Sítios para comer na Madragoa

Petiscos ou comida italiana autêntica. Siga o nosso roteiro de sítios para comer na Madragoa.
Heim Café
Fotografia: Arlindo Camacho
Por Clara Silva |
Publicidade

Não há estacionamento, por enquanto não há metro e não há muitas paragens de autocarro, mas a Madragoa é dos sítios mais concorridos ao jantar – e onde se come melhor, seja petiscos ou autêntica comida italiana.

 

Sítios para comer na Madragoa

Il Covo - Bolognesa
Fotografia: Francisco Santos
Restaurantes, Italiano

Il Covo

icon-location-pin Estrela/Lapa/Santos

Encontrá-lo não é fácil e talvez por isso ainda possamos dizer que é um segredo mais ou menos bem escondido. No meio da Madragoa, o restaurante de Luca Salvadori tem pasta fresca todos os dias (feita entre as 16.00 e as 19.00, pode assistir à preparação) e pratos de fazer crescer água na boca assim que se lê a ementa. Alguns, como os de peixe, nem estão na carta. Luca mora na Costa da Caparica, de onde costuma trazer todos os dias peixe fresco para inventar novos pratos. Prove o tiramisù.

 

A Time Out diz
Taberna da Esperança
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Português

Taberna da Esperança

icon-location-pin Estrela/Lapa/Santos

Com a Taberna Ideal, aberta em 2008, Susana Felicidade e Tânia Martins tornaram os jantares alfacinhas menos egoístas, com o conceito de petiscos portugueses para partilhar numa taberna cool. Entretanto, a gerência e o nome mudaram, mas houve uma preocupação em manter a decoração e os pratos.  Por exemplo, os picos da matança com figos e migas de tomate (9,90€).

A Time Out diz
Publicidade
Camera
Restaurantes

Varina da Madragoa

icon-location-pin Estrela/Lapa/Santos

Numa zona de peixe frequentada por varinas, o Varina da Madragoa é um dos restaurantes com comida mais típica da cidade. O bacalhau é o prato forte da casa, cozinhado de várias maneiras, à Brás, à Varina ou à lagareiro. Se está com dúvidas, não peça nenhum destes. Peça as pataniscas (10,5€ uma dose generosa), que já ganharam fama internacional. Os escalopes de vitela panados (10,5€) também têm boa reputação e este era um dos restaurantes preferidos de José Saramago. 

 

 

A Time Out diz
Camera
Restaurantes

Petiscaria Ideal

icon-location-pin Estrela/Lapa/Santos

É outra das heranças de Susana Felicidade e Tânia Martins, que há oito anos não conseguiam dar resposta a todos os esfomeados que procuravam a Taberna Ideal. A Petiscaria surgiu na porta ao lado, em 2010, como uma alternativa, e o sucesso foi o mesmo. As fundadoras saíram (Susana está à frente do Pharmácia desde 2011) e a Petiscaria mantém o conceito e continua a ser popular.

 

Publicidade
Heim Café
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes, Cafés

Heim Café

icon-location-pin Santos

É difícil ouvir falar português no Heim Café, uma espécie de sala de pequeno-almoço para turistas dos alojamentos locais das redondezas e estrangeiros a viver na cidade. Cheio a qualquer hora do dia, tem uma esplanada e um menu com vários tipos de brunch, que agradam a toda a gente. O que pode não agradar é mesmo a fila. Os donos do espaço são ucranianos e o nome do café com plantas quer dizer casa. Tem esplanada, para uma boa dose de vitamina D. 

 

A Time Out diz
Osteria - Pasta Al Pesto di Rapa Rossa
Fotografia: Manuel Manso
Restaurantes, Italiano

Osteria

icon-location-pin Estrela/Lapa/Santos

Chiara Ferro é uma cozinheira italiana de mão cheia, conhecedora da gastronomia do seu país de origem até ao tutano, mas não lhe venha cravar pizzas que na Osteria não as há. Chiara é também autora de um útil livro de massas, o Al Dente, mas não vá até à Madragoa só para isso (pode ir, mas fica a perder), porque há muito mais para além delas. Há almôndegas, uma lasanha de pão siciliano e outros pratos na linha Osteria, mais estilo tasca, a preços ajustados ao que se serve e um ambiente para lá de descontraído. Perfeito para: descobrir aquilo que os italianos entendem como “tasca”. Obrigatório provar: a pasta al pesto di rapa rossa, isto é, pesto de beterraba.

A Time Out diz
Publicidade
Pachamama
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

Pachamama

icon-location-pin Santos

Mário Rolando, o poeta do pão que em breve deverá abrir a Padaria da Esquina, em Campo de Ourique, com Vítor Sobral, é o responsável pelo maravilhoso pão do Pachamama, este restaurante bio entre Santos e o Cais do Sodré que tem opções saudáveis para pequenos e grandes almoços (e também jantares à sexta e sábado). Há pratos biológicos do dia com opção take-away – basta ligar a reservar umas horas antes. 

 

A Time Out diz
Camera
Restaurantes, Português

Tachadas

icon-location-pin Santos

Abundam tascas por estas bandas, mas é preciso ter dedo para escolhê-las. Ter dedo e ter apetite se estamos a falar do Tachadas, uma das melhores opções para carnívoros. O ex-líbris da casa é o bife da vazia à cortador na tábua, conhecido como “bife A4”, que alimenta uma matilha. Não aceita reservas, por isso chegue cedo ou tenha paciência. 

 

Publicidade
Camera
Restaurantes, Italiano

Come Prima

icon-location-pin Estrela/Lapa/Santos

O restaurante do nepalês Tanka Sapkota (Forno d’Oro, Il Mercato) é um dos melhores italianos da cidade e já recebeu vários prémios, entre eles o atestado de Hospitalidade Italiano, atribuído pelo governo de Itália. Da Time Out também já recebeu distinções como a de melhor prato de massa da cidade: o tajarin com salvia e tartufo nero (16,95€), com trufas. Uma maravilha. 

 

 

Restaurantes, Português

Pintas

icon-location-pin Santos

Vizinho da Mercearia da Mila, da pastelaria Lenita (conhecida pelos pastéis de nata) e do Heim, o Pintas, antiga Mimosa de Santos, abriu em 2016 com menus especiais de almoço e menus especiais de grupo. Ao almoço pode ser uma boa alternativa aos muito concorridos espaços da rua. De segunda a sexta, por 9€, tem direito a sopa, prato, bebida e café. Há opção de carne, vegetariana e de peixe e o menu da semana inteira é afixado à porta e no Facebook, exigências dos tempos modernos

 

Publicidade
Restaurante Lisboète
Fotografia: Ana Luzia
Restaurantes

Lisboète

icon-location-pin Santos

Henrique Sá Pessoa chegou a ter aqui o seu Alma (agora com uma estrela Michelin), mas em 2014 o espaço afrancesou-se. O chef Walter Blazevic está à frente do Lisboète e a cozinha é uma mistura de sabores gauleses e lusos, com combinações como o atum com cannellone de beringela e emulsão de ratatouille (18€) ou o duo de borrego, pastinaca e tâmaras (22€)

 

A Time Out diz
A Travessa
© Arlindo Camacho
Restaurantes

A Travessa

icon-location-pin Estrela/Lapa/Santos

Num antigo convento do século XVII, o Convento das Bernardas, onde fica o Museu da Marioneta, o restaurante mítico, popular entre políticos, artistas e intelectuais (e malta com dinheiro), comemora 40 anos de vida em 2018 e há sempre vários motivos para o visitar. A esplanada no claustro é uma das primeiras que nos vem à cabeça.

 

A Time Out diz
Publicidade
Restaurantes, Francês

La Boulangerie

icon-location-pin Estrela/Lapa/Santos

Entrou na lista da Time Out dos melhores croissants de Lisboa e é difícil não pedi-los depois de se sentar lá dentro. A fábrica é aberta para a sala e as suas narinas vão ser invadidas pelo cheiro dos croissants acabados de fazer. O café é uma escolha clássica para o brunch (20€ o brunch completo), que nesta altura do ano sabe muito melhor na esplanada. 

 

Restaurantes

Mercearia da Mila

icon-location-pin Santos

Mila e Tiago Rodrigues conheceram-se em Londres, no delicatessen onde Tiago trabalhava, e tinham a ideia de abrir uma mercearia em Inglaterra. A meio de uma viagem, perceberam que “Lisboa estava na moda, toda a gente falava da cidade” e mudaram-se em Março do ano passado. Em Abril, abriam a Mercearia da Mila, uma mercearia com produtos biológicos e locais que também serve refeições, para comer ali ou para levar (60% das coisas que vendem é produzida por eles, de pão, a saladas ou sumos). “Há um ano não passava ninguém nesta rua, ficámos ali na esquina a contar as pessoas, e nada”, lembra Tiago. As coisas mudaram e é difícil imaginar a Mercearia vazia – aliás, até tem uma hora de ponta, a de almoço, em que desencorajam as pessoas a usar o laptop.

Restaurantes de bairro

Espumantaria do Petisco - Tabua de Queijo
Fotografia: Arlindo Camacho
Restaurantes

Restaurantes obrigatórios na Graça

Lá em cima, há muita coisa nova a dar nas vistas. No bairro que está cheio de graça, sobra sempre espaço para um novo restaurante, mais um petisco ou até um docinho, dos novos crepes aos famosos pastéis de nata. Eis 11 restaurantes e pastelarias obrigatórios na Graça.

Ingri, um dos pratos do Tantura
© Arlindo Camacho
Restaurantes

Os melhores restaurantes no Bairro Alto

Corremos o Bairro Alto e cruzámo-nos com mais de 100 restaurantes pelo caminho, nem todos merecedores de nota, é certo. Da cozinha de autor ao restaurante israelita, estes são os oito melhores restaurantes no Bairro Alto. Recomendado: Os melhores restaurantes na Lapa e na Madragoa

Publicidade