A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Alvalade
Arlindo Camacho

O melhor de Alvalade

Não tem o charme do Príncipe Real nem a história de Alfama, mas é um dos bairros mais lisboetas de Lisboa.

Escrito por
Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

Alvalade é um bairro a ter em conta sempre que falamos do melhor da cidade. Andámos pelas suas ruas desenhadas a régua e esquadro e traçámos um roteiro para forasteiros e nativos. As novidades do bairro, as paragens obrigatórias, os pratos que não pode deixar de provar nos restaurantes locais e os espaços mais amigos das crianças – tudo o que precisa de saber para pôr Alvalade na sua lista de prioridades está aqui. Tudo num bairro que também pode ser apreciado num belo passeio de fim-de-semana, já que a sua arquitectura, em particular residencial, também merece especial atenção.

Recomendado: Os melhores jardins e parques de Lisboa

O melhor de Alvalade

Conheça as novidades em Alvalade
  • Coisas para fazer

É um dos melhores bairros para viver em Lisboa, mas também é bom de visitar, principalmente se tiver miúdos, já que aqui há muitos sítios onde as crianças podem ser felizes. Se só precisa de uma pequena desculpa para regressar a Alvalade (partindo do princípio que não é um dos sortudos residentes), damos-lhe várias. No último ano, Alvalade ganhou ainda mais vida com novos espaços. Mesmo durante a pandemia houve quem não se acanhasse nisto do arriscar, contribuindo para o crescimento do bairro que tem cada vez mais oferta para locais e visitantes.

  • Miúdos

Alvalade tem conquistado cada vez mais famílias, que não passam sem uma voltinha na Avenida da Igreja, não resistem aos pratos dos seus restaurantes, já sabem os nomes dos senhores das bancas do Mercado de Alvalade de cor, e vão assistindo ao nascimento de muitas novidades. Então e as crianças? As crianças não foram esquecidas e encontram no bairro atracções à sua medida: da clássica gelataria Conchanata à loja Maria do Mar, cheia de brinquedos e móveis para eles, passando por um dos melhores parques verdes da cidade inteira.

Publicidade
  • Restaurantes

Moderno, tradicional e guloso. Alvalade tem de tudo um pouco, uma característica que também se aplica à oferta gastronómica do bairro. E acredite que é uma verdadeira volta ao mundo em muitos, muitos pratos. A Ásia está bem representada, em pratos oriundos do Nepal, Japão, Índia ou China, mas também Itália e, claro, Portugal que tem uma das melhores cozinhas do planeta. Mas antes de rumar a um dos bairros mais completos da cidade de Lisboa, comece por picar esta lista com os melhores restaurantes de Alvalade. Bom apetite e boa viagem.

  • Coisas para fazer

Alvalade mantém a alma do negócio local. E conserva as suas características residenciais, em contracorrente com o que se vai testemunhando nos bairros históricos de Lisboa. Não fica no centro, mas é o centro da comunidade local que tem à mão de semear uma grande diversidade de lojas, bares, restaurantes e serviços que, entre o tradicional e o moderno, são essenciais para o pulsar da vida de bairro. E essenciais no geral. Afinal, as portas estão abertas para todos.

Publicidade
  • Coisas para fazer

A Avenida de Igreja, em Alvalade, é o eixo à volta do qual gira a vida do bairro. Uma pessoa pensa que vai só à Avenida da Igreja, mas acaba por parar em tudo o que é comércio local, variado e muitas vezes uma delícia. Na avenida que liga a Igreja de São João de Brito ao Campo Grande, ao longo de pouco mais de um quilómetro, há muito para fazer. Nós dizemos-lhe as doze paragens obrigatórias nesta que é uma das grandes avenidas da freguesia de Alvalade.

  • Coisas para fazer

Começou por se chamar “Rua 21 do Sítio de Alvalade”, até que em 1950 o município a baptizou com o nome do escritor Acácio de Paiva (1863-1944), que publicou centenas de poemas sob o pseudónimo Belmiro, além de diversas peças de teatro. Aliás, a toponímia de Alvalade está polvilhada com nomes ligados à literatura, de João Saraiva a José d’Esaguy ou Maria Amália Vaz de Carvalho. A Rua Acácio de Paiva liga a Avenida da Igreja à Rua João Saraiva e tem apenas 300 metros de comprimento. Parece pouco, mas chega para muito. Chega para fazer exercício, para comer, para beber, para ouvir música, ver uma exposição ou dar banho ao cão.

Lisboa bairro a bairro

Publicidade
Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade