0 Gostar
Guardar

Roteiro Vintage em Lisboa

Nem tudo o que é velho cheira a mofo, e a segunda mão pode ter muito mais pinta do que a primeira. Embarque connosco nesta viagem ao passado pelas melhores lojas, cabeleireiros, escolas de dança e discotecas vintage de Lisboa.

©DR
Na Figaro's Barbershop não há cortes ao estilo do Cristiano Ronaldo: só vintage

Já lá vai o tempo em que os lisboetas ficavam de pé atrás com a segunda mão. A moda do vintage chegou, viu e venceu — e não quer arredar pé da cidade. No armário, em todas as divisões da casa, no cabelo, no prato e na ponta do pé, o vintage tem sido adoptado de forma mais ou menos radical e pode aparecer sob a forma de bagatela ou de artigo de luxo. Escolha a década do século passado que faz mais o seu género e procure-a neste roteiro vintage de Lisboa. Vai encontrar muitos tesourinhos — e nada deprimentes.   

Roteiro Vintage em Lisboa

1

Swing Station

As danças de outros tempos voltaram à berra e na Swing Station é possível aprender e praticar os moves de danças vintage americanas como tap, balboa, blues, vintage jazz ou – a estrela da companhia – lindy hop. O estilo, que nasceu na Nova Iorque dos anos 20 e 30 do século passado, tem influências do jazz, do sapateado e do charleston e dança-se a pares. Há aulas de segunda a quinta-feira – quer para principiantes e pés de chumbo, quer para casais com dom para o rodopio. Fique ainda atento ao site e ao Facebook da Swing Station: de vez em quando há festas para quem quer partir a pista à antiga, de saia rodada e sapatinho de atacadores.

Ler mais
Lisboa
2

A Outra Face da Lua

Tudo começou na Feira da Ladra. Acompanhada pelo pai, coleccionador de antiguidades, Carla Belchior cresceu entre velharias e criou um gostinho especial pelo vintage. Quando abriu A Outra Face da Lua, mostrou à cidade que do fundo do baú podem sair relíquias com muito estilo: dos acessórios às calças de ganga com os mais diversos cortes (incluindo aquele dos anos 80 que agora voltou a ser tendência). A loja vintage da Baixa, que também tem uma zona de cafetaria, é uma orgia de cores e padrões de outras décadas. A irmã e vizinha da frente, Viúva Alegre, dedica-se em exclusivo ao armário feminino, com vestidos de festa cheios de brilhos e chumaços, malas clássicas e intemporais e brincos espalhafatosos. 

Ler mais
Baixa Pombalina
3

Belarmino

O nome é uma homenagem ao pugilista Belarmino Fragoso, que em 1964 protagonizou o documentário de Fernando Lopes. O espaço é uma homenagem às barbearias tradicionais portuguesas e leva os clientes directamente das cadeiras em pele para as décadas de 20 a 60 do século passado. Aqui, Miguel Leão corta o cabelo e trata da barba à antiga. Pentes, tesouras, pincéis, navalhas, pomadas, ceras, luvas de boxe e skates compõem o cenário. 

Ler mais
Avenida da Liberdade/Príncipe Real
4

Pensão Amor

As camas, armários, poltronas e espelhos dos tempos em que o número 38 da Rua Nova do Carvalho era um bordel, com quartos alugados a prostitutas e marinheiros que atracavam no Cais do Sodré, sobrevivem na Pensão Amor, o lugar mais vintage da noite lisboeta. A decoração é burlesca, o ambiente é boémio e as actividades espalham-se pelas diferentes divisões: é possível dançar, beber, ler e até ler a sina.   

Ler mais
Cais do Sodré
5

Bang Bang Tattoo

Se quer fazer uma tatuagem old school e gravar na pele uma andorinha, uma pin-up ou uma caveira mexicana rume a Sintra: a Bang Bang é especializada no traço antigo e tem o ambiente mais kitsch que pode imaginar, com flamingos cor-de-rosa, leques chineses, uma havaiana em tamanho real, imagens da Nossa Senhora, bancos almofadados de padrão tigre, máscaras tribais e até um Zé Povinho. Nazaré e Pinela – ela especialista em piercings, ele em tatuagens – são os responsáveis pelo espaço que abriu em 2001.

Ler mais
Sintra
6

Retroshop

Máquinas de escrever, telefones de disco, máquinas fotográficas analógicas: as engenhocas de outros tempos não podem competir com computadores, tablets e máquinas digitais, mas dão belos acessórios de decoração. Na Retroshop, no Lx Factory, há gadgets de antigamente e muito mais: candeeiros, aparadores, sofás, letreiros, peças de carrosséis e aviões... Haja imaginação, gosto e orçamento e é possível reciclar tudo.  

Ler mais
Alcântara
7

Louie Louie

Velhotes ou novinhos em folha, os vinis da Louie Louie são uma viagem pela história da música. Achadões como Ike & Tina Turner, José Afonso e Chico Buarque e tesourinhos como Elvis ou Beach Boys – há discos para todos os que não se importam de ouvir música na companhia dos avós. Revivalistas mais indecisos, nada temam: há um bar dentro da loja, com café a 50 cêntimos, ideal para tomar decisões musicais difíceis.

Ler mais
Chiado
8

A Vida Portuguesa

Catarina Portas ressuscitou marcas portuguesas de outros tempos e nas lojas A Vida Portuguesa é possível matar saudades de produtos como a pasta de dentes Couto, o sabonete Benamôr, a cera Encerite, a farinha Zelly ou o chocolate Regina. Há ainda loiças, púcaros, atoalhados e outros acessórios de decoração vintage, como as lanternas da Latoaria Maciel, com 200 anos de vida – estes têm agora lugar de destaque na nova Vida Portuguesa na Rua Ivens.  

Ler mais
Chiado
9

Du Chic à Vendre

Chanel, Valentino, Prada, Gucci, Louis Vuitton – quem sonha ter no armário peças de assinatura, mas não tem orçamento para a Avenida da Liberdade, encontra na Du Chic à Vendre, em Campo de Ourique, uma bela oportunidade. Os artigos em segunda mão da loja da libanesa Monique Gealland, que vive em Portugal há mais de 40 anos, podem chegar aos 1500 euros – são raridades vintage valiosas que nasceram antes dos anos 80 e sobreviveram até ao século XXI.

Ler mais
Campo de Ourique
10

Cantinho do Vintage

Nem toda a gente gosta de ter uma casa igual ao catálogo do Ikea e não há arquitectura moderna onde não encaixe que nem uma luva uma ou outra peça vintage. No Cantinho do Vintage, local de romaria de muitos lisboetas aos sábados, as peças de mobiliário e os acessórios de decoração de outros tempos amontoam-se sobre mesas, estantes, carrinhos e armários. Vale a pena ir com tempo para descobrir as melhores pérolas. No irmão mais novo, Mercadinho do Vintage, tudo parece mais organizado e apesar da pinta old school estar lá, os objectos são quase sempre novos e até podem ser feitos à medida.

Ler mais
Beato
11

Petiscaria Ideal

Balcão de mármore, utensílios de cozinha pendurados, mosaico hidráulico e petiscos regados a vinho: será uma leitaria do início do século XX? Não: é a Petiscaria Ideal, na Madragoa, com o seu ambiente vintage e as suas tibornas, ovos mexidos, empadão de codorniz e mousse de chocolate. Junte os amigos e petisque como noutros tempos. 

Ler mais
Estrela/Lapa/Santos
12

Figaro's

Homens e cães são permitidos, mulheres não. A política da barbearia Figaro’s já deu água pela barba, mas não é para aqui chamada. Num roteiro vintage na cidade, não pode falhar o espaço onde os barbeiros têm pinta de dandy, a decoração faz viajar no tempo e os cortes são os que se usavam algures entre os anos 20 e 50. Bigodes enrolados, barbas feitas sem máquinas e cabelos com brilhantina fazem parte da fórmula de sucesso, que até convenceu David Beckham numa visita a Lisboa. 

Ler mais
Chiado/Cais do Sodré

Comentários

0 comments