A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Museu de Lisboa - Palácio Pimenta
©José Frade

As melhores coisas para fazer hoje em Lisboa

À procura de um bom plano para hoje? Siga as nossas sugestões das melhores coisas para fazer em Lisboa.

Publicidade

Mantém-se o dever cívico de recolhimento domiciliário. Mas há excepções, como deslocações para acesso a equipamentos culturais e deslocações de curta duração para efeitos de actividade física e passeio de animais de companhia. Por isso, se procura uma boa desculpa para sair de casa, antes, durante ou depois do trabalho (é lá consigo), aqui está a bíblia que faltava à sua vida. De segunda a domingo, não falta programa para encher a agenda lisboeta e nós compilamos o melhor recheio de exposições imperdíveis e manifestações de arte e cultura, desde peças de teatro a ciclos de cinema.

Recomendado: Coisas grátis para fazer esta semana

As melhores coisas para fazer hoje em Lisboa

  • Coisas para fazer
  • Exposições
  • Belém
Considerado o artista mais popular do mundo em 2020 pelo The Art Newspaper, Ai Weiwei, também conhecido pelo seu activismo político, terá a sua primeira exposição em Portugal este ano. Rapture, que inaugura a 4 de Junho na Cordoaria Nacional, junta peças inéditas, criadas em Portugal, a algumas das obras mais conhecidas do artista chinês. É o caso de Snake Ceiling (2009), uma instalação em forma de serpente constituída por centenas de mochilas de crianças, em memória dos estudantes mortos no terremoto de Sichuan, em 2008.
  • Teatro
  • Campo Grande/Entrecampos/Alvalade
Com encenação de Pedro Penim, este grande sucesso de palco, já adaptado ao cinema, chega ao Teatro Maria Matos, para contar como num jantar de amigos a anfitriã propõe um jogo, que provoca uma série de surpresas e reviravoltas. Alternando entre o drama e a comédia, todos os segredos serão revelados, para no final da noite nada ser como dantes e os amigos descobrirem que são, afinal, Perfeitos Desconhecidos.
Publicidade
  • Teatro
  • Chiado
Há espectáculos que a Broadway eternizou de tal forma que agora dificilmente nos veremos livres deles. Como este musical de Fred Ebb e Bob Fosse que, depois de 197 representações com encenação de Diogo Infante, regressa para a derradeira temporada, com duas novas intérpretes nos papéis principais, duas divas rivais que tentam escapar às acusações de assassínio enquanto aproveitam para subir na vida. Roxie Hart será interpretada por Inês Herédia e Velma Kelly por Vanessa Silva.
  • Arte
  • Campo Grande/Entrecampos/Alvalade
São seis núcleos, quase cronológicos, sobre a evolução e a necessidade das hortas em Lisboa, que é coisa que remonta já à Idade Média. Estes pedaços de terra sempre foram um elemento particular da paisagem urbana, sobretudo no que toca à subsistência das populações. Agora, e cada vez mais, são vistas como uma forma de sustentabilidade das cidades, com o sucessivo crescimento dos parques hortícolas municipais. Ao longo da exposição "Hortas de Lisboa", patente no Palácio Pimenta, põem-se a descoberto histórias e técnicas do passado num claro cruzamento com o presente e o possível futuro destes espaços na cidade, tudo através de cartografia, pintura, vídeo e narrativas de hortelãos que mantêm vivos estes elementos da malha urbana.
Publicidade
  • Coisas para fazer
  • Exposições
  • Belém
A história é universal. Uma menina com resposta sempre pronta vê-se de repente, por culpa da sua insaciável curiosidade, rodeada de maravilhas que nunca viu, com um rol de novas perguntas por fazer. Quantos relógios tem o tempo? É possível jogar às cartas com o futuro? E, o grande quebra-cabeças, quem somos de pernas para o ar? A partir das célebres obras de Lewis Carroll, As Aventuras de Alice no País das Maravilhas e Alice do Outro Lado do Espelho, a nova instalação imersiva da Fábrica das Artes convida-nos a viver o absurdo conto de fadas, onde tudo se transforma à mercê da nossa imaginação. Do Outro Lado da Toca, no Centro Cultural de Belém, é possível espreitar por gavetas, sentar-se à mesa com o Chapeleiro e até conviver com flores gigantes.
  • Arte
  • Arte contemporânea
  • Belém
Uma clínica efémera, que combina arte e psicologia, foi instalada no maat. São nove os tratamentos propostos que prometem desligar-nos do mundo, por momentos, promovendo o museu como um local de encontro e partilha. SANATORIUM, do artista mexicano Pedro Reyes, é uma exposição que não é uma exposição, mas antes uma instalação performativa e participativa em formato de clínica temporária, na qual o visitante pode participar em nove terapias. No espaço da Central Tejo, as batas brancas dos guias dos museus, aqui terapeutas, e as cores das paredes (brancas e verdes claras) do espaço onde está SANATORIUM dão o mote para a experiência. Não é difícil esquecer-se de que está num museu e, por momentos, é como se desse realmente entrada numa clínica terapêutica. Saiba mais aqui.
Publicidade
  • Música
  • Música ao vivo
  • Belém
Está com saudades de passar uma tarde de domingo a ouvir jazz, soul, funk ou hip-hop? A 14.ª edição do Somersby Out Jazz arrancou este mês no Jardim Botânico Tropical e segue, em Setembro, para o Jardim Botânico de Lisboa e, em Outubro, para o Anfiteatro de Pedra, na Tapada da Ajuda. Os bilhetes custam 3€. Os lucros, este ano, revertem totalmente para a União Audiovisual.
  • Coisas para fazer
  • Exposições
  • preço 0 de 4
  • Estrela/Lapa/Santos
A Academia Olímpica de Portugal reuniu peças de colecções particulares e institucionais, para retratar a história de “Mascotes Olímpicas – de talismãs a símbolos de identidade”, ao longo de mais de meio século. O acervo, complementado por textos e filmes protagonizados por estas personagens, que se têm tornado símbolos identitários das cidades e regiões que recebem os Jogos Olímpicos, vai ficar patente até 19 de Setembro no Museu do Oriente.
Publicidade
  • Desporto
  • Dança
  • preço 0 de 4
  • Alcântara
Já se imaginou a dançar num castelo? É um dos desafios previstos por este projecto que nos convida a participar em aulas de dança, ao ar livre, em locais inusitados da cidade. Este ano, a escolha faz-se entre ritmos quentes e passos seguros. Primeiro, Avelino Chantre conduz-nos por uma aula de danças africanas (Jardim da Biblioteca de Alcântara, 29 de Agosto); depois Maria Eugénia ensina-nos o tango (Castelo São Jorge, 5 de Setembro); seguem-se flamenco e sevilhanas com João Lara Pereira (Museu de Lisboa – Palácio Pimenta, 12 de Setembro); e, por fim, Afonso Costa mostra-nos as danças do caribe (Museu da Marioneta, 19 de Setembro). Sempre aos domingos, às 17.30, com entrada livre, mediante levantamento de bilhete.
  • Coisas para fazer
  • preço 0 de 4
  • Castelo de São Jorge
Após cinco anos consecutivos de Lisboa Soa, propõe-se uma não-edição, dedicada a trabalhar a memória do festival experimental sonoro, mas sempre com os ouvidos postos no futuro. Além do lançamento de um livro, o programa inclui sessões de escuta e um concerto único no Castelejo, que faz uma ponte entre as esculturas-instrumentos de Victor Gama e os ambientes sonoros do Lisboa Soa, processados ao vivo por paL (Pedro Almeida).

Lisboa bairro a bairro

  • Coisas para fazer

Foi no Príncipe Real que se instalou a nova dinastia da restauração lisboeta, para comer como um príncipe, os terraços para beber copos se multiplicaram e as concept stores apareceram porta sim, porta não. Sem esquecermos os nomes sonantes que, num cirandar constante, também têm poiso no bairro, do chef Kiko aos designers Lidija Kolovrat ou Nuno Gama. 

  • Coisas para fazer

Clássicos de sempre e espaços que ainda cheiram a novo. Padarias, gelatarias, um café italiano e até um restaurante de choco frito. Mas há muito mais que comida. Percorra as ruas do movimentado bairro em busca do melhor de Campo de Ourique.

Publicidade
  • Coisas para fazer

Arena de piqueniques, megapavilhão polidesportivo sem tecto, destino de eleição para apreciadores de baloiços e escorregas, Monsanto é muito mais do que aquele lugar onde se vai uma vez por ano a um casamento.

  • Coisas para fazer

Até há pouco tempo, era o ponto cardeal mais desprezado de Lisboa, mas, lentamente, começa a ganhar vida e pontos de interesse. Eis uma longa série de desculpas para rumar ao bairro da moda e descobrir Marvila. 

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade