0 Gostar
Guardar

Os melhores balcões de Lisboa

Sem sub-primes, resgates, contas em offshore e gestão danosa, estes são os melhores balcões de Lisboa

Fotografia: Ana LuziaA Cevicheria

O balcão foi durante muito tempo o gueto da sala de restaurante. “Só temos lugar ao balcão” era, aliás, um lamento clássico do empregado de mesa. Ora, o estigma está a acabar, como estão a acabar os bancos altos e instáveis e o mobiliário formatado de snack bar. Há cada vez mais balcões lindíssimos onde se come muito bem e onde ainda se consegue assistir a um showcooking de borla.

Dos clássicos às novidades, das marisqueiras aos japoneses, são mais de 250 metros de balcão onde os únicos levantamentos que tem de fazer são para erguer o copo ou levar o petisco à boca.

Os melhores balcões de Lisboa

Tapisco

4 /5 estrelas

Não gira tudo à volta do balcão, mas está lá muito perto. “Optámos por fazer uma cozinha ibérica porque os portugueses gostam de petiscar ao balcão, e porque as duas cozinhas se complementam muito bem”, justificou Henrique Sá Pessoa quando em 2017 abriu o Tapisco no Príncipe Real. Na carta, recheada de petiscos que põe lado a lado pratos portugueses e espanhóis, aparecem gambas al ajillo (16€) e amêijoas à Bulhão Pato (18€), bons lombos de atum com emulsão de pinhões (22€) e presas de porco ibérico (22€), e ainda açordas de gambas (20€) e paellas negras (29€).

Balcão: 10,20

Ler mais
Chiado/Cais do Sodré

A Cevicheria

4 /5 estrelas

Caso para dizer: “Ganda Peru”. Falamos da magnífica cozinha que o chef Kiko trouxe da América do Sul (e não do guarda-redes Artur). O balcão, circular, é particularmente bonito e divertido. Conselho: fique do lado oposto à entrada – os grandes janelões dão-lhe uma vista luminosa para a Rua D. Pedro V e para os arejados transeuntes do Príncipe Real. Mas se não conseguir, não se preocupe, o espectáculo está sempre garantido. Os ceviches, as causas e os quinotos são montados mesmo ali à frente do cliente, com pinças (e não é metáfora). No tecto também há coisas para ver: sobre o lugar paira um muito impressionante polvo. Para conseguir lugar, vá fora do horário nobre – ou seja antes das 13.00 e depois das 15.00, ou antes das 19.30 e depois das 22.30. Não se aceitam reservas.

Balcão: 4,5 metros

Ler mais
Princípe Real
Publicidade

Pigmeu

4 /5 estrelas

O único restaurante suinocêntrico da cidade tem um menu de petiscos que parece feito à medida do balconismo mais clássico: croquetes, torresmos, pezinhos de coentrada e outros acepipes de trás da orelha – incluindo salada de orelha. O ambiente é mais cool do que o menu pode sugerir e comer ao balcão cria aquela tensão “isto é um lanche ou um jantar?” perfeita para um final de tarde na cidade. As sandes contemplam várias partes da anatomia do porco (lombo, cachaço, pernil, barriga) e o difícil é escolher – é aí que a porca torce o rabo.

Balcão: 3,5 metros

Ler mais
Campo de Ourique

Sea Me

4 /5 estrelas

Já estamos mais do que habituados a ir a sítios onde podemos comer e levar para casa (e não estamos a falar de doggy bags, obviamente), mas quando a Sea Me – Peixaria Moderna abriu no Chiado, em 2010, causou um zunzum por toda a parte. O peixe era, finalmente, moda e passava a poder ser comprado no mesmo local onde se jantava. Aqui, é sempre fresco e nacional, uma vez que a Sea Me tem viveiros na Ria Formosa e compra grande parte do pescado em Sesimbra, Setúbal e Açores. Segundo António Querido, um dos donos do grupo, a peixaria “foi a precursora do sushi de influências luso-nipónicas na cidade”. Por isso, não se espante se encontrar niguiris de sardinha assada, com flor de sal (7€/2 unidades), um dos pratos mais emblemáticos e mais pedidos ao balcão.

Balcão: 6,5 metros

Ler mais
Bairro Alto
Publicidade

Coelho da Rocha

4 /5 estrelas

Este é um daqueles casos em que a fama teve precedentes. Os donos do Magano, um dos mais conceituados restaurantes alentejanos da cidade, abriram um novo espaço na Rua Coelho da Rocha, em Campode Ourique. Os irmãos Bruno e Marco Luís decidiram dar novo fôlego ao restaurante trintão do senhor Esteves, que ali “servia boa comida portuguesa”. Desde meados de Maio que servem petiscos como folhados de perdiz (10€) e moelas de pato estufadas (5€), e no futuro espera-se presunto Pata Negra e arroz de pombo. Quanto às sobremesas, também não vai daqui mal servido, muito pelo contrário. Há pastéis de amêndoa (2€), sericaia com ameixa de Elvas (4€) e variados cheesecakes (4€).

Balcão: 9 metros

Ler mais
Campo de Ourique

O Trevo

Lembram-se do episódio de Antony Bourdain em Lisboa? Há um momento em que o apresentador de No Reservations está genuinamente feliz e não é quando está a ouvir fado com António Lobo Antunes ou a pescar no meio do Tejo. A maior alegria de Bourdain está guardada para o fim, quando ferra os dentes numa bifana do Trevo. “The glory of Lisbon”, chamou-lhe no Twitter. Bourdain pode ter colocado o Trevo no mapa gastro turístico da capital, mas há anos que este balcão, na esquina do Largo Camões com a Rua da Misericórdia, é uma instituição lisboeta. Nenhum outro lugar consegue juntar turistas, operários, executivos, estudantes e artistas. Todos a trocar a mostarda ou a disputar o frasco de piripíri. Não há sítio na cidade mais democrático onde pousar os cotovelos. A bifana é rainha – vinda de uma frigideira que parece estar ao lume desde o primeiro parágrafo do Génesis – mas o prego também recebe louvores. É grelhado na chapa, mas não semantes mergulhar no molho amarelado do bifanário. A canja tem um rácio surpreendente de galinha/caldo e é tida comou ma das melhores da cidade. Há ainda os pratos do dia, que podem ser consumidos nas poucas mesas (sempre cheias) ou que pode pedir para levar para fora – aos clientes habituais até se emprestam talheres.

Balcão: 9 metros

Ler mais
Bairro Alto
Publicidade

Bistro 100 Maneiras

4 /5 estrelas

“Olhó Moniz, olhá Moura Guedes, olhá Sofia Aparício, olhá…” Não haverá em Lisboa outro sítio com tanta gente da televisão e das artes por metro quadrado como no mítico balcão/hall do Bistro 100 Maneiras, ainda herdado do tempo em que se chamava Bachus. Hoje em dia, muita gente segue do balcão para a sala de refeições, mas há boas razões para não sair dos bancos altos. Uma delas são os extraordinários cocktails de Jorge Camilo, um dos melhores barmen da cidade.

Balcão: 4 metros

Ler mais
Chiado

Hikidashi

4 /5 estrelas

Aqui não há hipótese: só pode comer ao balcão. E ainda bem. O espaço do mais procurado restaurante de Campo de Ourique por estes dias está desenhado todo à volta dessa extraordinária peça de madeira Mutene, oriunda de África. A sala, longilínea, estende-se desde a pequena cozinha aberta, ao fundo, até quase à porta da entrada. O chef e dono do sítio, Agnaldo Ferreira – que passou pelo Estado Líquido e pelo Yakusa –, diz que compraram um tronco inteiro e depois cortaram-no à medida do balcão, por blocos. De resto, experiência de corte não falta aqui, nomeadamente de peixes, seja para ceviches, seja para sashimi ou para os gunkans e outras coisas do sushi de fusão de origem brasileira que Agnaldo trouxe para Lisboa. Da cozinha vêm desde camarões grandes salteados em molho de alho e sake (17€), a feijões de soja vaporizados em flor de sal (6€). Mas a grande inovação é a robata, um grelhador com carvão aromatizado, de onde saem por exemplo pianos de leitão que se desfazem na boca (14€). Dada a procura, o restaurante funciona com dois turnos: o primeiro dos quais começa agora às 19.00 e o segundo inicia-se às 21.30. Reserva obrigatória. Serve ainda almoços das 12.30 às 15.00.

Balcão: 12 metros

Ler mais
Campo de Ourique
Publicidade

Beira Gare

Ir ao Beira Gare e não comer uma bifana é como ir a Roma e não ver o Papa. Um sacrilégio. E aqui não há desculpa que lhe valha, muito menos argumentar que não tem tempo para almoçar. Entre pedir e tê-la debaixo do nariz são menos de dois minutos. Neste que é provavelmente o balcão com o atendimento mais rápido de Lisboa (e que há mais de cem anos começou por servir só leite), as bifanas, cuja carne vem de Mafra, levam um molho feito com sal e vinho branco. “O resto é segredo”, diz Marcos Rodrigues, um dos donos. Mas como tudo na vida, neste restaurante também há dois pesos e duas medidas. A bifana ao balcão custa 2,50€, e à mesa encarece 0,40€. Além das bifanas, que muito sucesso fazem entre a clientela, há ainda polvo à lagareiro, sardinhas assadas, bitoques e alheiras de Mirandela. Tudo a sair rapidinho.

Balcão: 9,5 metros

Ler mais
Santa Maria Maior

By the Wine

É um dos melhores balcões de Lisboa para um copo e petisco ao fim do dia. Do lado de cá, tem 16 bancos altos. Do lado de lá, tem 38 vinhos, tudo José Maria da Fonseca, e 12 empregados, tudo gente nova formada nas suas caves. E tem uma carta de preços racionais: o copo começa nos 2,60€, tem uma escolha incrível até aos 4€, mas pode trepar aos 25€ se quiser a experiência única de um moscatel Trilogia. No petisco, pode até ficar pelo couvert: azeite, azeitona, passata de tomate, e um belíssimo pão rústico algarvio que vem de Azeitão, como quase tudo nesta casa (3€). Mas a tábua de embutidos belota e queijo (25€) ou o ceviche (salmão, cebola roxa, chili, cebolinho, lima e teriaki, por 9€) são apostas seguras. Quando entrar, ponha os olhos no tecto, forrado com 3267 garrafas vazias. Para enchê-las, precisaria de 2450 litros de vinho.

Balcão: 16 metros

Ler mais
Chiado/Cais do Sodré
Publicidade
Mostrar mais

Outros restaurantes em Lisboa

Tascas a não perder em Lisboa

Este roteiro tem atendimento simpático, doses generosas e boa comida portuguesa. Não pagámos mais do que 12€ por refeição.

Ler mais
Por Inês Garcia

Os melhores restaurantes de cozinha de autor

José Avillez, Henrique Sá Pessoa, Alexandre Silva e Miguel Rocha Vieira são alguns dos melhores chefs da cidade e estão à frente destes restaurantes de cozinha de autor em Lisboa. Estendam a passadeira vermelha, que os pratos que aqui desfilam são de assinatura e dignos de paparazzi. 

Ler mais
Por Mariana Correia de Barros
Publicidade

Os melhores restaurantes de petiscos em Lisboa

Numa almoçarada de amigos. Num final de tarde depois da praia. Num dia de chuva. Num jantar fora de horas. A arte de picar é bem típica portuguesa e calha bem a qualquer hora do dia ou qualquer refeição. Descubra aqui os melhores restaurantes de petiscos em Lisboa e partilhe sem vergonha. 

Ler mais
Por Mariana Correia de Barros

Comentários

0 comments