Fotografia: Arlindo Camacho
Compras

As melhores lojas e mercados biológicos em Lisboa

Mas afinal o que é isto dos produtos biológicos? É coisa de grilos e de vegetarianos? E como ter a certeza de que se leva para casa carne, fruta e legumes fresquinhos, saborosos e livres de químicos bons para fabricar pneus? Fácil: todos os produtos bio estão identificados com o logótipo europeu de Agricultura Biológica. É só procurar a folhinha verde nestas lojas e mercados biológicos em Lisboa.

BioSolo - Frutas e Legumes
Fotografia: Ana Luzia
Compras, Mercearias

Os melhores cabazes de frutas e legumes de Lisboa

Os melhores cabazes de frutas e legumes de Lisboa fazem-lhe a papinha toda. Quer dizer, a sopa não aparece cozinhada, nem a salada preparada, mas as idas ao supermercado ou à feira passam a ser quase desnecessárias. É que estes cestinhos cheios de verduras e frutas frescas estão à distância de um clique da porta da sua casa.    

Publicidade
Coisas para fazer

30 tendências para 2018

Andámos a bisbilhotar o futuro e partilhamos consigo umas dicas sobre aquilo que vai fazer, comer, comprar, amar e odiar no novo ano. São 30 tendências para 2018. 

Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com