Global icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Os melhores restaurantes para comer comida coreana em Lisboa

Os melhores restaurantes para comer comida coreana em Lisboa

Neste roteiro com restaurantes coreanos e pan-asiáticos viaja rapidamente até à Coreia com bons pratos.
Bibimbap
©Inês Félix Bibimbap
Por Inês Garcia |
Publicidade

Não é fácil encontrar restaurantes de apenas comida coreana autêntica no centro de Lisboa – mas a riquíssima gastronomia da Coreia está a ganhar seguidores e importância na cena gastronómica da cidade e já há várias opções para arriscar e provar. Neste roteiro, identificámos dois restaurantes coreanos, um em Odivelas, outro no food court do Mercado Oriental, no Martim Moniz. Mas se é fã destes sabores, há maneira de comer alguns pratos típicos nos bons pan-asiáticos que proliferam em Lisboa. Junte ao seu vocabulário gastronómico os nomes kimchi, bibimbap, japchae ou gojuchang, coma novos caldinhos, massas ou pratos de conforto. 

Recomendado: Os melhores restaurantes do mundo em Lisboa

Os melhores restaurantes para comer comida coreana em Lisboa

Restaurantes, Coreano

Xin

icon-location-pin Grande Lisboa

Este restaurante coreano em Odivelas tem selo de qualidade Time Out: teve quatro estrelas do crítico da Time Out Alfredo Lacerda graças ao bimbibap um prato de arroz com uma camada de legumes, tiras de carne e um ovo estrelado a coroar tudo. 

Mercado Oriental
©Inês Félix
Restaurantes, Asiático contemporâneo

K-BaB

icon-location-pin Santa Maria Maior

O K-BaB, no Mercado Oriental, é um dos primeiros restaurantes desta gastronomia no centro de Lisboa, uma cidade com uma pequena comunidade coreana. Aqui servem o clássico desta gastronomia bibimbap, um arroz misturado com carne e vegetais com pasta de malagueta e um ovo no topo, pronto a ser misturado com uma colher (12€), a sopa coreana picante sundubu-jjigae (11€), o frango frito à maneira coreana, guloso e doce, yangnyeom-chicken (10€) ou ainda o prato ra-bokki, com massa, couve, bolinho de peixe, ovo cozido, cebola e alho francês (12€), todos eles servidos com uma dose de arroz e kimchi. 

Publicidade
Boa Bao
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Asiático contemporâneo

Boa Bao

icon-location-pin Chiado

O mais provável é ter de ficar cá fora à espera de uma mesa – é o habitual desde que este pan-asiático abriu, com pratos tradicionais da Tailândia, Vietname, Laos, Camboja, Malásia, Coreia, Japão e China. Entre os pratos coreanos disponíveis está uma salada picante, a bibim-guksu, com noodles coreanos de batata doce roxa (9,50€), os noodles coreanos de batata doce com carne de vaca japchae (15€) ou o salmão bulgogi marinado em sumo de pêra coreana com legumes asiáticos (16,50€). Uma coisa é certa: o ambiente está sempre animado, da esplanada ao pátio interior, passando pelo balcão ao pé dos cozinheiros. 

soi
Fotografia: Francisco Santos
Restaurantes, Asiático contemporâneo

Soi

icon-location-pin Cais do Sodré

Neste restaurante onde reina a street food asiática, no Cais do Sodré, entre pratos de caril, baos e bons pad thai, há um dos petiscos mais típicos: pode besuntar os dedos com umas asas de frango fritas e salteadas em molho coreano (7,50€), bastante gulosas.



Publicidade
Soão
©Manuel Manso
Restaurantes, Asiático contemporâneo

Soão

icon-location-pin Alvalade

O pan-asiátiaco do grupo Sea Me leva-nos numa viagem por seis países do Oriente sem termos de sair de Alvalade, com uma carta extensa com propostas do Japão, Índia, China, Vietname, Coreia e Tailândia. Há duas entradas com selo coreano, as asas de frango com molho coreano e sementes de sésamo (8€) e o kimchi, uns picles de couve, cenoura e nabo conservados em kimchi. Nos pratos principais, nas recomendações do chef, está um prato da Coreia do Sul, o galbijjim, uma costela de vaca marinada e cozida a baixa temperatura (11€).



Sun Tan
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Asiático contemporâneo

Sun Tan

icon-location-pin Chiado/Cais do Sodré

Nestes 15 metros quadrados há diferentes sopas asiáticas, caldos que demoram muitas horas a fazer, alimentam bem e dão uma sensação de conforto no estômago. Volta e meia têm a sopa coreana de gochujang. O caldo é feito de ossos de vaca e galinha, gochujang (um condimento coreano feito com uma pasta fermentada de malagueta, arroz glutinoso, soja e sal), e servido com frango do campo ou carne de vaca estufada, espinafres, noodles de ramen e ovo. O Sun Tan não tem menu fixo, mas tem sempre uma opção de carne e outra vegetariana. Estas malgas grandes nunca ultrapassam os 7€.

Pratos do mundo em Lisboa

Ramen Tonkotsu shio do Afuri
Duarte Drago
Restaurantes

Os melhores sítios para comer ramen em Lisboa

Dantes, para comer um bom ramen teria de ser obrigatoriamente durante os meses de tempo frio (verdade seja dita continua a saber quando sabe melhor) e conjugar bem a sua agenda com a do Bonsai, o restaurante no Bairro Alto que continua a fazer a sopa japonesa – e bem – aos sábados. Entretanto os lisboetas começaram a estar mais atentos, e a arriscar mais, no que toca a comidas do mundo, e apareceram alguns sítios com bom ramen em Lisboa. O segredo desta sopa que veio do Japão para aquecer os alfacinhas está no caldo e nestes restaurantes em Lisboa há várias versões, todas boas para nos aquecer a alma. 

Mezze - Baklava
Fotografia: Francisco Santos
Restaurantes

Três sítios para comer baklava

Gregos, turcos e gentes do Médio Oriente reclamam o doce como seu mas na verdade a origem é controversa e não está muito bem documentada. O que interessa é que muitos foram os que pegaram na receita e a foram adaptando (há até versões salgadas) mas a base é sempre a mesma: massa filo, feita folha a folha. Este pastel doce é recheado com uma pasta de nozes trituradas e várias especiarias, tudo mergulhado numa calda de açúcar ou mel. Acresce os pistácios em alguns casos ou outros frutos secos. Coma baklava, em rolinho ou cortada em fatias ou quadrados, nestes três restaurantes de gastronomias bem diferentes em Lisboa. 

Publicidade
Casanova - Arancini
Fotografia: Duarte Drago
Restaurantes, Italiano

Três sítios para comer arancini

Mais redondinhos ou em forma de pêra, os arancini parecem uns croquetes super bem recheados. São típicos da ilha italiana Sicília e no interior têm risoto, queijo, ervilhas e ragú – é uma boa maneira, também, de aproveitar o risoto até ao último grão e combater o desperdício. Faça um roteiro por estes três restaurantes em Lisboa e descubra versões diferentes deste salgadinho italiano: com risoto de açafrão, carne picada e mozarela, outro com risoto de açafrão e queijo scarmoza a dar um sabor mais fumado e ainda os arancini recheados com risoto de cogumelos. 

More to explore

Publicidade